Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Avise seu amigo com mau hálito com essa ferramenta anônima

Halitose, que atinge 30% da população, tem diversas causas e orientação adequada é essencial para a solução

Existem mais de 50 causas para o mau hálito e, em aproximadamente 90% delas, a origem é bucal. Foto: Bigstock.Existem mais de 50 causas para o mau hálito e, em aproximadamente 90% delas, a origem é bucal. Foto: Bigstock.

Já imaginou poder avisar, sem nenhum tipo de constrangimento, que algum amigo, funcionário, chefe, parente, crush ou qualquer outra pessoa tem mau hálito?

O odor é implacável e pode prejudicar relacionamentos pessoais e profissionais, afinal de contas é desagradável ficar por perto de alguém que sofra com esse problema e, qualquer sinal de alerta para a pessoa, pode acabar em uma saia-justa.

Foi com essa preocupação que a Associação Brasileira de Halitose (ABHA) criou no seu site (www.abha.org.br) o serviço SOS Mau Hálito, um espaço na Internet para pessoas que têm um amigo portador desse problema e ficam constrangidas de informá-lo.

A ABHA envia um e-mail para aquela pessoa que se quer avisar, com todos os esclarecimentos possíveis a respeito do assunto, mas sem identificar a fonte da informação, de forma anônima.

Mas o que é a halitose? A cirurgiã dentista e presidente da ABHA, Cláudia Christianne Gobor, explica que é uma alteração do padrão normal do hálito, sintoma de algum problema de origem local, geral, sistêmica e/ou emocional – não é uma doença, mas uma consequência de um desequilíbrio.

“O mau hálito altera o padrão de comportamento na vida social, familiar e profissional, levando o paciente a apresentar uma tendência ao isolamento e distanciamento das pessoas”, comenta.

“Existem mais de 50 causas e, em aproximadamente 90% delas, a origem é bucal. Pode ser também fisiológica (hálito da manhã, jejum prolongado e dietas inadequadas), causas locais (má higiene bucal, placas bacterianas retidas na língua e/ou amídalas, baixa produção de saliva ou doenças da gengiva), ou mesmo causas sistêmicas (diabetes, problemas renais ou hepáticos, prisão de ventre e outros)”, explica a dentista.

Um terço da população adulta tem halitose

Segundo a Associação Brasileira de Halitose (ABHA), o número de pessoas com mau hálito chega a 30% da população adulta. O primeiro passo para resolver esse problema é procurar um dentista para receber orientações sobre a higienização de toda a boca (dentes, gengiva, língua e mucosa).

“Se mesmo assim o problema persistir, pode ser um alerta para doenças renais ou hepáticas, constipação intestinal, alterações nas vias aéreas superiores, diabetes ou síndrome de Sjogren (distúrbio do sistema imunológico caracterizado por boca e olhos secos). Isto tudo é analisado no consultório e se desconfiarmos de alguma alteração sistêmica, encaminhamos o paciente para tratamento médico”, alerta Cláudia.

O uso de balas, chicletes ou sprays deve ser feito com cautela, em situações pontuais, “esses produtos mascaram o hálito, sobrepondo seu aroma e, após o seu efeito acabar, o problema volta a existir”, completa.

Como prevenir e evitar o mau hálito?

Confira dicas da Associação Brasileira de Halitose:

Cuide da alimentação;

Tome água com mais frequência;

Evite comer gorduras, condimentos e alimentos com odor carregado (o excesso de proteína ajuda na proliferação da halitose);

Execute uma higienização de língua efetiva;

Escove os dentes após todas as refeições, usar fio dental e visitar o seu dentista regularmente a cada seis meses.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário