Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Saiba mais sobre a pior dor de cabeça: a cefaleia em salvas

Doença causa dores extremas e tem sintomas bem diferentes da enxaqueca – às vezes, pode ser confundida com outros problemas como sinusite

Doença causa dores extremas e tem sintomas bem diferentes da enxaqueca - às vezes, pode ser confundida com sinusite. Foto: Bigstock.Doença causa dores extremas e tem sintomas bem diferentes da enxaqueca - às vezes, pode ser confundida com sinusite. Foto: Bigstock.

A”cefaleia em salvas” é uma dor de cabeça tão forte que ficou popularmente conhecida como dor de cabeça suicida: a intensidade do incômodo é tanta que dizem as lendas médicas que na antiguidade podia levar quem sofria com a doença a querer acabar com a própria vida.

Mais rara e bem diferente de outras dores de cabeça, a cefaleia em salvas tem sintomas bem diferentes – ela é sazonal e deixa a pessoa muito inquieta.

Além disso, ela pode comumente ser confundida com outras doenças, levando o paciente a passar anos indo de especialista em especialista até ser diagnosticado corretamente.

Diferença entre as dores

Existem duas divisões básicas entre as cefaleias, ou seja, dores de cabeça: as primárias (em que a dor é a própria doença) e as secundárias (em que as dores são sintomas de outros problemas).

Tanto a cefaleia tensional e a enxaqueca (as duas mais comuns) quanto a cefaleia em salvas fazem parte do primeiro grupo.

“A cefaleia tensional é a ‘ dor de cabeça do trabalhador’, é aquela que a maioria das pessoas teve ou tem frequentemente – costuma aparecer no final da tarde, dos dois lados da cabeça, e causa um incômodo leve ou moderado”, explica o neurologista Paulo Faro. Esse tipo pode durar de 30 minutos até sete dias, mas não é uma dor incapacitante.

Já a enxaqueca causa dores mais fortes e sensação de latejamento – em geral, é apenas de um lado da cabeça e vem em crises que podem durar de quatro a 72 horas.

Essa, sim, pode ser incapacitante: quem sofre de enxaqueca sente vontade de ficar imóvel, procurar um lugar escuro e silencioso.

“Por outro lado, quem tem cefaleia em salvas sofre de sintomas bem diferentes. Em geral, a dor é tão intensa que a pessoa fica muito inquieta, não consegue ficar imóvel”, explica o médico. A dor é sempre de um dos lados, em geral ao redor de um dos olhos – além disso, a pessoa pode sofrer também de vermelhidão na face e nos olhos, sudorese e lacrimejamento.

As crises de cefaleia em salvas duram entre 30 e 40 minutos e podem se manifestar até oito vezes por dia, em geral por um período de três a quatro meses – depois, ela desaparece por um ou dois anos.

Diagnóstico

Como é uma doença mais rara, um paciente que sofre de cefaleia em salvas pode levar anos até ser diagnosticado corretamente.

“Muitas vezes a pessoa procura diversos especialistas, que por vezes atribuem os sintomas a problemas oculares, sinusite, problemas dentários e outros – com isso, perde-se muito tempo”, explica a neurologista Maria Eduarda Nobre, autora de um livro específico sobre a doença.

Segundo ela, quem tem qualquer tipo de dor de cabeça que venha mais de três vezes ao mês por mais de três meses deve ser avaliado por um médico, preferencialmente um neurologista.

O diagnóstico da celafeia em salvas em geral demanda também um exame de imagem, além do descarte das demais possibilidades.

Tratamento

Segundo Faro, existem dois tipos de tratamento para quem tem a doença: o preventivo, feito com medicação (há diversas possibilidades, dependendo de cada paciente), e o tratamento recomendado para aliviar as crises, normalmente feito com oxigênio.

“As seções de inalação duram de 15 a 20 minutos e, depois de orientado por um médico no hospital, o paciente consegue fazer esse tratamento em casa”, complementa ele.

Ainda não se sabe exatamente porque a cefaleia em salvas ocorre. “Também não há cura, mas alguns pacientes passam muitos anos sem crises, o que pode representar uma esperança para que isso ocorra – o tratamento correto faz toda a diferença no curso da dor ao longo da vida”, diz Maria Eduarda Nobre.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário