i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Controlar a dor na hora do parto sem remédios: confira as técnicas comprovadas

É possível mudar a sensação de dor das mulheres em trabalho de parto sem apelar para anestesias ou medicamentos. Confira o que funciona, conforme os estudos

  • PorAmanda Milléo
  • 07/12/2019 10:00
Há técnicas não farmacológicas, que não usam medicamentos, para o controle da dor da mulher durante o trabalho de parto. Confira! Foto: Bigstock.
Há técnicas não farmacológicas, que não usam medicamentos, para o controle da dor da mulher durante o trabalho de parto. Confira! Foto: Bigstock. | Foto:

Sem anestesia ou medicamentos, mulheres conseguem mudar a percepção de dor durante o trabalho de parto com medidas por vezes simples, fáceis e, acima de tudo, com a eficácia comprovada.

Dentre as técnicas que devem ser estimuladas pelos profissionais da saúde, a médica epidemiologista Eliana Wendland, da equipe do hospital Moinhos de Vento e professora da Universidade Federal das Ciências da Saúde de Porto Alegre (RS), destaca:

  • Ambientação do local do parto;

  • Posição e movimentação da mãe;

  • Bolas de parto;

  • Imersão em água;

  • Técnicas de relaxamento e terapia manual, como ioga, música, massagem, calor local com bolsas de água quente, etc.

“A dor é muito subjetiva. Para a mulher, que está ansiosa, ficar em um lugar confortável pode mudar a percepção da dor. E tem várias técnicas que podem ser feitas para minimizar essa sensação de dor e tornar a experiência do parto mais interessante, um momento mais prazeroso”, explica a médica, que apresentou os métodos comprovados, e os sem comprovação, para manejo da dor no parto durante o 58º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, ocorrido em Porto Alegre, em novembro.

Eficácia comprovada

Confira abaixo como funcionam cada um dos métodos comprovados:

Quartos sem cara de hospital

Há evidências, conforme explica a especialista, que o ambiente onde será feito o parto pode influenciar na sensação de dor da mulher.

“O parto não necessariamente deve ser feito em um local que pareça um hospital, com uma cama de hospital. Pode ter uma ambientação diferente, parecendo mais um quarto normal, com uma banheira, um sofá, uma bola. A sensação e a percepção da dor tendem a diminuir”, explica Eliana.

Mulheres livres para circular

A percepção de dor também pode reduzir se a mulher tiver a possibilidade de assumir a posição que ela quiser. Embora os médicos estejam acostumados com a paciente deitada, nada impede que ela decida ter o bebê em um parto de cócoras, de lado, sentada.

“A posição que ela deve assumir antes e durante o trabalho é aquela que for mais confortável a ela. É algo barato, não tem problemas, mas é muito cultural em querermos colocar a paciente sempre do mesmo jeito”, diz a médica. 

Bolas de Pilates

Outro método comprovado é o uso das bolas, como aquelas feitas em exercícios de Pilates, mas chamadas de bolas de parto. O movimento da mãe em cima das bolas melhora a dor mas, principalmente, a capacidade de a mulher em lidar com a dor.

Gestante na banheira

A imersão em água é uma recomendação indicada por protocolos internacionais, como os da Inglaterra e dos Estados Unidos. Além do relaxamento que a água induz, a percepção da dor também diminui.

Técnicas de relaxamento

Ioga, música, massagem, calor local com o uso de bolsas de água quente, por exemplo, são técnicas de relaxamento recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, são também fáceis de implementar, embora exijam uma preparação prévia.

Sem efeitos adversos

Das vantagens de priorizar métodos não farmacológicos no cuidado da dor, a médica explica que o baixo custo e facilidade em implementá-los chama atenção. Mas, principalmente, a maioria não tem efeitos adversos, como pode ocorrer com o uso de anestesias ou sedação.

“Os farmacológicos podem ter eventos adversos associados, além de eu precisar de um profissional mais especializado, de um anestesista que atenda a paciente. E se não há nenhum disponível, não tem acesso ao controle da dor”, explica. 

No caso das técnicas não farmacológicas, além da recomendação da OMS, muitos podem ser feitos pelo próprio companheiro da mulher, ou por quem for manejar o parto.

“Mas uma coisa importante a ser lembrada é que esses métodos precisam ser preparados durante o pré-natal. Não é na hora do parto que a pessoa decide fazer uma massagem. Não vai funcionar”, reforça Eliana.

Técnicas não comprovadas

Dos métodos não comprovados na literatura médica para o controle da dor na hora do parto, a médica lista:

  • Biofeedback;
  • Injeção de água estéril;
  • Aromaterapia;
  • Eletroestimulação.

O biofeedback é uma espécie de treinamento, usando instrumentos, que verificam como está a contração muscular pélvica da mulher. Por meio de sondas anatômicas, a contração então é mostrada em uma tela de computador.

No caso da injeção de água estéril, trata-se da aplicação da água destilada estéril com o objetivo, também, de reduzir a sensação de dor. Não há, de acordo com a médica, comprovação de que a medida funcione, da mesma forma que a aromaterapia, ou o uso de cheiros e odores, e a eletroestimulação.

“Há duas técnicas que não têm evidências que funcionem, mas que se a paciente quiser, não se deve negar. Tratam-se da hipnose e acupuntura. Não devemos estimular o uso, porque não tem comprovadamente nenhum impacto sobre a dor, mas também não há nenhum evento adverso ligado a elas”, explica Eliana. 

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.