Como o “susto” de Mick Jagger alerta para a importância de fazer check-up

O músico tem 75 anos e se submeteu ao procedimento cirúrgico para reparar uma válvula cardíaca. Ele adiou inúmeros shows e pretende diminuir o ritmo de trabalho após a recuperação

mickjagger2Mick Jagger tem 75 anos e se submeteu ao procedimento cirúrgico para reparar uma válvula cardíaca. Foto: Thomas Peter/Reuters

O problema cardíaco que fez o roqueiro Mick Jagger cancelar a turnê americana na semana passada foi descoberto durante um exame de rotina. Segundo o irmão do vocalista dos Rolling Stones, Chris Jagger, a necessidade de passar por uma cirurgia no coração foi apontada em um check-up, evitando uma fatalidade.

Check up em extinção? Médicos debatem a era das incertezas na medicina

“É por isso que quando você chega em uma certa idade aconselham que faça vários exames”, afirmou Chris ao jornal britânico Sunday People.

Mick Jagger tem 75 anos e se submeteu ao procedimento cirúrgico para reparar uma válvula cardíaca. Ele adiou inúmeros shows e pretende diminuir o ritmo de trabalho após a recuperação. No entanto, na última sexta-feira (5), o vocalista publicou uma mensagem nas redes sociais afirmando que já estava bem. “Obrigado a todos pelas mensagens de apoio, estou me sentindo muito melhor agora e em recuperação”, postou o roqueiro.

A cirurgia do vocalista acendeu o alerta para a importância dos exames de rotina que apontam doenças cardiovasculares, respiratórias, câncer, problemas graves no aparelho digestivo e demência. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), essas doenças crônicas não-transmissíveis são as principais causas de mortalidade e invalidez precoce no mundo, representando 63% das mortes registradas anualmente.

mickjagger1

A cirurgia do vocalista dos Rolling Stones acendeu o alerta para a importância dos exames de rotina. Foto: Thomas Peter/Reuters

Por este motivo, atitudes preventivas e a realização de alguns exames de rotina são recomendadas. De acordo com o médico Antônio Modesto, membro da Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade (SBMFC), entre os testes principais estão os de pressão arterial – realizados anualmente a partir dos 18 anos – e também a sorologia para HIV, sífilis e hepatite para pessoas que já tiveram relações desprotegidas. Há ainda o Papanicolau, que deve ocorrer a cada três anos para mulheres a partir de 25 anos, e a mamografia para pacientes do sexo feminino a partir dos 50 anos.

Doenças cardiovasculares

As mais fatais dessas enfermidades são as doenças do coração e o acidente vascular cerebral (AVC), que atingem 17 milhões de pessoas anualmente, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com isso, a avaliação cardiológica é obrigatória para quem sofre com colesterol alto, doenças hipertensivas, diabetes e possui casos de infarto na família.

Abandonar o cigarro, trocar o elevador por escadas, caminhar mais, fazer exercícios físicos com regularidade, comer mais frutas e vegetais, e evitar excessos em carboidratos e doces são algumas medidas de prevenção.

Saúde do coração: o que fazer para mantê-lo forte?

Doenças cardíacas são as principais causas de morte atualmente (Foto: Bigstock)

Além disso, durante a avaliação médica, o cardiologista pode solicitar exames como eletrocardiograma para detectar arritmias e bloqueios cardíacos, teste ergométrico que indica se o paciente pode começar, manter ou aumentar a intensidade das atividades físicas, e o ecocardiograma a fim de verificar falhas nas válvulas e dificuldade de passagem do sangue. Exames de sangue também podem ser solicitados.

Alguns especialistas defendem que esses exames devem começar aos 30 anos. Outros afirmam que, se não há histórico de problemas cardíacos na família, eles podem ser realizados aos 50. No entanto, independente da idade, é necessário levar em conta sinais como desconforto na região torácica, falta de ar e pulso acelerado ou irregular. Nesses casos, um especialista deve ser procurado para detectar o problema com antecedência.

Outras doenças

A alimentação balanceada aliada à prática de exercícios físicos, realização de exames e a cuidados importantes como não fumar também evitam doenças como câncer. Em apenas um cigarro, por exemplo, são liberadas mais de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas que prejudicam o fumante e as pessoas ao redor que inalam a fumaça. Por isso, quem largou o tabagismo há menos de 15 anos deve realizar o acompanhamento médico anual, especialmente após os 50 anos de idade e com histórico de câncer de pulmão na família. Quem ainda fuma também deve fazer os exames, mas a recomendação imediata é abandonar o vício.

idosos, exercícios, academia, socialização, físico

A prática regular de atividades física aliada a uma alimentação balanceada também previnem doenças crônicas. (Foto: Bigstock)

Já para evitar o câncer de mama, é importante amamentar até os seis meses de vida do bebê, cuidar da nutrição e praticar atividades físicas regularmente. Também deve-se realizar o autoexame das mamas, mamografia e ultrassonografia das mamas. A incidência de câncer do colo do útero – o segundo mais comum entre as mulheres – também pode diminuir com a vacinação contra o HPV (Vírus do papiloma humano, uso de preservativos e realização do papanicolau (preventivo).

Casos de demência decorrentes de distúrbios hormonais, deficiência de vitaminas e tumores também são tratáveis quando descobertos inicialmente. Por isso, a prevenção é necessária com exercícios físicos, alimentação rica em ômega 3, e controle de diabetes e hipertensão. Hábitos como não fumar, não abusar do álcool, exercitar a atividade intelectual e preservar as relações sociais e familiares também são importantes.

Quanto aos exames de rotina para evitar a demência, especialistas defendem uma avaliação das funções neurológicas para pessoas com 50 anos ou mais, ou na presença de diminuição da memória e funções cognitivas que impeçam atividades habituais. Antes dessa idade ou na ausência de sinais, dificilmente uma pessoa passará pelo rastreio.

LEIA MAIS

8 recomendações para você

Deixe seu comentário