Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Polícia Federal
Algum espertinho achou legal criar uma perfil fake no Twitter com o nome do diretor-geral da Polícia Federal.| Foto: Aniele Nascimento/Arquivo/Gazeta do Povo

Virou moda recorrer à Justiça para acertar questões internas do Legislativo. Eu tenho criticado isso há bastante tempo. E não é que a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) foi pelo mesmo caminho e entrou na Justiça contestando a presença de Renan Calheiros (MDB-AL) na CPI da Covid.

Eu também discordo do fato dele e de Jader Barbalho (MDB-AP), cujos filhos são governadores, serem membros de uma CPI que vai investigar dinheiro federal destinado para os estados. De fato isso não faz sentido. Renan e Jader são moralmente impedidos, como seria se o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) também integrasse a CPI para investigar o governo do pai.

Em seu pedido, Carla alega que Renan Calheiros tem 43 processos e seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Portanto, ele não teria a moralidade exigida para integrar uma comissão investigativa.

Mas todos os senadores que integram essa comissão — exceto Marcos do Val (Podemos-ES), que se diz decepcionado com a política — têm interesse eleitoral. A verdade é que essa CPI será um grande palanque.

PGR cumpre o seu papel

A Polícia Federal já investiga 68 casos de desvio de verba para estados que eram para ser empenhados no combate à Covid-19. Na segunda-feira (19), por exemplo, a subprocuradora-geral da república, Lindôra Araújo, pediu aos governadores que expliquem como foram aplicados os recursos de hospitais de campanha.

Há governadores que ainda não cumpriram nem um primeiro pedido de explicações dela. Lindôra afirmou que quer que a prestação de contas seja assinada pelos próprios chefes dos estados e não por secretários. Eu fiquei sabendo que tem governador que não gostou do despacho feito pelo Ministério Público.

É muita audácia

Alguém teve a coragem de fazer um perfil fake no Twitter do diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino. Essa pessoa ainda inventou uma história fantasiosa de que Lula e o STF estavam conspirando para matar o presidente Jair Bolsonaro. A história é fantástica e não crível.

O mais incrível é que uma das minhas colegas, a jornalista Leda Nagle, ficou horrorizada, achou inacreditável o que leu e postou o seu horror nas redes sociais diante dessa informação. Depois de perceber que se tratava de uma fake news, ela se retratou e pediu desculpas.

Agora as pessoas estão criticando minha colega por ela ter acreditado na publicação. Ela foi vítima de uma invenção e os próprios inventores de conteúdos falsos estão criticando ela.

Agora é uma questão de honra para a Polícia Federal achar quem fez esse perfil falso. Tomara que essa publicação no perfil falso não seja levada a sério, porque o STF, por exemplo, levou em conta um trabalho criminoso de hackers contra a Lava Jato. Teve ministro do Supremo que mudou o voto com base em prova criminosa na ação que decidiu pela suspeição do ex-juiz Sergio Moro. Tomara que esse pirata virtual não ganhe a mesma fama que os hacker da Lava Jato.

Isso precisa servir de lição para todos nós. Precisamos ter cuidado com o que recebemos nas redes sociais, porque existem pessoas que são capazes até de criar um perfil fake de um diretor-geral da PF. Imagina a coragem dessas pessoas. É preciso encontrar essa pessoa e puni-la com rigor.

71 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]