i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Blog da Vida

Ver perfil

Aborto permanece como crime no projeto do Código Penal, mas nem tudo são flores

  • PorJônatas Dias Lima
  • 22/08/2013 19:43
Senadores divulgam relatório sobre o projeto do novo Código Penal. (foto: Agência Senado)
Senadores divulgam relatório sobre o projeto do novo Código Penal. (foto: Agência Senado)| Foto:
Senadores divulgam relatório sobre o projeto do novo Código Penal. (foto: Agência Senado)

Senadores divulgam relatório sobre o projeto do novo Código Penal. (foto: Agência Senado)

O senador Pedro Taques (PDT-MT) apresentou ontem o relatório da comissão especial do senado que trabalha no texto do novo Código Penal Brasileiro. O grupo de juristas que preparou o projeto original, antes da apreciação dos senadores, sugeriu uma série de mudanças polêmicas em muitas áreas, mas as propostas foram especialmente ruins nas questões de bioética. No relatório apresentado nesta quarta-feira, felizmente, os absurdos mais evidentes foram eliminados e não irão à votação do plenário.

Os juristas propuseram a liberação o aborto até a 12ª semana de gestação. Os senadores rejeitaram a sugestão e mantiveram o aborto como crime. “A possibilidade de exclusão do aborto como crime seria inconstitucional”, disse o relator. No caso da eutanásia, os juristas queriam criar um crime novo, com pena bem mais amena do que aquela que assassinos recebem. Perderam nessa também. No substitutivo do projeto a eutanásia permanece inclusa no crime de homicídio.

Mas nem tudo são flores no relatório. O substitutivo troca o atual “não se pune” por “não há crime” nos casos de estupro, anencefalia e “se houver risco à vida ou à saúde da gestante”. Esse terceiro item é o mais problemático, já que o código atual diz que não se pune aborto praticado por médico “se não há outro meio de salvar a vida da gestante”. Com a troca, o que seria exatamente “risco à saúde da gestante” ? Teoricamente cabe muita coisa nesse conceito.

O texto, naturalmente, não é definitivo, mas os parlamentares conscientes da dignidade da vida humana não podem cochilar de novo, como ocorreu no caso da PLC 03/2013, que virou a Lei nº 12.845/2013, e agora é preciso correr para corrigí-la.

O relatório é longo, então, aos interessados, recomendo que baixem o arquivo em PDF no computador e façam buscas por termos para encontrarem os pontos sobre aborto e eutanásia. A íntegra do relatório está disponível aqui.

***

Curta a página do Blog da Vida no Facebook.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.