i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Blog da Vida

Ver perfil

Bebês prematuros sobrevivendo com 22 semanas podem abalar lei do aborto nos EUA

  • PorJônatas Dias Lima
  • [19/05/2015] [14:19]
Foto: Bigstock
Foto: Bigstock| Foto:
Foto: Bigstock

Foto: Bigstock

Um bebê prematuro nascido com 22 semanas é capaz de sobreviver fora do útero? É cada vez maior o número de médicos que acha que sim e eles estão muito bem embasados. Os casos de nascimentos bem sucedidos nessas condições tem se tornado frequentes, além disso o avanço da medicina tem contornado as dificuldades enfrentadas décadas atrás.

O suplemento do The New York Times na Gazeta do Povo desta terça-feira apresenta essa discussão médica e ética que pode, inclusive, abalar o já frágil sustentáculo jurídico do aborto legal nos Estados Unidos.

Leiam um trecho:

“Nos EUA, a Suprema Corte declarou que os Estados devem permitir o aborto quando o feto não é viável fora do útero. A mudança dos critérios sobre a idade mínima para a viabilidade do feto pode suscitar dúvidas quanto à legalidade de abortos.

Grupos médicos já vêm discutindo se é razoável oferecer tratamento médico a bebês nascidos com 23 semanas de gestação. Alguns hospitais já o fazem.

Mas os bebês nascidos com entre 22 e 23 semanas são um ponto de interrogação; suas chances de sobrevivência são pequenas, variando de acordo com fatores como o peso ao nascer e se a mãe recebeu ou não tratamento com corticosteroides antes do parto, o que pode ajudar os pulmões e o cérebro.

Feito com 5.000 bebês nascidos com entre 22 e 27 semanas de gestação, o estudo concluiu que os de 22 semanas não sobreviveram sem intervenção.

Dos 78 casos em que foi dado tratamento ativo, em 18 deles os bebês sobreviveram. Com um ano de idade, sete desses 18 não apresentavam deficiências moderadas ou graves. Seis deles apresentavam problemas graves, como cegueira ou surdez.

Dos 755 bebês nascidos com 23 semanas, 542 receberam tratamento. Mais ou menos um terço desses 542 sobreviveram, e cerca de metade destes não teve problemas importantes.

À medida que se aperfeiçoam as técnicas para manter bebês vivos, os pais enfrentam escolhas dilacerantes que às vezes são baseadas no fato de a idade estimada ser 22 semanas e um dia ou 22 semanas e seis dias.”

Confiram a íntegra aqui.

***

Curta a página do Blog da Vida no Facebook.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.