i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Bruno Meirinho

Ver perfil

Consciência Negra

  • PorBruno Meirinho
  • 23/11/2017 09:56
Pixabay
Pixabay| Foto:
O racismo ainda é uma marca da sociedade brasileira, fruto, dentre outros fatores, do sistema escravista abolido há pouco mais de cem anos. Uma sociedade que, por quase de 400 anos, estabeleceu, por lei, a diferença entre as pessoas em razão da sua cor da pele não tem como curar essa chaga pela mera mudança da lei. As marcas históricas, sociais, econômicas e culturais demandam medidas afirmativas em busca da igualdade real.
Não somos os únicos a ostentar a vergonha da injustiça racial no mundo – embora o Brasil ostente a triste condição de ter sido o último país das Américas a abolir a escravidão, o que deve ser um motivo especial de vergonha nacional.
Entre outros países que, no passado, estabeleceram por lei a diferença entre negros e brancos destacam-se também os Estados Unidos e a África do Sul, que, ainda hoje, mesmo em regimes de igualdade de todos perante a lei, ainda precisam lidar com as consequências de séculos de violência contra os negros.
Nesses locais, assim como aqui, os negros ganham menos que brancos, vivem nos piores bairros, são maioria nas cadeias e têm menos acesso à educação. E justamente por isso, esses países esforçam-se para promover medidas afirmativas reparatórias do passado vergonhoso.
Nos Estados Unidos reserva-se um dia em homenagem a Martin Luther King, líder do movimento negro norte-americano. É feriado. O dia é respeitado por uma razão simples: é um dia de orgulho e memória por uma causa sagrada da sociedade republicana. Claro, pessoas viajam e aproveitam o tempo livre, como é comum em qualquer dia de folga, especialmente quando emenda. O turismo comemora.
Por isso, não deixa de chamar atenção que um país que precisa tanto reconhecer sua própria história faça esforços para negar o reconhecimento oficial do dia da consciência negra. Argumentos como “excesso de feriados” e “efeitos negativos para o comércio” não convencem, simplesmente porque são falsos. As folgas são úteis para a economia, especialmente para setores como turismo e lazer. A oposição a feriado esconde, na verdade, a explicação mais plausível:  é uma tentativa de esconder a parte da história nacional que pertence à população negra.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.