i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Ação de procuradores do TC contra reforma da previdência pode ir ao STF

  • PorRogerio Galindo
  • 15/05/2015 13:49
Ivan Bonilha. Foto: Antonio More/Gazeta do Povo.
Ivan Bonilha. Foto: Antonio More/Gazeta do Povo.| Foto:
Ivan Bonilha. Foto: Antonio More/Gazeta do Povo.

Ivan Bonilha. Foto: Antonio More/Gazeta do Povo.

O Tribunal de Contas do Estado (TC) ainda não deu tramitação a um pedido de medida cautelar feito pelos seus procuradores – o pedido visa barrar a reforma da previdência feita pelo governador Beto Richa (PSDB) e considerado ilegal pelo Ministério Público de Contas.

Se houvesse pressa por parte da direção do tribunal, provavelmente o caso já estaria nas mãos do corregedor para que os prazos corressem o mais brevemente possível. Mas há quem diga que não haverá pressa até por razões políticas: o presidente do TC, Ivan Bonilha, e o corregedor, Durval Amaral, são ambos ex-secretários de Richa e chegaram ao cargo atual por indicação do governador.

Isso não quer dizer, porém, que o trabalho dos procuradores do TC, que analisaram a nova lei de previdência, ficará perdido. O relatório que encaminhou o pedido de cautelar foi encaminhado a várias instituições que, segundo a Constituição, têm prerrogativa de ir ao STF contra a nova legislação.

O documento está com o Ministério Público do Estado, a Ordem dos Advogados do Brasil (tanto em Brasília quanto no Paraná), a Procuradoria-Geral da República e os três senadores paranaenses, que poderiam encaminhar o texto a seus partidos. Até agora, quem pareceu mais interessado em levar o caso adiante foi a OAB.

Além disso, em mais 20 dias, os procuradores entram com uma ação ainda mais embasada no próprio TC: depois do pedido de cautelar (que é uma medida temporária) virá o embasamento completo para pedir a derrubada da lei como um todo.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.