Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ação pode cassar Michel Temer e levar a eleição indireta de presidente. Mas as ruas se calam
| Foto:

A Justiça Eleitoral deu mais um pequeno passo nesta semana no processo que pede a cassação da chapa Dilma-Temer por crime eleitoral em 2014. Houve audiências em Curitiba para instrução do processo.

A ação, em tese, pode levar à cassação da chapa e, portanto, ao fim do mandato de Michel Temer (PMDB). Na Lava Jato, houve diversos depoimentos afirmando que a chapa foi financiada de maneira ilícita. Tanto quem doou quanto quem recebeu confirmou o defeito (que, aliás, segundo delação, também afetou da mesma forma a chapa de Aécio Neves).

Até antes do impeachment de Dilma, a queda da chapa era vista como um caminho viável de derrubada da petista. Depois disso, pouco se fala no tema. Até porque o PSDB, hoje em ministérios chave no governo, era o principal patrocinador da causa.

Caso a chapa fosse cassada até este dezembro, haveria nova eleição para a Presidência. Caso seja depois de janeiro, há eleição indireta no Congresso Nacional, que poderá eleger quem bem entender.

É curioso que a população, tão empenhada em combater a corrupção até o impeachment, não esteja nas ruas para debater se Temer foi ou não eleito de maneira fraudulenta – e até para pedir que, caso haja escolha de um novo presidente, seja por voto popular, e não por escolha livre do Congresso.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]