i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Alvaro Dias quer impeachment de Dilma, Temer e Cunha. Veja quem assumiria neste caso

  • PorRogerio Galindo
  • 09/12/2015 14:40
Alvaro Dias quer impeachment de Dilma, Temer e Cunha. Veja quem assumiria neste caso
| Foto:

alvaro_090814

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) parece estar tomando um caminho diferente da maior parte da oposição. Por ele, a presidente Dilma Rousseff (PT) não deve ser o único alvo de impeachment. Para ele, o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), poderá ir junto.

Segundo Alvaro, há pelo menos quatro decretos de suplementação de verbas sem aval legislativo assinados por Michel Temer. Se esse é o motivo alegado pela oposição para tirar Dilma da Presidência, é preciso usar o mesmo critério com Temer. “Por coerência”, diz ele.

“O Tribunal de Contas da União já reconheceu que houve esse ato do vice-presidente, quando estava interinamente no cargo, em 2014. Agora pedi que o TCU avalie o mesmo em relação a dois decretos assinados por Temer em maio e junho deste ano”, diz Alvaro.

Neste caso, não caberia o pretexto de que o crime de responsabilidade (caso haja) ocorreu em mandato anterior. Alvaro levou o pedido ao TCU nesta semana e ainda não obteve resposta. Dependendo, diz ele, o PSDB e a oposição deveriam tomar medidas contra o vice.

Segundo Alvaro, não se deveria fazer “cálculo político”, vendo qual a situação mais conveniente. “O que se combate é o erro, não a pessoa. Se o vice cometeu o mesmo erro, deve responder da mesma forma”, afirma.

Caso Dilma e Temer caiam, porém, há um problema: o próximo na linha sucessória seria Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Mas ele não assumirá porque também vai cair. Quem assume, provisoriamente, é o novo presidente da Câmara que será eleito”, diz o senador.

E se Cunha demorar a cair? “É impossível. O processo do Conselho de Ética é muito mais rápido do que o impeachment”, diz ele. Nesse caso, Alvaro prevê uma disputa entre três candidatos: um nome do PMDB, maior bancada da Câmara; um do PT; e um de Cunha, provavelmente André Moura, do PSC.

Quem quer que fosse eleito, nessa situação, precisaria convocar eleições presidenciais em 90 dias.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.