i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Bancada evangélica volta a apresentar projeto de “Escola sem partido” em Curitiba

  • PorEquipe Caixa Zero
  • 12/07/2017 14:00
Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo.
Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo.| Foto:

Um grupo de vereadores da bancada evangélica da Câmara de Curitiba ressuscitou o projeto Escola sem Partido. Thiago Ferro (PSDB), Osias Moraes (PRB) e Ezequias Barros (PRP) querem instituir o programa na cidade. Na legislatura passada Carla Pimentel tentou o mesmo feito, mas o projeto nem chegou a ser votado.

Os três autores do projeto são religiosos. Thiago Ferro é pastor da Sara Nossa Terra. Osias representa a igreja Universal do Reino de Deus. E Ezequias é pastor da igreja O Brasil para Cristo.

A justificativa da proposta é a mesma de sempre, que vem sendo apresentada junto com o projeto por onde ele passa. A tese é de que professores e autores se aproveitam do ambiente acadêmico para cooptar alunos para suas causas. E também “para fazer com que eles [os alunos] adotem padrões de julgamento e de conduta moral – especialmente moral sexual – incompatíveis com os que lhes são ensinados por seus pais ou responsáveis”.

O projeto vem sendo copiado em vários municípios e estados e também tramita no Congresso Nacional. Em geral, causa mais polêmica do que resultado: raramente foi votado e quase nunca aprovado.

Os defensores da “Escola sem Partido”, ressaltam que “Não existe liberdade de expressão no exercício estrito da atividade docente, sob pena de ser anulada a liberdade de consciência e de crença dos estudantes que formam, em sala de aula, uma audiência cativa”.

Quem é contra a proposta afirma que não há como ensinar sem mostrar diferentes posicionamentos de forma crítica e que isso não significa doutrinar as crianças e jovens. Agora é esperar para ver como – e se – os vereadores de Curitiba votarão o projeto.

Leia mais: A “escola sem partido” e a revolução conservadora.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.