Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Juiz Sergio Moro vai encaminhar para o STF processo de Lula após posse (Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo)
Juiz Sergio Moro vai encaminhar para o STF processo de Lula após posse (Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo)| Foto:
Juiz Sergio Moro vai encaminhar para o STF processo de Lula após posse (Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo)

Juiz Sergio Moro vai encaminhar para o STF processo de Lula após posse (Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo)

O juiz Sergio Moro virou uma figura central no debate político brasileiro. Uns o amam, outros o odeiam. Não por coincidência, quem o ama normalmente vota contra o PT. Quem o odeia, em geral é petista.

Os dois lados estão errados. Se o amam por ter ajudado a afundar o PT, o amor é pelo motivo errado. Se o odeiam por ter ajudado a afundar o PT, o ódio tem razão ignóbil. Moro deveria ser julgado apenas por um parâmetro: se suas decisões são justas ou não.

Na ânsia por mostrarem que estão certos (a grande necessidade do humano: provar que está certo), fãs dos dois lados se excedem procurando aqui e ali “provas” de que Moro é isso ou aquilo. O juiz, em geral, se manteve quieto sobre isso.

Um parente foi filiado a partido. Há um político do outro lado solto. Ele disse que vai encerrar a operação! Tudo serve de argumento para tentar mostrar a parcialidade do juiz. Do outro lado, argvumenta-se que as decisões são mantidas no STF. Que ele também atuou em outros casos. Segue o baile.

O mais estridente ataque a Moro partiu nesta semana, na Folha, do físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite. Não que físicos não possam ser profundos conhecedores do Judiciário. Mas Cerqueira Leite não usou um único argumento inteligente em seu texto.

Tendo como premissa uma comparação absurda com Savonarola (sem pé nem cabeça, muito menos conexão clara), o físico diz que o juiz é um fanático. Não apresenta sequer uma prova desse fanatismo.

Diz que é um aristocrata. E não apresenta sequer uma prova disso. Que se ressente do poder petista e de Lula. E não apresenta um indício sequer disso.

Vai mais longe e faz uma afirmação absurda: imagine como Moro seria infeliz se não houvesse corrupção para combater! Ora, o fato de o juiz dar sentenças contra corruptos é parte da atribuição dele. Se se excedeu, mostre-se onde.

É como dizer que Cerqueira Leite seria infeliz se não houvesse mistérios da Física ainda por explicar. Argumento que não vale um segundo de atenção.

O texto são só palavras ao vento. “Moralista”. “Conservador”. “Afetado pela ‘síndrome do escolhido'”. Não há qualquer argumento jurídico, constitucional, legal. Tudo é tratado na base da política. Processam alguém de que eu gosto? Acuse-se quem o processa.

Moro, famoso por recluso, respondeu em carta à Folha. Carta que todo cidadão pode mandar. E aí acusam o juiz também por isso. O sujeito diz quais são as condições para Moro “sobreviver” e há de se ficar calado?

Ora, menos calor e mais luz seriam necessários para um debate sério. Moro pode até estar errado. É realmente estranho que a operação se concentre tanto no PT e que Cunha continue solto, entre outros. O juiz também cometeu atos pra lá de questionáveis, como a liberação dos áudios de Lula/Dilma. Questioná-lo por isso é válido e necessário.

Mas enquanto seus acusadores usarem esse tipo de argumento estarão apenas sendo, eles sim, fanáticos, moralistas e tristes.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]