i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Nomeação de ré da Quadro Negro envolveu demissão de atual comandante da PM

  • PorRogerio Galindo
  • 21/05/2018 18:26
Coronel Audilene Rosa de Paula Dias Rocha, comandante-geral da PM do Paraná.
Coronel Audilene Rosa de Paula Dias Rocha, comandante-geral da PM do Paraná.| Foto:

O decreto que nomeou Marilane Aparecida Fermino para a vice-governadoria do Paraná, em 2015, traz uma curiosidade. A acomodação da comissionada, que hoje é citada na Operação Quadro Negro, gerou a exoneração de Audilene Rosa de Paula Dias Rocha – que três anos mais tarde seria nomeada por Cida Borghetti para o comando da Polícia Militar do Paraná.

O nome de Marilane veio a público com a delação de Eduardo Lopes, dono da construtora Valor. O empreiteiro admitiu à Justiça que sua empresa serviu para desvio de verbas da construção e reforma de escolas públicas no estado, durante a gestão de Beto Richa. Segundo ele, Marilane recebia valores ilícitos e entregava para pessoas dentro do governo.

Leia mais: Assembleia põe dois PMs para proteger aliado de Ratinho em tempo integral

Eduardo Lopes também diz que negociou uma espécie de “compra” de cargo comissionado para Marilane na vice-governadoria. A funcionária foi de fato nomeada em janeiro de 2015. A delação diz que o salário dela seria dado a Juliano Borghetti, irmão de Cida.

Todas as partes negam as acusações. A própria Marilane, por meio de seu advogado, diz que apenas “recebia ordens”. Hoje ela é ré na Quadro Negro. Entenda mais sobre o caso clicando aqui.

Uma consulta ao decreto, porém, mostra a curiosidade. A coronel Audilene, que acompanhou Cida na campanha de 2014, deixou o cargo, e a vaga foi usada para Marilane. Evidente que isso não significa nenhuma falta por parte da militar, que havia cumprido sua função e voltou aos quadros da PM.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.