i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

O ódio a Simone de Beauvoir no Enem é uma prova de que ela está certa

  • PorRogerio Galindo
  • 03/11/2015 10:46
O ódio a Simone de Beauvoir no Enem é uma prova de que ela está certa
| Foto:

A questão sobre a filósofa Simone de Beauvoir no Enem provocou um escândalo nacional na semana passada. Houve revolta por parte da bancada mais conservadora no Congresso, acusações de doutrinação por parte do MEC e, por incrível que pareça, pelo menos uma Câmara Municipal, em Campinas, aprovou uma moção de repúdio ao ministério da Educação.

Por estranho que pareça, o medo que o texto usado causa pode ser visto como uma prova de sua veracidade. Fosse falso o que a autora defende, não haveria qualquer motivo para que se acirrassem os ânimos, para que alguém se preocupasse com ela.

Afinal, o que diz o texto de Beauvoir? Basicamente, que nossa ideia do que é ser “mulher” tem muito de social, e não é totalmente biológica. Olha o texto aí de novo:

“Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino.”

Os vereadores de Campinas, horrorizados, tentaram entender se isso queria dizer que “alguém é mulher de dia e homem de noite”. Não é mentira. Isso foi dito na Câmara. Então, para facilitar a interpretação do texto, vamos lá: troque-se “mulher” por “feminina”. Não fica exatamente a mesma coisa, mas talvez ajude.

O que Beauvoir estava dizendo é que ninguém nasce seguindo naturalmente os padrões sociais que se esperam de uma mulher. Ela é “mulher” num primeiro instante, pelos cromossomos, pela genitália. Só. Ser o que chamamos de “feminina” exige todo um treinamento (adestramento?). Das roupas rosas à leitura de Marie Claire. Da submissão à moda à submissão ao homem. Exige a submissão a um estereótipo.

Uma prova do que Beauvoir defende pode ser geográfica. Ser mulher no Brasil pode incluir (e até exigir) sensualidade, biquínis mínimos, corpo de revista. Fazer o mesmo na Arábia Saudita é ser diferente do que se espera de uma mulher lá. E pode levar a sérios problemas para quem não se adapta às questões e preconceitos sociais de lá.

Outra pode ser uma prova histórica: ser mulher na Roma Antiga, ou na Londres do século 18 é diferente do que é ser mulher hoje, digamos, nos Estados Unidos. Porque tudo tem a ver não apenas com cromossomos e genitália, mas também com expectativas e construções sociais. Dá para negar?

Mas a prova que os opositores da filósofa ofereceram com sua reação ao Enem é mais sutil, embora igualmente importante. Por que eles não querem que se divulgue uma teoria como essa? Os argumentos de quem entendeu minimamente o texto – esqueça os vereadores de Campinas – são de que isso pode influenciar os alunos.

Se os antifeministas estivessem tão certos de que nada muda o que é “ser mulher”, que as mulheres são o que são independente do resto, não precisariam se preocupar tanto com Beauvoir. Ela seria inócua. Seu texto seria um mero absurdo, ou algo que não causaria transformação alguma.

Eles se preocupam, porém, porque sabem que tomar consciência do aspecto social da construção do feminino é poder libertar-se dele. É poder escolher entre aceitar o estereótipo, a submissão ao que se espera socialmente de alguém, ou confrontar isso. O texto é “perigoso” porque faz perceber que há opções. Que as mulheres não precisam ser exatamente como são hoje.

Que, afinal de contas, ninguém nasce “mulher”. Torna-se.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.