i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Os meritíssimos construíram um triplex com o nosso dinheiro

  • PorRogerio Galindo
  • [17/02/2016] [07:17]
Os meritíssimos construíram um triplex com o nosso dinheiro
| Foto:

Da coluna Caixa Zero, publicada nesta quarta-feira, na Gazeta do Povo:

Está na moda falar de triplex. Pois os juízes e desembargadores construíram o seu. O teto da categoria é de mais ou menos R$ 30 mil. Em dezembro, ergueram dois andares acima disso e ainda botaram em cima um pequeno sótão. Chegaram a coisa de R$ 100 mil. Os integrantes do Ministério Público tiveram empreiteira mais competente: em janeiro, chegaram a um edifício de dez andares, como revela reportagem de Chico Marés e Euclides Lucas Garcia nesta Gazeta do Povo.

Para tudo há uma explicação. Claro que duplicar o teto em dezembro, por exemplo, é compreensível por causa do décimo terceiro. Para o resto, os motivos são os mais variados. Auxílios, abonos, gratificações, indenizações em geral, licenças vencidas, férias que não houve. Os nomes são diferentes, o resultado é sempre o mesmo: dinheiro que sai do nosso bolso e vai para o deles.

Estamos na época da Quaresma. Dizem que há muito tempo, monges que não podiam comer carne neste período resolveram o problema chamando o bife de alface. Pode não ser verdade, mas é típico da natureza humana: resolver problemas reais com truques de linguagem. Bill Clinton jura que aquilo que ele fez com Monica Lewinsky debaixo da mesa oval não era sexo. O governo estadual não aumentou impostos: fez uma equiparação de alíquotas.

O idioma, assim como os números, está aí para ser torturado até que diga o que nos interessa. O teto está lá, firme, como se acima dele nada houvesse. E o que passa não é salário, visto que isso seria proibido. O auxílio-moradia, que compõe uma parcela dessa esquisitice toda em que se transformou o pagamento do Judiciário – e do Ministério Público – não requer que o sujeito prove que precisa de casa, nem que gasta o dinheiro com moradia. Sejamos claros: é salário, chamado de alface.

Falta dinheiro no país para combater mosquito, mas sobra para auxílio-moradia de quem mora em mansão. Espera-se meses na fila por um médico especialista, mas os meritíssimos engordam suas contas com o mesmo dinheiro que poderia solucionar o problema.

Há outros efeitos tão ou mais deletérios. Um deles é que juízes que ganham cada vez mais dinheiro simplesmente ficam deslocados da realidade das coisas que precisam julgar. Prende-se um fulano por roubar uma lata de margarina porque passava fome – e não são poucos os casos em que isso acontece.

Mas há mais: quem apela para todo tipo de chicana para ter um a mais no fim do mês pode muito bem perder, ao longo do tempo, o senso de justiça, que deve ser exatamente a base do trabalho do Judiciário e do Ministério Público. Afinal, mais do que a lei, ou pelo menos tanto quanto, o que se deve levar em consideração é a justiça de um ato. E não parece que, ao aceitarem benesses que seriam indizíveis sob seu verdadeiro nome, os integrantes do nosso sistema judicial estejam indo num bom caminho. Muito pelo contrário.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.