i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Prefeitura acha que TC pode mandar baixar tarifa pelos motivos errados

  • PorRogerio Galindo
  • 26/02/2015 11:49
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.| Foto:
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

A prefeitura de Curitiba tenta evitar uma derrota política na tarde desta quinta-feira. Está marcado o julgamento de um relatório produzido pelo Tribunal de Contas sobre o sistema de transporte coletivo. O relatório encontrou problemas na licitação e diz que a tarifa está superfaturada.

Até aí, a atual gestão pouco teria a ver com isso: foi o antigo prefeito (o atual governador, Beto Richa) quem fez a licitação. A diretoria da Urbs também mudou. E, se a tarifa estiver superfaturada, até seria um ganho político para o prefeito Gustavo Fruet baixar o valor.

Mas a prefeitura acredita que o relatório está cheio de erros, e que os furos da tarifa apontados pelo TC não procedem. Há a possibilidade de o TC inclusive determinar a anulação da licitação – e a prefeitura parece ver risco de uma indenização gigante ou de ver o sistema em colapso até que se encontrem substitutas.

Além disso, a atual gestão acha que as penalidades impostas a quem está hoje no comando do sistema são injustas, já que seriam penas menores do que as pedidas a quem fez a licitação de fato.

Por tudo isso, a Urbs tentou adiar a votação no conselho do TC o quanto pôde. Não conseguiu. O TC disse que o município estava se valendo de “manobras protelatórias” e pôs o tema na pauta. A liminar pedida à Justiça não veio.

Agora, vem o julgamento. Uma curiosidade: quem presidirá a sessão será Ivan Bonilha, que hoje é conselheiro do TC, mas na época da licitação era procurador do município – ou seja, o responsável pela parte jurídica da prefeitura.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.