i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Problema do ônibus de Curitiba se volta contra Richa e Ratinho

  • PorRogerio Galindo
  • 08/01/2015 10:40

tn_658_645_sabatina_ratinho5

A situação toda da falta de caixa para pagar o transporte coletivo em Curitiba começa a se voltar contra o governador Beto Richa (PSDB). “Ele [Richa] é o responsável pela instabilidade atual do serviço. Motoristas e cobradores não serão reféns dessa disputa”, disse o presidente do Sindimoc, sindicato de motoristas e cobradores da capital, Anderson Teixeira, segundo anotou o repórter Raphael Marchiori.

O sindicato prometeu colocar Richa no alvo nos protestos desta quinta-feira. O motivo é o atraso nos repasses do subsídio que o governo precisa pagar para manter a integração com a região metropolitana. Explicando: em tese, a responsabilidade pelas linhas que ligam Curitiba a outras cidades é do governo; por tradição, quem administra tudo é a Urbs, mas para compensar o rombo que isso causa, o governo paga um subsídio mensal ao sistema.

Hoje, a dívida do governo com a prefeitura é de R$ 16 milhões. E não se trata de uma liberalidade do governo (outras gestões não pagavam, mas também não havia o furo no sistema que existe hoje). Portanto, faz sentido que o governo seja cobrado – o que não quer dizer que a prefeitura de Curitiba seja completamente isenta de responsabilidade na história toda.

A solução ideal parece mesmo a que vem sendo aventada por Roberto Gregório, presidente da Urbs. A prefeitura continua cuidando da parte administrativa como um todo. Mas o pagamento diário das empresas é separado. A prefeitura diz que a parte interna, excluída a região metropolitana, não dá prejuízo, e que portanto nem cobraria mais o subsídio (nem faria sentido). Por outro lado, a Comec, do governo, jura que a metropolitana se paga (e por isso alega que está pagando mais do que devia com o subsídio). Sendo assim, não teria porque chiar em pagar essa parte do sistema, que seria autossustentável.

Ou seja, essa solução teria a vantagem de deixar claro de quem é cada responsabilidade. E traria ainda a vantagem adicional de deixar clara uma outra coisa: quem está mentindo. Afinal, de algum lado existe o rombo. E cada lado diz que o problema é da outra parte. Não faz o menor sentido.

A pergunta é: a dupla Richa e Ratinho aceitará esse acordo? E, caso contrário, outra pergunta: por que não?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.