i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Vereadora vota contra projeto que dá utilidade pública. Diz que é “macumba”

  • PorRogerio Galindo
  • 08/10/2014 08:59
Vereadora vota contra projeto que dá utilidade pública. Diz que é “macumba”
| Foto:

carla pimentel

A nova polêmica envolvendo a bancada evangélica na Câmara de Curitiba tem a ver com um título de utilidade pública. Normalmente, a concessão de utilidades públicas é apenas uma formalidade. O vereador apresenta, vê-se se a documentação está em dia, e vota-se só para formalizar o que todo mundo já sabe: será aprovado.

Desta vez, porém, a vereadora Carla Pimentel (PSC) resolveu fazer barulho. é que se tratava da proposta de um título de utilidade pública para um centro espírita. Carla, que é da Assembleia de Deus, não apenas votou contra como nesta terça-feira passou o dia instigando os dez outros membros da bancada a fazer o mesmo.

“Três parlamentares que se dizem evangélicos votaram a favor, dois não votaram (saíram do plenário de propósito no momento da votação), e outros cinco se abstiveram (ou seja não quiseram votar)”, diz o texto colocado pela vereadora no Facebook. Perceba que ela diz que os demais, por não terem votado contra, apenas “se dizem evangélicos”. como se a votação contra o projeto fosse pré-requisito para ter direito à religião.

Mais: a vereadora diz que o projeto é favorável a um “centro de macumba”. Macumba é o nome antigo e preconceituoso usado para religiões de origem africana, como o candomblé e a umbanda. “Se somos representantes do segmento evangélico precisamos ter posicionamento e votar de forma que possamos ecoar a voz, a vontade desta parcela da população. Jamais vou me omitir ou ficar em cima do muro”, afirmou Carla Pimentel.

No final das contas, na primeira votação o projeto de Aldemir Manfron (PP) em favor do Centro Espírita Tribo do Caboclo Pena Branca foi aprovado com apenas 20 dos 38 votos. Agora, o projeto vai à segunda votação.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.