i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Carlos Ramalhete

Foto de perfil de Carlos Ramalhete
Ver perfil

A mente burguesa

  • Por Carlos Ramalhete
  • 31/10/2019 00:01
O cambista e a sua mulher (1514), de Quentin Matsys.
O cambista e a sua mulher (1514), de Quentin Matsys.| Foto: Wikimedia Commons

Parece que quando contaram a Salazar, então ditador de Portugal, que na Angola portuguesa se havia descoberto fartas jazidas de petróleo, ele teria suspirado “ah, mais essa, agora!”. Ele tinha razão. Isso de dinheiro é coisa muito boa quando não se o tem: quando vem em grande quantidade, faz muito mais mal que bem. Na melhor das hipóteses, dá enorme trabalho. É por isso que disse o Cristo que é mais fácil passar um camelo pelo buraco duma agulha que entrar um rico no reino dos Céus. E, ainda, disse Ele ao jovem rico, que já cumpria os 613 mandamentos da Lei de Moisés, que se quisesse ser perfeito deveria vender o que tinha e dar tudo aos pobres. O rapaz saiu chutando pedregulhos, pois a isto não estava disposto.

Já na caricatura de civilização em cujos estertores finais vivemos está tudo de cabeça para baixo. É por isso, aliás, que esta há de ter sido uma civilização tão rápida: começou ontem à tarde, no fim do século 18, e já está acabando. As civilizações longas, que perduram, normalmente têm o comércio, o dinheirismo e a busca de ouro como a mais porca e degradante das buscas humanas, infinitamente abaixo dos estudos e da busca do Sagrado, do ofício das armas e da agricultura. Na nossa história como civilização assim foi, com os três estados (clero, nobreza e plebe) exercendo estas funções e o comércio, de início e ao longo da maior parte de sua história, restrito àqueles que não faziam totalmente parte da sociedade, seja por razões religiosas (os judeus, que tampouco queriam misturar-se com cristãos), seja pelo nomadismo (os ciganos). Eles entravam pelas frestas das pedras do edifício civilizacional, por assim dizer.

Mas aos poucos as tentações do vil metal foram se imiscuindo na sociedade. Primeiro suscitaram o protestantismo, mormente o calvinista, levando às guerras de religião e ao aumento obsceno do poder dos governantes. Depois, aos poucos, foram corroendo e solapando as bases sociais até mesmo dos lugares em que a heresia não havia perturbado tanto. E eis que, no fim do século 18, com as revoluções Francesa e Americana, a burguesia subiu ao poder e, com ela, o que era o mais vil dos afãs humanos tornou-se coisa tida por boa e respeitável.

O que é a burguesia? Mais ainda, o que é a mente burguesa, e qual é a sua diferença em relação às demais formas de mente? A burguesia, ao contrário do que pretende Marx, não consiste apenas na propriedade dos meios de produção. Diria eu que, ao contrário, a burguesia consiste nos que são propriedade da produção, como processo e como objeto. A mente burguesa é uma mente escrava do que é material, uma mente que não consegue erguer os olhos da sarjeta onde correm as riquezas deste mundo. Para o burguês – tomemos Kant por exemplo –, a religião tem por fim precípuo garantir a ordem social de forma mais pacífica que o Batalhão de Choque. Daí, aliás, a briga de Marx (que adoraria acabar com a ordem social) e a religião. Pobrezinho.

Quando, todavia, seus lamentáveis seguidores bradam “arroz, feijão, saúde e educação” pelas ruas, eles nada mais estão fazendo que afirmar valores sumamente burgueses. Do mesmo modo, a União Soviética foi a substituição de uma sociedade decadente de modo clássico por uma sociedade perfeitamente burguesa, em que o trabalho, ou melhor, o Trabalho, o Trabalhador, a Produção, o Desenvolvimento e tantas outras besteiras burguesas tomaram o lugar do riquíssimo cristianismo oriental.

Uma sociedade que volta os olhos para a sarjeta, como a sociedade burguesa, é uma sociedade que nega ao homem o que o torna mais alto que si mesmo

Uma sociedade que preste, uma Civilização com “C” maiúsculo, digna de seu nome, não pode se basear na busca da riqueza material, por uma razão simples: esta é um mero sucedâneo, e diria eu mais, um sucedâneo satânico, da riqueza verdadeira, que consiste em fazer do homem um ser que olha para cima, um ser que está na companhia dos anjos e não das baratas. E mais ainda: o homem é chamado ao Infinito. Todo homem, em todo lugar, em toda sociedade. Mas uma sociedade que volta os olhos para a sarjeta, como a sociedade burguesa, é uma sociedade que nega ao homem o que o torna mais alto que si mesmo. Que lhe nega a “perfeição” que o jovem rico do Evangelho preferiu ele mesmo negar-se.

Devido às péssimas influências que nos vêm do Norte, é cada vez mais comum que encontremos gente que ache que “uma pessoa bem-sucedida” e “um ricaço” sejam sinônimos. Gente que olha para personagens patéticos, como Trump, Bezos, Soros, Sílvio Santos ou algum Odebrecht que esteja solto, e os vê como modelos. Gente que acha que o fim de semana serve para descansar e assim poder trabalhar melhor, sem entender que a verdade é o oposto: trabalhamos para podermos nos dedicar a algo muito mais alto, que é o ócio ao lado da família, a busca da sabedoria, do Sagrado, o culto a Deus, em suma, a tudo aquilo que nos tornará melhores. Que nos fará ser mais, ainda que tendo menos.

Mas assim é a mente burguesa. Ela não entende a família, a não ser como um aglomerado de bocas que tem por função ajudar um Trabalhador a aumentar sua Produção. As maiúsculas estão aí por serem estes ídolos. Não entende o Sagrado, ponto. Não entende o culto, a não ser como uma espécie de autoajuda. Essa pobre mente não entende o ócio a não ser como “descanso” (ou seja, tirar o cansaço para poder voltar refeito à Produção), sem perceber que primeiro deve vir o ócio, e só depois, e como consequência dele e voltado para ele, o neg’ócio, a negação do ócio. Tristes nos negamos ao ócio por um intervalo, mas apenas para que possamos depois entregar-nos melhor a ele, pois é nele que está tudo a que somos chamados a ser.

O mais triste da produção desta mente é algo de que tratei já neste mesmo espaço que a Gazeta do Povo generosamente me concede há tantos anos para que eu possa me dedicar a meu passatempo favorito, que é dar bicudas em bezerros de ouro. O que a mente burguesa produz é lixo. Monturos. Lixões, em enorme quantidade. Os arqueólogos do futuro, escrevi, nos conhecerão como “a Sociedade do Lixão”. Isto acontece porque para um ser chamado ao Infinito, como é o homem, é materialmente impossível saciar essa sua sede com o que é material. Mas não é materialmente impossível tentar, tentar sempre, visto que a pequenez da mente burguesa é incapaz de perceber alternativas. E por isso substitui-se o Infinito por infinitos telefones celulares, a substituir em um ou dois anos, no máximo, por outra infinitude semelhante em tudo à primeira, que vai para o Lixão. Substitui-se-o por infinitas fubecas total flex, com mais air bags que lugares, sendo que a detonação de unzinho que seja já o manda para o Lixão. Substitui-se-o por roupas de grife, por móveis planejados, por cremes para barba, cortes de cabelo, o diabo aquático, como diria Vicente Matheus. Eu nem sei o que essa gente tanto quer comprar, confesso.

A sociedade de consumo é apenas um infinito ersatz, um triste sucedâneo, que está muito mais longe do Infinito real que o pó de cevada torrada está do café do Sul de Minas. Afinal, entre o finito multiplicado ad nauseam e o Infinito, a diferença é infinita. Mas o pobre burguês – seja ele proletário, negociante, militar ou, horror dos horrores, clérigo – não consegue olhar para cima. Não consegue olhar para a frente. Ele olha apenas para baixo, para o chão de onde tirará suas patéticas “riquezas” (e dane-se a poluição gerada!), que tomarão forma de telefones e tantas outras estultícies com que gasta o dinheiro que não consegue deixar de ganhar e torrar.

E eis que para ele os Estados Unidos são um modelo, pois quem vai para lá e trabalha de sol a sol, de domingo a domingo, enche as burras de dinheiro! Lá o modelo burguês foi tão longe que, vejam os senhores que belezinha para a mente burguesa, tem-se um sério problema de obesos mórbidos viciados em pornografia. E mesmo a religião, por aquelas bandas, é perfeitamente suprida pelo deus-mercado! A seita em que Trump foi criado, diga-se de passagem, era chefiada em sua infância por Norman V. Peale, o autor de O Poder do Pensamento Positivo, o legítimo criador (humano, pois a meu ver isso vem de mais embaixo) da ideia de que se pode “atrair a riqueza” pensando nela incessantemente. É o avô espiritual de Edir Macedo (outro “bem-sucedido”, sem dúvida, para o burguês). Mas caso, claro, se prefira qualquer outro sabor do fenômeno religioso, lá tudo se há de encontrar. O deus-mercado garante.

Aqui, no Brasil, temos vários exemplares dessa triste mentalidade no governo; não me deixa mentir a iníqua lei que permite aos patrões negar aos empregados um dia que seja ao lado da família – e não venham me dizer que há um domingo obrigatório por mês, pois, se o domingo do marido e o da esposa não são no mesmo dia, não há dia algum para gozar da companhia familiar, o que deveria ser a causa pela qual se trabalha! Quem quer que não perceba que há algo além do material sofre dessa doença civilizacional, que é a mentalidade burguesa.

Vale notar, inclusive, que não é necessário que a pessoa perceba claramente o que há além; já é um passo adiante quando o poeta brada “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e Arte; a gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte” além dessa mediocridade burguesa. A Arte é um reflexo do Sumo Bem, que é e deve ser o objeto final de todo culto religioso. Quem busca a Arte, quem busca a sabedoria, quem busca o Amor já está buscando, a seu modo, algo infinitamente além do alcance da mentalidade burguesa.

É por isso, senhores, que tenho mais facilidade em ver nobreza no hippie sujo que, entre goladas da cachaça mais barata, tenta criar beleza com conchinhas e fios de cobre que em qualquer um desses “bem-sucedidos” señoritos satisfechos (copyright Ortega y Gasset) com seus carrões e aifones, seus bolsos cheios e suas almas vazias.

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 20 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Adenilson

    ± 21 horas

    Concordo com o sr Carlos, a mentalidade burguesa deforma a nossa belíssima e profunda Tradição cristã! Quando leio os intelectuais orgânicos do liberalismo econômico, só constato a paixão pelo bem estar material que aliás inexoravelmente justifica o subdimensionamento da pessoa humana e sua missão nesta terra! Competição, lucro e vaidade vendidos como valor: Quanta superficialidade e miséria!!! O Senhor Jesus foi claro: "entesourai no Reino dos Céus" e são Paulo: "Quem ganhou demais, não teve sobra; quem ganhou pouco, não faltou"!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MARCOS VELOSO PEREIRA

    ± 5 dias

    Gostei muito do artigo. A visão liberal-conservadora pende, atualmente, para o mero economicismo. Esqueceu que a sustentação do conservadorismo não está na ênfase no progresso econômico. Economia é apenas Meio para outros fins mais elevados, permanentes. A esquerda prega o materialismo porque sabe que ele esvazia a sociedade desses valores mais profundos, e isso é conveniente para seus objetivos de desconstrução do tecido social. Os conservadores, de certo modo, caíram nessa armadilha, e fazem par nessa dança. Quando será que sairemos desse desvio?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • G

      Guilherme França

      ± 18 minutos

      Liberal não pode ser conservador. Liberal é liberal, não se importa com os costumes dos outros.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos

    ± 5 dias

    Ramalhete oferece uma visão conservadora como contraponto fundamental à visão liberal. O conservadorismo é de fato um contrapeso fundamental ao liberalismo. Ramalhete vai além ao abordar com clareza que a essência da tradição que devemos conservar diz respeito à realidade do Ser, enquanto que o liberal está mais centrado na dimensão do ter. Porém não vejo a realidade atual como excesso de ter ou de mentalidade burguesa, mas como uma fuga da Sabedoria ela mesma a inspirar a disseminação da realidade do Ser, ou seja, deixamos de conservar a tradição devidamente e portanto às almas falta uma parte, a mais central, pois deixamos ela enfraquecer.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bruno Fernandes Pinto

    ± 5 dias

    Prezado articulista, concordo com sua crítica ao materialismo, seja o histórico ou o mais visível aos nossos olhos, nessa época consumista. Entretanto, creio que não compreendestes bem o que Lutero e Calvino defenderam como o sacerdócio universal dos santos. Davi foi um homem riquíssimo, e ainda assim chamado de homem segundo o coração de Deus. As escrituras dizem que não é possível termos dois senhores. Ter o dinheiro como senhor é idolatria. Porém, tê-lo como servo, subserviente aos propósitos de Deus, pode ser instrumento de benção. Sugiro "Como Integrar De e Trabalho", de Timothy Keller.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • M

      Marcos

      ± 5 dias

      Deve-se atentar que Ramalhete foca na mensagem cristã ou boa nova e não na antiga. E de fato as reformas na cristandade podem ser consideradas como perdas. Aliás há quem avalia que o primeiro concílio na antiguidade já demarca uma divisão entre o cristianismo autêntico anterior e um cristismo derivado do primeiro que prevaleceu como a religião de Constantino.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      ALDO DONATO TUMOLIN JUNIOR

      ± 5 dias

      Aliás deveria ler muitas outras obras de autores reformados pra parar de falar o que aprendeu de gente que mente.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rômulo Viel

    ± 5 dias

    Acho que o autor generaliza demais. Há burgueses que se prestam a algum ócio também.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • G

      Guilherme França

      ± 3 minutos

      E o ócio a que ele se refere não é o ócio hedonista burguês. Não é esse lazer nem esse entretenimento.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • G

      Guilherme França

      ± 5 minutos

      Você não deve ter entendido. Burguês, nesse texto, não é o detentor dos meios de produção, é o detentor da mentalidade burguesa. Tanto é que no décimo parágrafo há "Mas o pobre burguês – seja ele proletário, negociante, militar ou, horror dos horrores, clérigo – não consegue olhar para cima. "

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Joviana Cavaliere Lorentz

    ± 5 dias

    Sua visão é tão estreita que da pena. Cresça Mané!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Joviana Cavaliere Lorentz

    ± 5 dias

    Sua visão é tão estreita que da pena. Cerca Mané!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos rocha

    ± 5 dias

    Bom texto pela crítica ao sistema de valores. O erudito mostra com algum disfarce um típico ressentimento com os "personagens patéticos" . Existe modelo ideal para a vida dos outros ?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos Costa

    ± 5 dias

    Chesterton dizia que “quando se deixa de acreditar em Deus, passa-se a acreditar em qualquer coisa”. A mente burguesa, presente tanto na direita quanto na esquerda, é um exemplo típico disto. Obrigado por nos lembrar disto neste excelente texto!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Thais de Melo Queiroz

    ± 5 dias

    Existem verdades no texto, mas também é verdade que a melhoria de condições de vida foi um bem em si. Mas que a valorização extrema do dinheiro torna a vida muito mais vulgar e vazia, é verdade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carmo Augusto Vicentini

    ± 5 dias

    O artigo nos leva à introspecção, o que é bom, mas achei um pouco reducionista e dicotomizante... Como exemplo de uma brecha na sua teoria conheço "burgueses" bem sucedidos que continuam a mirar o "infinito" através do estudo, da meditação, da religião e da caridade. Acho que a nossa civilização decadente (não posso negar isso) é mais complexa e multifacetada, porém o artigo tem seu valor e gostei de tê-lo lido. Obrigado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      ALDO DONATO TUMOLIN JUNIOR

      ± 5 dias

      Caridade sem amor a Deus é autoajuda.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Leivas Bastos

    ± 6 dias

    Há muita vida na riqueza. Assim como em ideais mais elevados. O autor quer criar uma falsa dicotomia. Existem pessoas que olham para baixo felizes e pessoas que olham para cima infelizes. Quase descambou para uma crítica ingênua entre o opressor capitalismo e o idealismo chauvinista de um mundo “superior”. Tudo é material. O que o homem tem que fazer é ter um sentido. E ele pode ter um sentido “material” para sua vida. Achei o tom moralista e, porque não dizer, quase socialista. Foi por um triz...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ariel Lazari

    ± 6 dias

    Muito profundo. A gente vai se distraindo no dia a dia e esquece o mais importante

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    vanderley cardoso de moraes

    ± 6 dias

    Artigo longo e bem interessante, pra nostrar que o escritor pelo jeito nao da valor ao dinheiro...gostaria de saber como ele mantem o padrao de vida que leva...ze mortadela

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.