i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Carlos Ramalhete

Foto de perfil de Carlos Ramalhete
Ver perfil

Balões

  • PorCarlos Ramalhete
  • 12/07/2017 19:30
Pixabay
Pixabay| Foto:

Poucas manifestações culturais brasileiras são tão belas quanto os balões não tripulados. Os tripulados e os dirigíveis também são brasileiros em sua origem, mas os balões não-tripulados aqui desenvolveram-se como forma de arte a proporções magníficas. Dos pequenos balões infantis às massas imponentes de papel ou tecido, elevando-se nobres e levadas ao mar pelas correntes aéreas, cheias de cores e luzes, eles têm uma dignidade que beira a mágica.

Infelizmente, como é comum acontecer no Brasil, a manifestação cultural é preterida em favor de um falso utilitarismo conjuminado a um positivismo de segunda categoria, a tal ponto que a impressão que tenho hoje é que querem ensinar às crianças que julho é a época de não soltar balão. Mas há esperança: um grupo de trabalho reuniu representantes da Aeronáutica e de grupos baloeiros do Brasil afora para tentar chegar a maneiras de conjugar a beleza e a cultura dos balões com os potenciais modernos de acidentes.

Um deles, o mais simples, a meu ver, não me parece ter sido ainda solucionado: balões, justamente por serem feitos da maneira mais leve possível para que voem bem, não aparecem no radar. Ora, o controle de tráfego aéreo, ao contrário dos radares militares, não confia apenas na captura do avião pelo radar; usam-se fundamentalmente os transpônderes, que são pequenos rádios transmissores que indicam a posição e uma identificação da aeronave. Os balões poderiam usar aparelhos descartáveis, que indicariam ao controle de tráfego sua localização e os impediriam de chocar-se com outras aeronaves.

Mas isso é uma solução, e soluções, infelizmente, não são de interesse de muita gente por aí. O que mais se procura são maneiras de controlar a sociedade e de sufocar as manifestações culturais mais ricas em prol de uma logorreia que a ninguém convence. O tal grupo de estudos, por exemplo, limitou-se aos balões sem fogo, que voam menos e mais baixo, visando antes afastá-los das rotas aéreas e das residências de onde poderiam ser apreciados, tratando o balonismo como uma espécie de vício negro a ser oculto em vez de virtude e beleza da cultura brasileira.

Tudo que existe tem riscos. O tráfego de um caminhão de combustíveis pelas ruas de uma cidade implica em um risco infinitamente maior que o de um balão a centenas de metros de altura sobre os campos; é apenas o utilitarismo mais crasso que despreza dentre eles o belo em prol do útil e do economicamente ativo.

Balões não dão dinheiro: balões dão beleza ou, mais ainda, devolvem beleza a um mundo cuja beleza roubamos com nossos edifícios, postos de combustíveis, depósitos de gás e demais riscos reais que preferimos ignorar em prol de um crescimento econômico que, sendo operado na feiura, não pode jamais chegar a ser virtuoso.

É urgente e necessário, pelo bem da própria alma do Brasil, que acabem o quanto antes as absurdas restrições legais ao balonismo não tripulado; elas podem e devem ser substituídas por medidas pensadas em conjunto pelos interessados que ajudem a – de modo utilitarista – diminuir os riscos sempre existentes em qualquer empreendimento humano de tão grande importância. O que não se pode fazer é continuar com essa palhaçada de proibir o que faz do Brasil Brasil. A resposta pátria será sempre a desobediência civil, no caso tornada ainda mais bela pela beleza de um balão que se eleva nos céus da madrugada fria de inverno. Que a lei seja acordada à realidade, é tudo o que peço e tudo com que sonho para meu país.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.