i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Certas Palavras

Foto de perfil de Certas Palavras
Ver perfil
Finados

O dia de quem se foi

  • PorCélio Martins
  • 02/11/2013 13:24
O dia de quem se foi
| Foto:

Morrer no Dia de Finados é uma redundância da vida – ou da morte. Fica mais fácil de ser lembrado. Não é preciso marcar a data na agenda, na memória (hoje digital). Sem contar o privilégio de receber homenagens todos os anos por aqueles que comparecem aos cemitérios trazendo flores, velas e orações.

Nesse dia dos mortos muitos não estão nem aí. Outros choram as lembranças dos que se foram e as incertezas sobre a hora de partir. Não são poucos os que reencontram o elo que se perdeu no tempo e revivem os momentos que não voltam mais ao lado de quem ficará para sempre.

O personagem defunto criado por Machado de Assis alerta que, na vida, o jogo dos interesses e a luta das cobiças nos obrigam “a calar os trapos velhos, a disfarçar os rasgões e os remendos”. Na morte está o desabafo, a liberdade – não há mais vizinhos, nem amigos, nem inimigos, nem conhecidos, nem estranhos; não há plateia.

Estar morto é melhor do que estar vivo. Desfazem-se os motivos para se incomodar com as trapaças, o jogo de poder, a luta para sobreviver. Para quem morre fica sem sentido a difamação, as calúnias, as tragédias do dia-a-dia. Nem mesmo as rugas corroendo nossas expressões fazem fazem sentido. E não há o que se preocupar com os que se foram nem com os que estão vivos.

Estar vivo pode ser mais difícil. São as lembranças de quem tanto amamos e que nos deixou, de quem nos fez mal e ainda continua vivendo. São os compromissos, os horários a cumprir, as vaidades, as contas a pagar.

Estar vivo também pode ser mais fácil. A alegria das conversas sem pretensões, dos encontros desejados, dos amores correspondidos, das viagens dos sonhos, do nascer e crescer e ver a vida perpetuar.

Célio Martins

***

Amanhã que é dia dos mortos
Vai ao cemitério. Vai.
E procura entre as sepulturas
A sepultura de meu pai.

Leva três rosas bem bonitas.
Ajoelha e reza uma oração.
Não pelo pai, mas pelo filho:
O filho tem mais precisão.

O que resta de mim na vida
É a amargura do que sofri.
Pois nada quero, nada espero.
Em verdade estou morto ali.

Manuel Bandeira

Finados? Não, que a morte é a própria vida
Escoimada da sombra denegrida
Dos enganos da vida transitória;
É a porta aberta da imortalidade,
A desejada posse da verdade
Para a conquista da suprema glória.

Cruz e Souza

Finados!… Grita a morte estranha e crua
Na química fatal do transformismo
Mas, transposto o cairel do grande abismo,
Eis que a Vida Infinita continua…

Augusto dos Anjos

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.