i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Certas Palavras

Foto de perfil de Certas Palavras
Ver perfil

Rolezinho é contestação à desigualdade e discriminação no país

  • PorCélio Martins
  • 13/01/2014 22:57
Imagem publicada no Facebook, sem identificação do autor.
Imagem publicada no Facebook, sem identificação do autor.| Foto:

Imagem publicada no Facebook, sem identificação do autor.

Imagem publicada no Facebook, sem identificação do autor.

Essa violência sem controle seria suficiente para admitir que a sociedade brasileira vai mal. Em outros países, como os Estados Unidos, que não são exemplos de tranquilidade, ainda se pode frequentar cinemas de rua, as casas não têm muros e grades e os carros podem pousar do lado de fora. Mas estamos falando de violência e não de revolta social.

Quando falamos em degradação da sociedade, a evidência mais clara de que construímos uma nação que precisa corrigir seus rumos são as reações aos “rolezinhos” dos jovens da periferia nos shoppings das principais cidades brasileiras.

Um desses rolezinhos chegou a reunir 6 mil jovens, demonstração inequívoca de que não são organizados por bandidos, vagabundos ou desajustados como acusam alguns analistas, jornalistas e até mesmo autoridades. São jovens de famílias simples, trabalhadoras, que estão protestando.

Os participantes são claros nos seus objetivos: “zoar, pegar geral, se divertir, sem roubos ou violência”. Traduzindo, trata-se de um protesto social.

Os rolezinhos se espalham por todo o país. Aqui no Paraná, por exemplo, jovens de Cascavel marcaram um megaencontro no Lago Municipal com tereré, narguilé, violão, comida e skate. E lá atrás, em 2008, um shopping de Curitiba decidiu impedir a entrada de jovens dos bairros periféricos em suas instalações.

Embora os shoppings sejam espaço privado, a escolha desses locais para os rolezinhos é uma demonstração de que uma parte da juventude brasileira está insatisfeita. Afinal, os shoppings representam a parcela da população com maior acesso a bens de consumo. Vândalos sempre vão se infiltrar em manifestações populares e precisam ser controlados, mas os atos de uma minoria não justificam classificar toda essa massa de jovens da periferia de criminosa.

Como bem descreveu a Folha de S. Paulo em editorial do dia 2 de janeiro, os rolezinhos “são sinais de algo nada novo: as imensas desigualdades de renda do país criam formas de segregação espacial, e áreas privadas, como os shopping centers, substituem, por razões de segurança e de pasteurização social, lugares tradicionais do convívio público, como ruas e praças”.

Acrescenta-se a essa percepção da realidade brasileira a ausência de políticas públicas para incluir a juventude das classes de menor poder aquisitivo. Muitos adolescentes participantes dos rolezinhos estão se preparando para ingressar na faculdade, mas se sentem discriminados, segregados em bairros sem nenhuma estrutura, com raras opções de lazer e cultura. Soma-se ainda a esse quadro os péssimos exemplos das elites política e econômica, envolvidas em corrupção, sem falar da inversão de valores em que para ganhar dinheiro e subir na vida basta ser “esperto”. O rolezinho simboliza uma resposta à ostentação, ao egoísmo e à discriminação racial contra a maioria pobre de pardos, negros e índios.

A repressão e a violência policial contra rolezinhos pacíficos confirmam a discriminação. Condenar manifestações sociais fere a democracia. A sociedade deve fazer um novo pacto de convivência. E para esse grande acordo da nação serão necessárias iniciativas concretas de inclusão social, de solidariedade, igualdade de direitos e justiça. Do contrário viveremos um eterno apartheid.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.