i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Concurseiros

Foto de perfil de Concurseiros
Ver perfil

Trabalhar no governo sem estabilidade? Deus me livre, quem me dera!

É hora de acabar com o cabo de guerra. De um lado o governo busca profissionais qualificados, e na outra ponta tem uma indústria que supervaloriza a estabilidade

  • PorThais Nunes Laskoski
  • 16/11/2020 17:27
Mude os seus conceitos! Não idolatre o sonho de passar num concurso
Mude os seus conceitos! Não idolatre o sonho de passar num concurso| Foto: Divulgação/UFRGS

A escassez de concursos para grandes órgãos federais fez com que muitos concurseiros deixassem a preparação em segundo plano, já que sobreviver ao Coronavírus tornou-se prioridade para a maioria dos brasileiros, e o resto ficou para depois. Em contrapartida, a pandemia também abriu oportunidades em setores do governo antes esquecidos e hoje em alta, como nos órgãos da saúde e de segurança pública.

E para complicar um pouco mais a vida de quem quer fugir da iniciativa privada e conquistar a estabilidade do setor público, em 2020 a maioria das vagas estão sendo preenchidas via processo seletivo simplificado (PSS), para contratos temporários que chegam ao máximo de dois anos, alguns com avaliações somente por experiência e títulos comprovados, outros até com provas escritas.

Daí nasce o dilema: esperar o edital dos sonhos, que pode demorar anos, voltar (ou permanecer) no setor privado ou experimentar uma função temporária? Todas as opções estão corretas, já que dependem da realidade de cada concurseiro. Mas, e quanto à última? Por que não experimentar um contrato temporário? Ser estável é tão importante assim?

A verdade é que a estabilidade não deveria ser o que motiva alguém a prestar um concurso. Se alguém tem uma formação ou deseja fazer uma determinada atividade, então é preciso buscar uma colocação, esteja a vaga dentro ou fora do governo. O serviço que será desempenhado em determinado cargo deve (ou pelo menos deveria) ser o objetivo, e não os benefícios ligados à função.

Adotando um postura ética e coerente, a prioridade deve ser a prestação de um serviço público de qualidade, independentemente de ter ou não estabilidade. É o que acontece quando se trabalha na iniciativa privada. A administração pública brasileira está carente de bons servidores, gente que queira fazer a diferença, que substitua os dinossauros que estão saindo de um governo outrora antiquado, hoje em processo (ou pelo menos na tentativa) de renovação.

Queira (e se prepare) para ter um cargo público efetivo, mas não transforme isso na meta da sua vida. Supervalorizar a estabilidade não é interessante para ninguém, nem pra indústria dos concursos, já que na falta de bons editais as empresas acabam sem produtos para oferecer aos clientes. E vendo pela ótica do concurseiro, é preciso pensar nas vantagens de um contrato temporário, já que nem todo candidato tem o privilégio de sair do ensino médio ou da graduação direto para o cargo efetivo. Às vezes é preciso percorrer degrau por degrau.

O orientador de estudos Ricardo Beck ressalta que “ao tomar a decisão de passar num processo seletivo simplificado é preciso entender que é temporário! Ou seja, você precisa planejar como administrará os recursos que serão investidos para a busca de um novo cargo, e fazer valer a pena ter assumido a função”.

O professor ainda completa a importância do investimento futuro. “Ao receber seu primeiro salário é importante já investir naquele tão sonhado curso de redação ou matemática, por exemplo, para que seja um diferencial no concurso dos seus sonhos”.

Ademais, em tempos de crise também é preciso reavaliar as prioridades. A primeira delas é entender o princípio da supremacia do interesse público sobre o particular. Não se trata do que o concurseiro quer e sim do que é melhor para a sociedade. Se a administração pública precisa manter a máquina em funcionamento e a escolha mais adequada para o momento é contratar temporariamente, não critique! Quem está dentro do governo conhece mais da situação estatal do que quem está fora.

É claro que, como o nome já diz, a solução é temporária e não definitiva. Os contratados pelo INSS em 2020, por exemplo, não serão responsáveis por suprir o enorme déficit de servidores que saíram da autarquia nos últimos cinco anos, mas no momento o concurso precisa ficar em segundo plano para o bem dos segurados que aguardam atendimento. A urgência é cuidar da população que está à espera de atendimento e reestruturar o órgão, e só então trazer novos servidores para a instituição.

Em segundo lugar é preciso enxergar oportunidades ao invés de fracassos, escolher “ver o copo meio cheio e não meio vazio”. Se um concurseiro está sem trabalho e possui as qualificações exigidas, por que não ter um contrato temporário? Mais do que dinheiro, esse funcionário ganha experiência e tem a chance de experimentar a máquina pública antes de gastar dois ou três anos estudando.

O que mais se vende hoje nas mídias sociais é que passar num concurso é a solução dos problemas financeiros e profissionais, mas infelizmente a realidade é bem diferente, já que trabalhar para o governo é tão difícil (ou até mais) do que estar na iniciativa privada. Não se engane, há muitos concurseiros que depois da posse descobriram que não gostavam da atividade pública. Ser temporário traz a chance de ver como é fazer parte do quadro da administração antes de ingressar num cargo efetivo, é como um namoro antes do casamento.

E em terceiro lugar, os temporários obrigatoriamente contribuem para o Regime Geral de Previdência Social, o que significa que é possível alguém ser temporário durante a vida toda mantendo a regularidade previdenciária. Há, por exemplo, estados e municípios que usam o PSS para preencher o seu quadro de professores e tais contratados trabalham por anos passando por uma nova seleção de tempos em tempos. Eles têm direito a licenças, férias, recebem alguns adicionais, décimo terceiro salário, recolhem a contribuição previdenciária e, no futuro, terão direito a aposentadoria garantida por uma vida de dedicação à máquina pública.

O problema não é estudar para concursos, a questão (como já dissemos) é supervalorizar a estabilidade que o cargo efetivo oferece. Não é de se admirar que a maior parte da sociedade critique o quadro de servidores do governo, já que enxergam uma máquina incapaz de prestar um serviço público de qualidade. Querer trabalhar no governo é ótimo, mas enquanto o edital do cargo efetivo não vem, não despreze as oportunidades que o estado oferece. Sei que é difícil de acreditar, mas quando um órgão escolhe a contratação temporária ao invés do concurso público é porque é a melhor escolha para a sociedade. E sim, geralmente o estado sabe o que faz!

Guia de Concursos: Veja os editais com inscrições abertas em todo o Brasil

Deixe abaixo seus comentários e sugestões de assuntos que você gostaria de ver aqui espaço Concurseiros. Acompanhe também os principais concursos do país na página da blogueira Thais Nunes no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.