i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Conexão Brasília

Foto de perfil de Conexão Brasília
Ver perfil

Começa o duelo pela sucessão de Richa em 2018. Confira quem joga contra quem

  • PorAndré Gonçalves
  • 23/03/2015 09:47
Crédito: Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Crédito: Daniel Castellano/Gazeta do Povo| Foto:
Crédito: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Crédito: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

O primeiro duelo dos grupos políticos que pretendem suceder o governador Beto Richa (PSDB) está marcado para daqui a dois dias. Na quarta-feira, os deputados federais Ricardo Barros (PP) e João Arruda (PMDB) vão se enfrentar na disputa pela coordenação da bancada federal paranaense. Será o momento de medir quem começa a caminhada rumo a 2018 ao lado de quem.

Ex-secretário de Indústria e Comércio durante a primeira gestão Richa, atual vice-líder do governo Dilma na Câmara, Barros representa a candidatura da esposa, a vice-governadora Cida Borghetti (Pros). Arruda é o nome que, curiosamente, contenta os senadores Alvaro Dias (PSDB), Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB). Elegê-lo coordenador significa, para o trio, evitar que a família Barros ganhe espaço.

Preto-no-branco, o cargo em disputa é mais simbólico que poderoso. De prático, cabe ao coordenador acompanhar o andamento das emendas de bancada, cuja execução foi praticamente nula ao longo dos últimos cinco orçamentos. Politicamente, no entanto, ele age como interlocutor do grupo de 33 congressistas do Paraná com os governos estadual e federal.

O posto é interessante pelo “combo” que Ricardo tenta montar. Além de marido de Cida, ele é irmão do secretário estadual de Planejamento, Sílvio Barros. E está muito próximo de ser escolhido relator-geral do orçamento da União de 2016.

Quem liga os pontos chega à conclusão de que Ricardo teria a faca e o queijo nas mãos para agir como intermediário de uma série de projetos que levariam recursos para o estado, em tempos de vacas magérrimas. Ele faria o meio-de-campo entre Curitiba e Brasília, Silvio capricharia nos projetos e Cida posaria para as fotos como mãe das obras. Em menor proporção, a fórmula já funcionou quando Silvio era prefeito de Maringá.

Se tudo der certo, a família funcionaria como uma fonte de boas notícias em meio a uma gestão afundada em problemas financeiros. Seria bom para os Barros e bom para Richa. O governador, no entanto, ainda não tomou partido na confusão (segundo fontes, nem estaria disposto a tomar).

Do outro lado, uma vitória de Arruda imporia um constrangimento tanto a Richa quanto a Barros. Dois campos sairiam fortalecidos, PT-PMDB e a ala tucana ligada a Alvaro Dias. Não é à toa que os três senadores vão participar da votação – os prognósticos indicam que, se dependesse apenas dos 30 deputados, o resultado seria um empate.

Por último, ganhou força uma corrente que defende que Arruda e Ricardo saiam do páreo em favor de Edmar Arruda (PSC). A costura estaria sendo conduzida por Alex Canziani (PTB), mas o sucesso é improvável. Ainda assim, o significado político seria igualmente grande – o PSC é o partido do também pré-candidato a governador Ratinho Júnior.

Em qualquer das hipóteses, os movimentos indicam um descolamento em relação a Richa. Com menos de três meses de mandato, a perda de prestígio é um fenômeno político similar ao que acometeu o antecessor, Requião. Para quem não lembra, Requião conseguiu a proeza de chegar às eleições de 2010 sem construir um nome viável para sucedê-lo e viu-se forçado à desastrada manobra de apoiar Osmar Dias (PDT). Como resultado, quase não se elegeu senador.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.