Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Startups brasileiras trabalham para salvar o planeta
Startups brasileiras trabalham para salvar o planeta| Foto: Unsplash, Appolinary Kalashnikova/Reprodução

Em agosto, a ONU fez seu alerta mais incisivo sobre a crise climática global. A Terra está esquentando mais rápido do que nunca e se prepara para atingir 1,5ºC acima do nível pré-industrial já em 2030. Com isso, os eventos climáticos extremos acontecerão com ainda mais frequência, como os que temos visto pelo Brasil e pelo mundo. É preciso uma mudança urgente na condução da humanidade ou realmente, em pouco tempo, teremos um cenário apocalíptico.

Toda crise resulta em mudanças e essas geram novas ondas de inovação. Um dos primeiros a tratar desse fenômeno foi o economista Joseph Schumpeter, que procurou explicar os ciclos de expansão e retração econômica no mundo. Neste exato momento, estamos passando por um período de transição e entrando em uma 6ª onda do ciclo de inovação. À medida que os desafios climáticos se intensificam, novas empresas podem remodelar muitos modelos de negócios e padrões de consumo. A sexta onda sinaliza para o empreendedorismo sustentável.

O Brasil é um país criativo e com alto potencial empreendedor, por aqui já existem muitas startups que trazem respostas efetivas para muitos dos problemas que criamos. A partir de hoje traremos uma série de reportagens com grandes cases nacionais que buscam solucionar a maior crise ambiental de todos os tempos. 

Florestas e Arborização das Cidades

A Quiron Digital é uma startup catarinense especializada no monitoramento de ameaças florestais. Diogo Machado, cofundador da startup, acredita que a crise ambiental precisa de duas frentes de combate: a preventiva e a reativa.

Diogo Machado, da Quiron Digital
Diogo Machado, da Quiron Digital

“Por um lado, temos as tecnologias mais avançadas de predição e monitoramento, que otimizam e direcionam o planejamento estratégico de ações, porém se não houver ações em terra, apenas iremos observar as dificuldades de longe. A união de monitoramento e ação é o caminho para mitigar perdas causadas pela crise”, avaliou.

A empresa desenvolve soluções de sensoriamento remoto por meio de dados de satélites e nano satélites que atuam de forma precisa em qualquer parte do globo. Todo o trabalho foca em diminuir ameaças como incêndios, pragas, doenças e supressões, preservando propriedades e o sistema em que habitamos – fauna, flora e população. Este ano, a startup conseguiu prever um grande incêndio na Califórnia com 4 dias de antecedência. Esse incêndio, chamado de Caldor Fire, já está com 57km² de área em chamas e, se não houvesse o monitoramento e o alerta, a situação estaria ainda mais grave. A Quiron possui clientes privados e governamentais no Brasil, Portugal, Estados Unidos e Marrocos e recém recebeu um aporte no valor de R$ 750 mil de investidores anjos do Brasil.

Já a Arboran, fundada pelo biólogo paranaense Paulo Garbugio, e pelo Engenheiro Florestal Charles Costa Coelho, surgiu para acelerar a arborização urbana. Na opinião de Paulo, o Brasil passou da hora de ouvir os seus cientistas. “Temos milhares de soluções dentro dos laboratórios que não são aplicadas. Hoje estamos tirando esse conhecimento técnico que tivemos dentro da academia e levando para as cidades”, disse.  A arborização pode diminuir as ilhas de calor que influenciam no microclima da cidade, impactando todas as regiões em cadeia.

Equipe da Arboran
Equipe da Arboran

Para Paulo, é preciso políticas públicas de incentivo. Os governos precisam pensar nas cidades como organismos vivos. Segundo ele, as cidades podem voltar a encontrar o seu ponto de equilíbrio com a natureza evitando a extinção de animais em massa. “Precisamos mudar essa cultura de separar o humano da natureza, é possível conviver em harmonia com ela. As aves, por exemplo, podem controlar as pragas urbanas como ratos, aranhas, escorpiões e até mesmo o aedes aegypti. Sou a favor de trazermos um pouco da fauna nativa para dentro das cidades, obviamente de maneira logística e com planejamento”, esclareceu.

Na opinião do biólogo, para impedirmos grandes pandemias é preciso o contato mais próximo com a natureza para reequilibrar o nosso ecossistema e fortalecer o nosso organismo, assim estaríamos mais preparados para novas ondas de vírus e outras doenças.

A hora e a vez da Energia Limpa 

Além da preservação das florestas e o incentivo à arborização nos grandes centros urbanos, também precisamos repensar a maneira como produzimos energia. A busca pela energia limpa, sem emissão de poluentes, é uma necessidade urgente.

Em Minas Gerais, mais precisamente no município histórico de Matias Cardoso, temos em desenvolvimento o maior projeto de energia solar do mundo. A Aurora Energia é quem lidera o negócio, ocupando uma área de 25 mil hectares que combina energia solar e eólica em um mesmo espaço, resultando em um parque híbrido de pelo menos meia Binacional Itaipu, além de gerar centenas de empregos e transformações socioeconômicas. Onde antes era pasto com atividade poluente, hoje está sendo preparada uma atividade renovável, com alta preservação ambiental e conexões de corredores ecológicos.

Projeto da Aurora Energia
Projeto da Aurora Energia

O investimento total é acima de R$ 20 bilhões e até mesmo companhias tradicionais estão de olho nesse mercado. No ano passado, a Vale adquiriu um dos clusters da Aurora.

“A energia solar e eólica estão cada vez mais pujantes, ganhando grande destaque a nível nacional. Isso é importante num país com tanto sol e vento como o nosso, mostrando que é possível que o Brasil seja suficiente em energia sustentável. Temos um potencial gigantesco que pode ser transformador a nível social, econômico e de enorme contribuição da matriz energética, garantindo energia de alta qualidade, em abundância e barata para o país por décadas. Precisamos aproveitar mais este valioso potencial do Brasil”, explicou Fabrício Lopes, CEO da Aurora Energia.

Hoje já existe também um mercado de crédito solar. A Solfácil, fintech paulistana, é a primeira plataforma digital para investimentos em energia solar do Brasil.

Para Fábio Carrara, CEO da empresa, o crédito solar tem o reconhecimento do mercado de capitais e da sociedade. “As projeções da EPE e os números recentes da Aneel confirmam a capacidade da energia solar de endereçar o crescimento do setor e do país, puxada pelo financiamento como protagonista. Com essa perspectiva é que o Brasil tem a oportunidade de se diferenciar porque conta com gente empreendedora, tecnologia e inovação para liderar essa retomada globalmente”, explicou.

ábio Carrara, CEO da Solfácil. Reprodução/Paulo Vitale
ábio Carrara, CEO da Solfácil. Reprodução/Paulo Vitale| Paulo Vitale©All Rights reserve

Além disso, um sistema de geração distribuída de energia solar dá um retorno sobre o capital investido superior a 10 vezes o rendimento atual da poupança. Nesse modelo, o consumidor final (residencial, PMEs ou produtor rural) tem economia imediata ao substituir grande parte da conta mensal de energia elétrica por uma prestação ainda menor – a parcela do financiamento chega a ser 30% inferior à conta de energia tradicional. O compromisso da startup é democratizar esse entendimento e o acesso ao financiamento para acelerar a adoção de geração de energia distribuída no Brasil.

Até o final deste ano, a Solfácil espera atingir R$ 1 bilhão em financiamentos de projetos de energia solar, chegando a R$ 2,5 bilhões até 2022, impulsionados pela inovação em tecnologia, aumento de canais, novas áreas de negócios e pelo próprio crescimento do mercado que continuará em alta.

Redução dos Poluentes

Outro grande desafio é o controle da emissão de poluentes. A MOSS se insere nesse contexto de cumprir com as metas globais para conter o aquecimento global, sendo uma facilitadora no acesso ao crédito de carbono florestal para as empresas. A startup criou o primeiro token de crédito de carbono, que é uma solução imediata para a redução de emissões de gases poluentes e também trouxe uma grande inovação ao colocar esses ativos em blockchain.

Fernanda Castilho, General Manager da MOSS
Fernanda Castilho, General Manager da MOSS| Joao Viegas

“Enquanto as mudanças estruturais e de modos de produção são desenvolvidas e implementadas, temos que cumprir a meta global de dobrar a compensação de gases até 2030 para evitar um cenário de grande impacto para a produção de alimentos e ameaça do aumento do nível dos oceanos em cidades litorâneas”, explicou Fernanda Castilho, General Manager da MOSS.

Hoje, a startup atende empresas como Cia. Hering, GOL Linhas Aereas, iFood, Neooh, Bionexo e C6 Bank. Também atende negócios de pequeno porte em diferentes setores, como hotelaria, educação, escritórios de advocacia e negócios internacionais, como o fundo de investimentos SkyBridge. Em um ano de existência, a empresa já transacionou mais de R$ 70 milhões que ajudaram a conservar, aproximadamente, 500 milhões de árvores na Amazônia em projetos certificados e auditados internacionalmente.

Outras iniciativas prometem reduzir a emissão de carbono na atmosfera, como a 4 Hábitos Para Mudar o Mundo, idealizada e liderada pela estudiosa Ana Arsky. Ela desenvolveu uma plataforma que une metodologia e tecnologia para fazer um monitoramento remoto dos resíduos e gerar indicadores ESG e créditos de carbono para empresas – os conhecidos Grandes Geradores Urbanos.

Após a covid-19, a empreendedora passou a alertar que as Mudanças Climáticas são uma pandemia em câmera lenta. “A solução para este cenário é complexa, e nós estamos reunindo esforços para contribuir com a parte que temos expertise: os resíduos. Embora sejam responsáveis por 5 a 15% das emissões (dependendo do país) é, na minha visão, a forma mais imediata, fácil e de menor custo que uma empresa pode implantar para começar a sua jornada para emissão zero até 2050”, disse.

Especialista em Reabilitação Urbana Sustentável na área de resíduos desde 2008, Ana já havia detectado em 2006 que resíduos eram um grande desafio para o Brasil. Após a regulamentação da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos - Lei 12.305/2010) acreditava-se que haveria alguma mudança nos indicadores de reciclagem, mas isso não aconteceu. Há mais de 20 anos, permanecemos com o índice de 3% de reciclagem de resíduos, que regrediu ainda mais na pandemia.

Na PNRS está prevista a desobrigação do setor público de coletar e destinar resíduos do setor privado, os chamados Grandes Geradores. Mais de 200 municípios criaram leis municipais neste sentido que caracterizam como grandes geradores os estabelecimentos que geram lixo acima de valores variáveis entre a geração de 100 a 300 litros por dia.

“Nosso propósito é colaborar não só com a redução das emissões de GEE por meio dos resíduos, mas gerar os agora tão falados indicadores ESG com a redução da degradação ambiental e empoderamento social com o aumento de renda para as cooperativas da comercialização de recicláveis e do fortalecimento da cultura sustentável dentro das empresas, porque iniciamos a nossa atuação no momento do descarte”, enfatizou.

Equipe da 4 Hábitos Para Mudar o Mundo
Equipe da 4 Hábitos Para Mudar o Mundo

Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos 2020 da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública) foram geradas 79 milhões de toneladas de resíduos no Brasil em 2019. 36% desse montante ainda foi destinado a lixões a céu aberto ou os chamados aterros controlados. Os custos ambientais e de tratamento de saúde gerados pela destinação inadequada são estimados em US$ 1 bilhão por ano neste estudo.

Além disso, são R$ 20 bilhões em perda de matéria prima orgânica e de recicláveis que poderiam ter voltado para a cadeia produtiva. E também 24 milhões de toneladas de Créditos de Carbono que poderiam ter sido gerados com uma gestão sustentável desses resíduos.

“Validamos o nosso MVP em 2019, atuando numa empresa de transporte público do Distrito Federal, a Viação Pioneira, onde 50% do lixo gerado vinha de dentro dos ônibus. Após a estruturação da estratégia, tivemos o resultado de desvio de aterro de 93% em apenas 28 dias. Esse resultado só foi possível com a participação da população que foi muito estimulada a participar do processo”, disse.

Para a empreendedora, embora o Brasil tenha grandes desafios na área de logística reversa e economia circular pela sua dimensão continental e pelas suas características geográficas como a área da Amazônia legal, é muito possível aliar a tecnologia à capilaridade de grandes empresas e começar a fazer diferente agora mesmo. Neutralizar as emissões com os resíduos impacta na redução de custos operacionais, valorização da marca com os indicadores ESG e economia com investimentos em créditos de carbono para a redução das emissões das empresas.

Muitas soluções incríveis como essas têm sido criadas aqui no Brasil, mas é preciso mais apoio por parte dos investidores, governo e colaboração de toda a sociedade. Nos próximos textos, vamos trazer mais cases e entrevistas exclusivas que trazem soluções efetivas para a crise que vivemos hoje. Siga o GazzConecta e acompanhe!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]