Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O presidente Lukashenko, da Belarus, com Vladimir Putin
O presidente Lukashenko, da Belarus, com Vladimir Putin| Foto: Kremlin.ru

Guerra híbrida. Uma maneira de atacar o inimigo de forma sutil, indireta, evitando ser responsabilizado. É um método comum no mundo contemporâneo, onde é cada vez mais fácil promover interpretações, leituras, juízos de valor e disseminar narrativas. Cabe lembrar que fatos costumam guardar, pelo menos, dois pontos de vista. Imagine uma briga de casal. Sempre haverá a versão de cada um dos lados, com seus argumentos, teses, hipóteses e conclusões. Em quem acreditar? É sempre uma posição difícil, uma vez que haverá sempre inconsistências, divergências. Porém, há uma maneira de minimizar a controvérsia, buscando elementos menos polêmicos. Hoje, um ponto é incontroverso: pobres estão sofrendo na fronteira entre a Belarus e a Polônia. Não sabemos exatamente de quem é a culpa, mas o que é incontestável é que pessoas completamente desfavorecidas estão congelando com a aproximação inverno europeu.

É lamentável perceber que, em pleno século XXI, seres humanos em situação de pobreza continuam sendo utilizados como massa de manobra, como instrumento de guerra. Obviamente, a realidade brasileira não nos deixa muito distante disso. Mas a atual situação europeia pode nos ensinar muito sobre até onde vai a maldade humana.

Desde agosto deste ano, milhares de migrantes do Iêmen, Síria e Iraque estão na fronteira ocidental da Belarus com a Polônia, na esperança de conseguir abrigo em algum país da União Europeia. O problema é que, no meio do ano, a Europa estava no verão. Agora, com o fim do outono, as temperaturas começam a atingir graus negativos, de forma que já se acumulam mais de uma dezena de mortos. Lembrando que o grupo não é formado apenas por homens adultos, mas também por mulheres e crianças, que se deslocaram para Minsk, a capital de Belarus, na esperança de entrar na Europa Ocidental e conseguir uma vida melhor.

O fundo geopolítico desta questão é esclarecedor. Mais uma vez observamos um acirramento nas disputas entre Otan e Rússia, aquecidas no início deste ano pela crise na Ucrânia, tema que abordei em artigo aqui. Recentemente, o governo de Moscou decidiu romper relações com a organização militar do ocidente, quando, em agosto, representantes russos foram expulsos da instituição por acusações de espionagem. Agora, a Organização do Tratado do Atlântico Norte acusa a Belarus de instrumentalizar a migração contra seus vizinhos Polônia, Lituânia e Letônia, meramente com fins políticos. Este é também o entendimento da União Europeia, que acusou Alexander Lukashenko, presidente da Belarus, de ludibriar os imigrantes, fazendo-os acreditar que conseguiriam acessar com facilidade países do ocidente europeu. Como era fácil imaginar, Lukashenko nega as acusações, se isentando de qualquer responsabilidade.

Entretanto, o governo de Varsóvia parece estar determinado a tomar uma medida extrema, que pode jogar a disputa com a Rússia a um patamar ainda mais tenso. Isso porque os poloneses estão cogitando invocar o Artigo 4º do Tratado da Otan, uma medida extrema que foi usada poucas vezes em casos de grande emergência, quando a segurança de um ou mais países da Otan esteve ameaçada.

O problema é que o presidente da Belarus, que está no poder desde 1994, parece estar disposto a se vingar de seus vizinhos. Nos últimos tempos, Lukashenko tem enfrentado uma série de problemas. Protestos recentes fizeram com que o governo de Minsk levasse muitos dos manifestantes à prisão, enquanto outros optaram pelo exílio, no contexto das últimas eleições, ocorridas em agosto de 2020. Em resposta, a União Europeia e os Estados Unidos aplicaram sanções contra o país, mas que não tiveram grande impacto.

Porém, um fato mudaria tudo. Em maio deste ano, o jornalista e ativista Roman Protasevich estava cruzando o espaço aéreo da Belarus num voo saído da Grécia em direção à Lituânia. Ele havia sido colocado numa lista de procurados após desempenhar papel de destaque nos protestos após a reeleição de Lukashenko. Segundo o Washington Post, a mando de Lukashenko, o avião foi desviado da rota e obrigado a pousar em Minsk, para que o jornalista fosse preso. Em resposta, a União Europeia excluiu a companhia aérea da Belarus de todos os seus aeroportos. Além disso, baniram os produtos exportados para a região do euro, como o petróleo e os fertilizantes. O Banco Europeu de Investimento também interrompeu projetos no país, fazendo com que ficassem economicamente isolados. Isso gerou uma aguda crise econômica, uma vez que, sem acesso ao mar e com o espaço aéreo europeu bloqueado para seus aviões, eles se encontram numa situação bem delicada.

Portanto, a vingança de Lukashenko - segundo a UE, Otan e ONU – consiste em reeditar a crise migratória de 2015, utilizando pobres como instrumento de sua guerra híbrida. Pelo menos, esta é a opinião dos líderes europeus. Na ótica do governo de Minsk, Polônia e União Europeia estão infringindo direitos humanos ao não permitirem a entrada dos refugiados.

Independente de quem está com a razão, Lukashenko já anunciou que não irá parar por aqui. A próxima ação é desligar (ou mesmo quebrar) os gasodutos que, vindos da Rússia, aquecem os lares europeus durante o inverno. Com o valor do gás natural já tendo atingido recordes nos últimos meses, isso poderia desencadear uma crise de grandes proporções.

Não sabemos ainda até onde irá essa polêmica. Enquanto as autoridades tentam encontrar uma solução, a certeza é que os pobres permanecerão sendo usados como massa de manobra. Infelizmente, Karl Marx continua fazendo escola.

Que isso nos sirva de lição, de que nem sempre uma guerra é travada com armas e tanques, mas frequentemente por meio de mulheres e crianças famintas. Deus tenha misericórdia dessas vidas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]