i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Dante Mendonça

Foto de perfil de Dante Mendonça
Ver perfil

Caçador de histórias.

A dama de março

  • Dante MendoncaPor Dante Mendonca
  • 07/03/2020 16:00
A dama de março
| Foto: Felipe Lima

Se existia alguma dúvida de que Curitiba é feminina, a bipolaridade desse verão metido a macho que vai nos deixar – deixando para trás a leveza das saias, decotes imaginativos e um desfile casual de trajes invernais – nos convenceu da semelhança entre as cidades e as mulheres, tese defendida por Jaime Lerner e Luís Fernando Verissimo.

Talvez tenha sido um sopro edipiano que tenha inspirado Lerner e Verissimo, sendo os dois confessadamente apaixonados pelas cidades que lhes serviram de útero: Curitiba e Porto Alegre. Paixões que ambos repartem com Paris e Nova York, suas amantes de longa data.

Especialmente Jaime Lerner, hoje com meia família residindo em Nova York, quando estudante de arquitetura em Paris conheceu, ainda bem jovem, a fêmea com as curvas sensuais do Sena: “Paris é chique, uma mulher sempre vestida para um casamento. Nova York é uma mulher toda tatuada”.

Um forasteiro diria que Curitiba, assim como uma mulher, tem seus altos e baixos

Verissimo lembra que na Bíblia temos duas personagens marcadamente femininas: Babilônia, a grande prostituta, “vestida de linho fino, de púrpura, de escarlate e adornada com ouro e pedras preciosas e pérolas”, cujos pecados se acumularam até o céu e provocaram sua destruição, e Jerusalém, a “mulher do Cordeiro” que desce do céu, “como uma esposa ataviada para seu marido”, no advir dos novos tempos.

Um forasteiro diria que Curitiba, assim como uma mulher, tem seus altos e baixos. Para quem a estranha, é uma fêmea que sofre de transtorno bipolar em dobro, com um temperamento que oscila entre quatro estações num mesmo dia. Ela amanhece ensolarada sobrando euforia na paisagem. Por volta do meio-dia, nota-se que o céu escurece, sopra o vento sul e um velado mau humor toma conta das ruas. Em seguida, sol e chuva casamento de viúva. E toda aquela euforia do início da manhã escorre para o inferno das calçadas. O sol aqui e ali nos acena entre uma nuvem e outra, mas falta-lhe disposição para o chá das cinco. Com a luminosidade difusa, este inferno emocional só tende a piorar no início da noite, quando a bruma maliciosa convida ao leito.

Pecadora e virtuosa, Curitiba é a madame do Batel de cinta-liga, com sapatos sujos de lama da periferia. É uma bela balzaquiana com topete de colegial em busca da eterna fonte da juventude. Mulher de temperamento oscilante, criatura imprevisível. E só ela tem o poder de se transformar em um único dia. É a própria metamorfose ambulante: forte e feliz, é uma polaquinha pela manhã; frágil e dengosa, é uma nissei no meio do dia; nostálgica e carente, é a italianinha no meio da tarde; amada e assustadora ao anoitecer, é a loura fantasma a rondar a cidade; é a mãe zelosa que recomenda ao filho no seu primeiro dia de trabalho: “Tenha modos e no caminho não fale com estranhos!” As mocinhas da cidade são alunas do “Colégio Caça Marido” que, nos dias de chuvarada, na volta pra casa fazem fila para pular as pocinhas d’água.

É o fim do verão, são os dias de março para festejar esta Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, muito propriamente a mãe padroeira. Fogos e festas para a Dama de Março, neste Dia Internacional da Mulher, 8 de março. Filho amado de dona Terezinha, o prefeito Rafael Greca bem poderia abrir as comemorações de aniversário da cidade, em 29 de março, passando em revista nossas ruas com nomes de mulheres. A começar pela Rua Maria Nicolas (no Sítio Cercado), nome da educadora, pintora e escritora, que nos deixou um livro para ter Curitiba na palma da mão: Alma das ruas.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.