i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

Encampada por paranaense, polêmica alteração na “lei dos agrotóxicos” será votada dia 29

  • PorCatarina Scortecci
  • 27/05/2018 13:00
Deputado federal Luiz Nishimori (PR-PR). Foto: Lucio Bernardo Jr./Arquivo Câmara dos Deputados
Deputado federal Luiz Nishimori (PR-PR). Foto: Lucio Bernardo Jr./Arquivo Câmara dos Deputados| Foto:

A comissão especial da Câmara dos Deputados se reúne na terça-feira (29), às 10 horas, para tentar votar a polêmica “nova lei dos agrotóxicos”, cuja relatoria é do deputado federal pelo Paraná Luiz Nishimori, do Partido da República (PR). Se o colegiado aprovar o substitutivo de Nishimori ao projeto de lei 6299/2002, o texto já segue para deliberação no plenário.

Mas a votação não promete ser simples. O texto do paranaense, apoiado pela bancada ruralista na Casa, tem sido ferozmente criticado pelo Ministério Público Federal (MPF), que sinaliza contestar a alteração no Supremo Tribunal Federal (STF), caso o substitutivo seja de fato aprovado. Na esteira disso, os debates nas reuniões do colegiado têm sido acalorados.

E não é só o MPF. As mudanças na “lei dos agrotóxicos” (lei 7802/1989) já foram publicamente rejeitadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca). Organizações da sociedade civil classificaram o substitutivo do paranaense de “pacote do veneno”.

Registro das substâncias

O texto de Nishimori prevê, entre outros pontos, que os produtos possam ser liberados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) mesmo se órgãos reguladores, como o Ibama e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não tiverem concluído suas análises. Os produtos receberiam uma espécie de “registro temporário”. Para o relator, o sistema de registro de produtos do tipo é “extremamente burocrático” e está “desatualizado em relação ao cenário internacional”.

Agrotóxicos ou fitossanitários?

Outra polêmica alteração proposta pelo parlamentar tem ligação com a própria palavra “agrotóxicos”. Nishimori quer chamá-los de “defensivos fitossanitários”. Segundo ele, “o termo agrotóxico parece ter tomado conotação depreciativa junto à opinião pública”. Para o MPT, isso indica uma tentativa de abrandar a nocividade de substâncias do tipo.

LEIA MAIS:

Chefs se mobilizam contra “PL do Veneno”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.