i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

“O texto do relator é um horror”, diz vice-presidente da comissão da reforma política

  • PorCatarina Scortecci
  • 16/08/2017 01:31
Deputado federal Sandro Alex (PSD-PR). Foto: Alex Ferreira/Arquivo Câmara dos Deputados
Deputado federal Sandro Alex (PSD-PR). Foto: Alex Ferreira/Arquivo Câmara dos Deputados| Foto:

O deputado federal paranaense Sandro Alex (PSD), primeiro vice-presidente da comissão especial da reforma política, foi severo ao ser questionado pela Gazeta do Povo sobre o resultado dos trabalhos do grupo, criado em outubro do ano passado. Segundo ele, “o texto do relator é um horror”.

Sandro Alex se refere especialmente a dois pontos do relatório do deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), entre eles o que permite as “candidaturas simultâneas” a partir de 2022, dentro do sistema de voto distrital misto. Ou seja, o político poderia disputar mais de um cargo na mesma eleição. “A pessoa é candidata a presidente da República e também a deputado federal. Eu quero fiscalizar ou ser fiscalizado? É bizarro”, aponta Sandro Alex.

Outro ponto, segundo o paranaense, se refere à retirada da figura do “vice”. “Na prática, o vice-prefeito de uma cidade, por exemplo, seria o presidente da Câmara de Vereadores. Mas aí não haveria uma indústria da cassação? E o relator fala de cortar os vices para economizar. Mas aí, ao mesmo tempo, se quer criar o fundo eleitoral de R$ 3,5 bi”, argumenta o parlamentar.

A despeito das críticas, o relatório avançou na comissão da reforma política e pode chegar ao plenário da Câmara dos Deputados ainda hoje (16). As propostas que mais têm recebido atenção na Casa são a adoção em 2018 do voto majoritário para eleger parlamentares, o chamado “distritão”, e a criação do fundo eleitoral, abastecido com cerca de R$ 3,5 bilhões do orçamento da União, para financiar campanhas no próximo ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.