Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Atualização sobre novos casos de coronavírus no Brasil.
Atualização sobre novos casos de coronavírus no Brasil.| Foto: Bigstock

Conforme abordado na postagem anterior, para lidar com as dificuldades de realizar a quarentena com uma criança com autismo em casa, uma das maneiras mais "fáceis" de lidar com a situação é estabelecer um protocolo para cada papel que exercemos em casa. Com certeza, um dos papéis que não temos como escapar é o de “produtores de alimentos”.

Manter nossa família alimentada engloba três etapas distintas: (1) comprar alimentos, (2) armazenar alimentos (sem estocar, hein!), (3) cozinhar. Estabelecer regras de como tais tarefas serão geridas tem uma grande utilidade. Com um protocolo bem definido, além de nos protegermos da COVID-19, conseguimos economizar tempo e até produzir atividades que incluam nossos pequenos.

Estabelecer um protocolo significa, em ultima instância, criar regras. Por sua vez, para criar regras, precisamos ter objetivos definidos. Então, o primeiro passo é lembrar quais são os objetivos gerais da sua casa. Por exemplo, na minha residência os objetivos são: (1) evitar o contágio da COVID-19, (2) melhorar a cada dia a condição de saúde física e mental de todos, (3) manter as crianças felizes e em evolução constante.

Tendo seus objetivos claros, você deve desenvolver regras que estejam adequadas a seus objetivos. Por exemplo: “Considerando o objetivo de não contágio pela COVID-19 como posso fazer a compra dos alimentos de forma mais segura? Como posso armazenar meus alimentos de forma segura?”. Ou seja, os seus objetivos vão impulsionar as regras que você irá criar e permitirão que você desenvolva um protocolo de como gerir a alimentação da sua família.

Vou passar agora o protocolo que estou adotando em casa, que pode servir de exemplo para você desenvolver o seu próprio protocolo.

PREPARANDO A LISTA DE COMPRAS

Passo 1: Eu tenho uma lista de alimentos que eu tenho em casa, realizando um controle muito próximo de quais alimentos foram utilizados. Assim, no momento da compra, eu sei exatamente o que falta, o que evita que eu tenha que re-fazer compras com frequência por esquecer determinado item.

Passo 2: Na hora de montar minha lista de compras, eu dou preferência a alimentos saudáveis. Isso permite que eu cuide de forma mais adequada da alimentação da minha família. Na rua, somos expostos a diversos tipos de alimentos e, por vezes, comemos algo não por fome, mas simplesmente por ficarmos tentados a comer (e sabemos muito bem o quanto nossos filhos são "peritos" nisso!). Então, em casa, estou expondo minha família apenas a alimentos que forneçam alguma coisa boa para o organismo. Diminuída a exposição às "tentações alimentares" em razão da quarentena, aproveito o momento para uma reeducação alimentar de todos.

REALIZANDO A COMPRA

Realizo compras de forma online e peço para entregarem em minha casa. A prática, além de priorizar o isolamento social, permite que façamos a compra de maneira mais célere, economiza gasolina, permite que controlemos melhor o que estamos comprando. Menos tempo gasto em compras é mais tempo para ficar com as pequenas e trabalhar.

RECEBENDO AS COMPRAS

Passo 1. Recebo as compras no portão, mantendo a distância mínima (recomendada pela OMS) de 2m do entregador.

Passo 2. Ainda no portão, tiramos todas as compras dos sacos plásticos. Guardamos todos os sacos em um cesto de lixo (todo furado, que permite arejar) e deixamos por 3 dias no sol (para garantir que, quando usarmos os sacos plásticos, não estejam contaminados.

Passo 3. Na porta de casa, antes mesmo de colocar os produtos para dentro realizo a limpeza das embalagens com uma solução de 1L da água para 60ml de água sanitária. As frutas e verduras eu limpo com solução de 1L de água para 15ml de água sanitária (aprendi essa mistura com Dr. Cícero Kluppel no instagram: @dr.ciceroalaorkluppel) Apenas após higienizar todas as embalagens é que os produtos são guardados em seus devidos lugares.

Passo 4. Levo toda roupa que estava usando durante o processo para lavar, e quem esteve em contato com os produtos antes da higienização vai direto para o banho.

COZINHANDO

Em todos os momentos possíveis, incluímos as crianças no processo de cozinhar. Nesse processo, é possível estimular várias questões como: (1) números, (2) quantidades, (3) motora fina, (4) processos químicos, (5) atividades de vida diária, dentre outros.

Criar um protocolo é útil para qualquer família, mas, quando temos um filho com autismo, é ainda mais importante. Isso porque teremos preocupações adicionais durante essa quarentena e precisamos diminuir os fatores de ansiedade. Um protocolo permite que tenhamos mais controle de cada situação e mais tempo para dedicar aos nossos filhos. Ainda, o protocolo é de fato uma rotina, o que confere à própria criança com autismo uma sensação de segurança.

Ao desenhar um protocolo, pense sempre em unir objetivos. Por exemplo, cozinhar pode ser apenas uma ação com o fim de alimentar a família, ou pode ser um momento de estimulação das crianças. Pode também virar uma brincadeira. Reunir em uma atividade vários objetivos vai facilitar seu dia-a-dia. Na próxima postagem, vou abordar exatamente como utilizar o momento da cozinha para estimular seu/sua pequeno/pequena.

Também vou postar alguns vídeos sobre esses assuntos no meu instagram, meu facebook e também nas redes sociais do meu escritório: instagram e facebook.

Agora é momento de nos unirmos. Então, vamos partilhar nossas experiências! Converse com outras mães de crianças com autismo (por telefone, hein!), partilhe conhecimento. Sozinhos nunca!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]