i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Dinheiro Público

Foto de perfil de Dinheiro Público
Ver perfil

Existe a “indústria da multa de trânsito”?

  • PorRodrigo Kanayama
  • 07/05/2019 19:19
"Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo"
"Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo" | Foto:

No dia 7 de março de 2019, o Presidente da República Jair Bolsonaro, num vídeo no Facebook, disse

“Há uma quantidade enorme de lombadas eletrônicas no Brasil. É quase impossível você viajar sem receber uma multa. E a gente sabe que, no fundo – ou desconfia – que o objetivo não é diminuir acidentes. Não é, porque hoje se está muito mais preocupado em se olhar para o lado, para o barranco, para ver se tem uma lombada eletrônica, do que para ver a sinuosidade das pistas”. (Clique aqui – a partir do minuto 9:40)

A mesma fala foi repetida no programa do Silvio Santos, em 5 de maio de 2019 (clique aqui). Segundo o Presidente, o brasileiro “não tem mais prazer em dirigir e que o controle de velocidade não serve à proteção da vida, mas o radar é “caça-níquel”, com finalidade meramente arrecadatória (de multas).

Afinal, existe a “indústria da multa”?

Ao contrário do que o Presidente declara, a finalidade dos radares e lombadas eletrônicas não é a arrecadação. Estudos nacionais (do IPEA – Clique aqui e aqui –, do DNIT – Clique aqui) e internacionais (do TRL – Clique aqui) comprovam que a redução da velocidade dos motoristas mais velozes promove redução de acidentes nos locais controlados. Com a queda dos acidentes, haverá menos vítimas e, consequentemente, menos despesas privadas e públicas com saúde. Relatório Anual do Plano Plurianual, em 2017, também demonstrou que a política adotada pelo governo federal, para reduzir o número de acidentes com vítimas, vem surtindo efeito (Clique aqui – p. 71).

Mesmo com os dados disponíveis, o Presidente ainda insiste que os “radares e lombadas eletrônicas” (os dispositivos de controle de velocidade) têm apenas finalidade arrecadatória (são meros “caça-níqueis), e que apenas alguns particulares – as empresas que prestam o serviço por contrato, após licitação – são beneficiadas. Ao contrário, as multas resultantes da atividade de controle de velocidade dos radares não servem à remuneração de empresas privadas que prestam serviço de instalação e manutenção de “radares de velocidade”.

Quanto à aplicação dos valores decorrentes de multas de trânsito, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) define:

“Art. 320. A receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito será aplicada, exclusivamente, em sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação de trânsito”. (Lei 9.503/1997 – Código de Trânsito Brasileiro).

A Resolução 638, de 30 de novembro de 2016, do Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN (clique aqui) enumera e explica o que se entende por “sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação do trânsito”. Entre as finalidade, os recursos servem para sinalização da via (luminosos, pintura, placas), para engenharia do tráfego (estudos sobre locais a serem sinalizados, estatísticas de acidentes de trânsito), para policiamento e fiscalização (capacitação de agentes, equipamentos de fiscalização), e para educação (campanhas educativas, atividades escolares, material didático).

De todos os valores arrecadados com multas, 5% deverão ser depositados no FUNSET, fundo criado pelo Código de Trânsito Brasileiro (art. 320, parágrafo único) para dar efetividade às políticas de trânsito. O Decreto 2.613/1998 estabelece como os recursos do FUNSET deverão ser aplicados, por exemplo, na educação e segurança de trânsito, no combate à violência e preservação da segurança do trânsito, na supervisão da implantação de projetos e programas relacionados com a engenharia, educação, administração, policiamento e fiscalização do trânsito, visando à uniformidade de procedimentos para segurança e educação de trânsito.

Portanto, não existe a “indústria da multa”. O controle de velocidade “por radares e lombadas eletrônicas” é importante à segurança dos motoristas e pedestres e a multa aplicada aos infratores é revertida em prol da própria educação de trânsito e de medidas de aprimoramento da eficiência e segurança.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.