i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Dinheiro Público

Foto de perfil de Dinheiro Público
Ver perfil

Orçamento impositivo

  • PorRodrigo Kanayama
  • 08/08/2013 16:46
Orçamento impositivo
| Foto:

Congresso Nacional

Na Gazeta do Povo, a notícia que chamou a atenção deste blog foi a do orçamento impositivo. Esse é o nome que foi atribuído por juristas e jornalistas a uma diferente forma de atuação nas finanças públicas: a de uma lei orçamentária que obrigue despesas – e não apenas as autorize, como vem sendo tradição no Brasil.

Em primeira análise, o orçamento impositivo parece ser a escolha certa. Por que esperar que o governo decida gastar o dinheiro público – e às vezes nem o gaste – se é possível mudar a Constituição para obrigá-lo a gastar? Será que finalmente surgiu a solução à ineficiência da gestão pública?

A resposta é, porém, negativa. Em especial se a intenção for somente obrigar a execução das emendas parlamentares (que são as despesas incluídas pelos parlamentares na fase de deliberação do orçamento no Poder Legislativo). O orçamento que impõe obrigação de execução de emendas parlamentares reduz a maleabilidade da gestão pública, tão requerida diante de intempéries econômicas e sociais, e favorece a utilização descontrolada de recursos para fins individuais (o jornalista da Gazeta do Povo, Yuri Al’Hanati, pontuou bem as vantagens e desvantagens da impositividade orçamentária).

Mudanças estruturais do orçamento público são bem-vindas, desde que sejam fruto de profundas reflexões públicas, entre governo e parlamento, a academia e a sociedade.

Deixarei o debate aberto e farei novas observações nos próximos posts.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.