i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Diogo Schelp

Foto de perfil de Diogo Schelp
Ver perfil
Economia

Como o coronavírus pode mudar a relação do mundo com a China e com o Brasil

  • Diogo SchelpPor Diogo Schelp
  • 01/03/2020 18:00
Coronavírus
Limpeza de uma estação de metrô em Seul, na Coreia do Sul| Foto: YONHAP / AFP

Em algum momento, possivelmente em poucos meses, a epidemia do novo coronavírus vai acabar, como ocorreu com os outros episódios recentes de infecções virais de alcance global. O impacto mais duradouro será o econômico, como atesta o pessimismo demonstrado nas bolsas de valores em diversos países nos últimos dias. O susto está sendo tão grande que a relação do mundo — e aí estamos falando tanto de governos quanto de grandes corporações — com a China nunca mais será a mesma. O Brasil também pode ser afetado por essa mudança.

A questão nem é tanto a responsabilidade que a China tem como local de origem e propagação da doença. O que vai fazer a ficha cair para os detentores de poder e capital é que não se pode depender tanto da China como o chão de fábrica do mundo ou como casa de máquinas do crescimento econômico global.

O imediatismo comercial e industrial terá de ser substituído por um pensamento mais estratégico, geopolítico até. Essa mudança, se for profunda, pode se revelar uma oportunidade para países emergentes e razoavelmente industrializados como o Brasil. Mas voltarei a isso mais para frente.

Antes, é preciso saber de que tipo de dependência estamos falando.

Quando a China enfrentou uma epidemia de SARS (síndrome respiratória aguda grave), que se iniciou no final de 2002 e agravou-se no início do ano seguinte, o impacto na economia foi limitado. O PIB do país crescia de maneira alucinante (mais de 10% ao ano) e, por isso, registrou apenas uma desaceleração entre o primeiro e o segundo trimestres de 2003. O efeito na economia global tampouco foi catastrófico.

Mas há duas grandes diferenças para a situação atual. A primeira é que a China já vive uma tendência de desaceleração econômica, com uma projeção de crescimento anual do PIB de pouco mais de 5% em 2020. A segunda, crucial, é que o tamanho da economia chinesa hoje é oito vezes maior do que em 2003. Como consequência, o peso do país na produção de riqueza global é muito maior.

O mundo, atualmente, é muito mais dependente da China do que a China do mundo. A maior dependência do mundo em relação à China reside principalmente no fato de o país ter se tornado o maior exportador global de produtos intermediários (necessários para a fabricação de outros bens em outros países). Já a redução na dependência da China em relação ao mundo explica-se porque agora o crescimento chinês sustenta-se mais no consumo interno do que nas exportações.

O que deve levar o mundo a rever sua relação econômica com a China é essa dependência em relação ao país como principal fornecedor de produtos intermediários: os chineses abastecem um terço desse mercado. Com isso, quando um espirro de coronavírus suspende a atividade de uma fábrica ou interrompe o funcionamento da estrutura logística de transportes, o efeito imediato é o corte brusco na cadeia de suprimentos global.

E é exatamente por isso que a Apple e outras empresas multinacionais estão há várias semanas buscando fornecedores alternativos para fazer seus produtos.

Um exemplo próximo de nós é o das peças para a indústria elétrica e eletrônica. Quatro em cada dez componentes usados pelas empresas brasileiras do setor são importados da China. Com o coronavírus e a necessidade de manter os trabalhadores em casa, a produção desses itens na China caiu e a indústria brasileira se viu obrigada a também reduzir o ritmo.

Outro exemplo dramático é o da indústria farmacêutica. A China é a maior produtora mundial de insumos para o setor. Dependendo do princípio ativo utilizado nos remédios, é a única fornecedora. Vêm da China 80% dos medicamentos consumidos nos Estados Unidos, sem falar em equipamentos médicos ou seus componentes.

Do ponto de vista estratégico, isso já não fazia sentido antes mesmo do coronavírus. Imagine se os Estados Unidos se vissem envolvidos em uma disputa política ou mesmo em uma guerra com a China e Pequim resolvesse proibir subitamente a venda desses produtos vitais para os americanos?

A questão dos itens farmacêuticos já vinha sendo discutida nos Estados Unidos antes mesmo da epidemia de coronavírus e era um dos argumentos de assessores do presidente Donald Trump para a guerra tarifária com a China: segundo eles, é preciso fazer algo para reduzir a dependência americana de importações chinesas, especialmente de produtos estratégicos.

A guerra de tarifas entre Estados Unidos e China já tinha levado executivos de diversas empresas a concluir que seria necessário procurar fornecedores alternativos para insumos essenciais para os seus negócios. Pouco foi feito, porém, nesse sentido, pois é muito difícil encontrá-los. A China tem uma combinação quase imbatível de mão de obra flexível e boa infraestrutura de produção, além de um mercado consumidor interno em si muito atraente.

A crise do coronavírus e o fechamento temporário de diversas fábricas, em muitos casos de cidades inteiras, na China, porém, podem ser o que faltava para tirar as empresas da inércia. Para quem produz na China para vender na China, como ocorre com diversas montadoras de automóveis que tiveram que parar a produção nas últimas semanas, não há muito o que fazer. Outros setores, porém, ganharam um incentivo redobrado para não depender tanto da China como local de produção ou como fornecedor de componentes essenciais.

Isso abre oportunidade para países que dispõem de uma indústria bem estabelecida, infraestrutura razoável e mão-de-obra barata e relativamente qualificada. Outros países da Ásia preenchem esses requisitos, mas estão demasiadamente conectados às cadeias de valor chinesas para servirem ao propósito de redução da dependência. Sobram como opção o México, alguns países do Leste Europeu e, por que não, o Brasil. Afinal, em alguns setores, como o farmacêutico, não nos falta expertise.

A China, em um cenário pós-coronavírus, vai continuar sendo o chão de fábrica do mundo. Mas um pensamento mais estratégico de governos e empresas multinacionais preocupados em não depender apenas de um país pode abrir novas frentes de investimentos em produção industrial. Restará ao Brasil fazer a lição de casa para atraí-los.


14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    DENISSON HONORIO DA SILVA

    ± 15 dias

    Eu estava justamente pensando sobre isso semana passada. Como farmacêutico, percebo que esta é a nossa oportunidade de ouro para acabarmos com a nossa dependência farmoquimica. Creio que tenha sido o maior erro dos militares e da sociedade civil, ainda na decada sessenta para o desenvolvimento farmacêutico. Caso tivessemos percorrido o caminho da China e India, hoje seríamos grande exportador de alto valor agregado. Os paises desenvolvidos tem massa critica para reverter esta dependência. Nós teremos que criá-la. Será difícil mas não impossivel. Para exemplo de comparação, na faculdade, um simples AAS nos fez perder horas e horas de laboratório sem contudo ter resultados satisfatórios.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos eisenschlag

    ± 15 dias

    Nao somos um pais de mao de obra barata, mas sim de salarios baixos. Os encargos que o empresario paga em cima desses salarios sao dos mais altos do mundo. So' como comparacao no Paraguai se paga um terco dos encargos daqui. Segundo temos custos logisticos elevadissimos, pois nao temos ferrovia, nossa frota de caminhoes nao e' nova, nosso diesel e' dos mais caros, e seguros de carga cada vez mais altos devido a violencia. Somado a isso temos portos decadentes, cultura de greve e uma burocracia que trata o exportador como criminoso e destroi a confiabilidade de entrega. Por tudo isso so' vendemos pau, pedra, mato e carne e estamos afastados de cadeias ate' de medio valor agregado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mauricio kuhnen

    ± 16 dias

    historicamente somos um país que não aproveita as oportunidades. Vamos ver se desta vez mudamos esta história. Depende de nós. Um grande começo é ir para a rua dia 15/3.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    natalin

    ± 16 dias

    mas com tanto comunista vivendo de um estado obeso e guloso, nada prosperará por aqui, nem tiririca.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    natalin

    ± 16 dias

    mas com tanto comunista vivendo de um estado obeso e guloso, nada prosperará por aqui, nem tiririca.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Ivo

    ± 16 dias

    Interessante, há um ano o Brasil saiu da rota do precipício e surge tal oportunidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    salcutrim

    ± 16 dias

    Acho dificil. Com nossa cosmovisao ideologica marxista, nosso coraçao burocratico (conseguimos burocratizar até uma simples compra de um telefone), e nosso congresso com sua politicagem que so pensa em seus partidos e não na nação, estamos muito longe de sermos considerados candidatos. Adiciona a isso, nosso sistema tributário letal...ai ferrou

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    marcelo bergerson

    ± 16 dias

    O Brasil infelizmente está a anos luz de ser alternativa industrial. Mão de obra desqualificada, bens de capital sucateados, impostos confusos e elevados, instabilidade jurídica absurda, poderia citar mais uns 1000 empecilhos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    tamotsu kashino

    ± 16 dias

    Para bens sr, Diogo Schelp e GP, um artigo que deve aparecer diariamente, só quero ver se os redatores das imprensas esquerdistas estaria lendo este artigo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Decio mango

    ± 16 dias

    O corona vírus nada mais e que uma cortina de fumaça criada para encobrir a derrocada da economia chinesa...e de arrasto a economia europeia..outras vezes isso foi feito e deu certo...veremos agora

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO BARBASKI

    ± 16 dias

    Excelente artigo. Agora é o Brasil fazer a lição de casa para ser uma alternativa viável a nível global. Melhorar a incidência de impostos, logística, reduzir o custo energético geral...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    STF

    ± 16 dias

    Enquanto tivermos esta carga tributária absurda nunca seremos alternativa industrial para a China.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dario de Araújo Dafico

    ± 16 dias

    Parabéns! Artigo de quem tem visão estratégica!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Toni

    ± 16 dias

    A China possui sim um parque industrial desenvolvido, cujo sucesso, porém, está relacionado a uma mão de obra quase escrava. Nem vou abordar aqui no meu comentário o fato de a China ser um país sem qualquer tipo de liberdade política ou ideológica ou, pois foge ao tema. Voltando ao tópico, ser autossuficiente industrialmente ao menos em produtos básicos é questão de sobrevivência hoje. Estrategicamente falando, concordo com o autor do texto que é péssimo depender de apenas 1 fornecedor. Mudanças são necessárias. [Mais] uma ótima deixa e oportunidade para o Brasil iniciar a exploração do nióbio e outros minerais preciosímos tanto disponíveis em nosso solo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]