Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Imagem de arquivo da produção da Ford em Camaçari, na Bahia
| Foto: Divulgação/Ford

Há séculos discute-se quais os melhores caminhos para um país se desenvolver. Apesar das diversas teses atuais, já há um consenso de grande parte dos especialistas sobre o que funciona e o que não funciona.

Subsídios e proteção para setores específicos, por exemplo, têm um péssimo histórico. O Estado brasileiro tenta este caminho há décadas, e a lista de fracassos é extensa, indo da informática à indústria naval. Vimos esta semana o exemplo da Ford, que apesar dos R$20 bilhões recebidos em subsídios desde 1999, decidiu encerrar sua produção no Brasil.

Os benefícios dados à Ford são comuns no setor automobilístico brasileiro. Mesmo após mais de um século produzindo carros no Brasil, a indústria alega ainda depender de subsídios e proteção.

Convenhamos, não é mais uma indústria nascente.

Enquanto empresas conseguirem, ou mantiverem, privilégios tributários, a população e os outros setores da economia com menos influência política vão pagar a conta. Não existe fórmula mágica, o Estado tem custo, se alguém não paga a sua parte, o outro vai pagar em dobro.

Além de terem um grande custo para a sociedade, subsídios e proteções vão no caminho contrário do que se entende como essencial para o desenvolvimento de uma nação: a produtividade.

Uma população com maior grau de formação educacional, um ambiente de negócios que facilite a vida de quem quer trabalhar, empreender e inovar, e um sistema jurídico que resolva os conflitos de forma rápida e previsível são os pilares de um país que queira aumentar sua produtividade.

Os subsídios e incentivos acabam sustentando empresas ineficientes, que só sobrevivem por causa dos estímulos. O resultado é que a economia fica, em média, menos produtiva.

Além de não seguirmos nenhum dos passos básicos para aumentar a produtividade, fazemos políticas públicas que reduzem a produtividade. Não é à toa que este indicador está estagnado há 40 anos.

Se o Brasil quiser crescer e se desenvolver, precisa fazer reformas estruturais que aumentem a produtividade para todos.

Todo mundo já sabe o caminho, só falta os donos do poder assumirem suas responsabilidades.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]