Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Propaganda eleitoral “gratuita”: cara, chata e injusta
| Foto: Caroline Pacheco/Agência Senado

Quando uma empresa decide fazer um anúncio na TV ou no rádio, ela consulta o valor cobrado pela emissora por determinado espaço de tempo na grade de programação. Depois, avalia se sua propaganda irá causar um impacto significativo para que os possíveis clientes fiquem mais dispostos a comprar ou contratar seus produtos e serviços, e assim justificar o investimento realizado. Se a avaliação for positiva, a empresa faz o anúncio.

Já com os partidos políticos, a lógica é diferente.

Para começar, quem paga a conta da propaganda política são os supostos clientes. Neste caso, os pagadores de impostos. O custo das isenções fiscais às emissoras este ano será de R$1 bilhão.

Além disso, o tempo disponível para cada partido aparecer na TV ou no rádio não tem relação com o valor que as legendas estariam dispostas a investir, tal como funciona com as empresas. O tempo de TV e rádio é determinado pela soma total de deputados federais dos partidos que compõe a chapa.

É daí que surgem as coligações sem nenhum compromisso ideológico. Quanto mais partidos na chapa, mais tempo de TV e rádio. Pouco importa se há afinidade nos programas partidários. Em um sistema político disfuncional, com partidos sustentados por dinheiro público, não faltam “partidos de aluguel” dispostos a compor a chapa, criando essas distorções.

Partidos se unem em uma simbiose onde eles saem ganhando, e o eleitor perdendo. O cidadão paga a conta e, mesmo com tantos partidos, não se sente representado.

Felizmente, a sociedade cada vez mais se interessa por política e este tipo de propaganda vem perdendo influência. A eleição de 2018 deixou claro que mais tempo de TV e rádio não significa, necessariamente, mais votos. Temos outros meios de dar publicidade aos candidatos.

Mas o custo continua lá. Esta mudança de tendência não é suficiente para que ignoremos o problema de que, no fundo, isso é uma péssima alocação de recursos públicos. Precisamos mudar as regras do jogo para favorecer quem interessa: o brasileiro.

Associações, como partidos políticos, devem ser mantidas pelos seus filiados e doadores. E o partido deveria decidir a melhor maneira de investir os recursos recebidos de forma voluntária. Assim como o Fundo Eleitoral e Fundo Partidário, a propaganda “gratuita” da TV e rádio deve acabar.

É muito cara. E muito chata.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]