Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Aluno Hoje, Profissional e Cidadão de um Futuro Incerto
| Foto:
Ivolando Alexandre / Gazeta do Povo

Há poucas décadas o jovem que alcançava uma escolaridade equivalente ao atual ensino médio e fazia um curso de datilografia tinha uma alta probabilidade de conseguir um bom trabalho, no entanto, hoje a realidade é outra e nem mesmo um curso universitário traz a mesma garantia. Diante do aumento da velocidade das mudanças no mundo do trabalho e na sociedade como um todo, faz-se necessário questionar como será o profissional das próximas décadas e quais as responsabilidades das instituições de ensino na formação deles?

Vivemos uma época de profundas transformações impulsionadas pela globalização, crises econômicas, revolução tecnológica e pela crise socioambiental. Esses complexos fatores de mudanças, entre diversos outros, indicam que as próximas gerações não viverão em um contexto igual ao atual e que a velocidade das transformações será cada vez mais rápida. Diante desse cenário futuro de incertezas, marcado normalmente por previsões pessimistas, deixo uma reflexão ao leitor: quais serão os conhecimentos, habilidades e atitudes que um indivíduo precisará nas próximas décadas?

Talvez seja impossível prever o perfil do profissional do futuro, mas podemos ter algumas ideias do que será fundamental. Uma dessas habilidades será a capacidade de lidar com mudanças, de abandonar conceitos antigos, que foram válidos em outras épocas e encontrar novos paradigmas que respondam à realidade em que se vive. Para isso, torna-se necessário aprender a aprender, a ser criativo, a ser focado em resolver problemas e a encontrar junto às outras pessoas novas respostas. Tais características dependem menos de um repertório de informações e conhecimentos prontos do que do desenvolvimento de outras inteligências como a emocional e a interpessoal.

Diante da certeza que o futuro exigirá pessoas hábeis para lidar com novos problemas precisamos transformar o paradigma atual da educação, que prioriza a transmissão de informações e o desenvolvimento intelectual, para um sistema de ensino que promova o desenvolvimento integral do ser humano, também considerando seu potencial criativo, emocional, relacional e existencial. Desenvolver as múltiplas inteligências não apenas será um diferencial no mundo do trabalho, mas também beneficiará todas as áreas da vida do indivíduo e da sociedade.

>> Este artigo foi escrito por Luciano Diniz, coordenador da pós-graduação em Educação Integral da Associação Gente de Bem.

>> Quer saber mais sobre educação, mídia, cidadania e leitura? Acesse nosso site! Siga o Instituto GRPCOM também no twitter: @institutogrpcom.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]