i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Educação e Mídia

Foto de perfil de Educação e Mídia
Ver perfil
PENSAMENTO CRÍTICO

Educadores da mídia são os novos inimigos de governos totalitários

  • Por Educação e Mídia
  • 12/12/2019 09:59
Educadores da mídia são os novos inimigos de governos totalitários
| Foto:

A sociedade hoje vive um “paradoxo da informação”: quanto mais acesso temos, menos compreendemos. É uma situação muito parecida quando entramos em uma livraria, e olhamos as prateleiras pela primeira vez: muitos livros, mas ainda pouco conhecimento em nossas mentes. O arquiteto e comunicador norte-americano Richard Wurman chegou a dizer que a sensação de “virtualidade” que tinha quando entrava na Biblioteca do Congresso era a mesma de quando navegava na internet.

Há uma consequente desinformação, confusão generalizada, excesso de significantes e epidemia de notícias falsas. Os tempos atuais tornaram-se uma negação direta da crença de que ter ao alcance das mãos livros, internet e outras mídias seria suficiente para o desenvolvimento de uma sociedade culturalmente e socialmente igualitária.

Durante os anos de 1980 e 1990, muitos projetos governamentais, e também do terceiro setor, apostaram em equipar periferias, áreas pobres ou remotas, com computadores, tablets e acesso à internet - o tempo mostrou que esse foi um passo muito importante, mas longe de ser suficiente para a melhora da educação.

A atual falta generalizada de banda larga nas escolas públicas, por exemplo, intensifica a desigualdade na aprendizagem - assim como a falta de bibliotecas. Entretanto, há questões antigas e novas, pouco tencionadas, que não evoluíram mesmo em países em que o acesso é dado como resolvido, como na Europa: Como estimular a leitura? O que ler? Como se certificar de que a informação é correta? Como trilhar uma trilha de compreensão no meio de tanta informação imprecisa, falsa e excessiva? Como me fazer claro em minha expressão pessoal?

Não há sociedade democrática sem liberdade de expressão individual, artística e de imprensa. Mas também não é possível considerar uma nação realmente livre se não houver uma sociedade que compreende o que lê, e que saiba utilizar de maneira eficiente o direito à comunicação e livre expressão.

Esta coluna dedicou diversos textos durante o ano ao papel que a educação (formal ou não) têm com relação à mídia e, sobretudo, à compreensão do que se lê. Sublinhou a educação midiática como fundamental para o desenvolvimento de habilidades ligadas à leitura, análise, curadoria e produção de comunicação. Em outras palavras, os educadores que se relacionam bem com a mídia (não importa a área em que atuem) são guardiões do pensamento crítico de hoje e atores fundamentais nos processos democráticos.

Um sinal explícito com relação a essa importância se fez ouvir em setembro deste ano do outro lado do Atlântico. Quando o nigeriano Chido Onumah, ativista da educação midiática, voltava para Abuja após uma conferência sobre o tema, recebeu imediatamente voz de prisão no aeroporto da capital. Tornou-se um novo tipo de preso político: um ativista da “compreensão”. A prisão de Onumah tornou-se uma prova cabal da relevância política-estratégica da educação midiática.

Ou seja, na “nova ordem mundial midiática” não somente jornalistas e artistas são considerados ameaças a países pouco simpáticos à pluralidade de opiniões; quem trabalha pelo pensamento crítico pode tornar-se alvo preferencial deles.

*Texto escrito por Alexandre Le Voci Sayad. Jornalista e educador. Atualmente diretor da consultoria ZeitGeist e Co-chair mundial da GAPMIL, de educação para a mídia da UNESCO/ Paris. É membro do Conselho Consultivo do Programa Educamídia (Instituto Palavra Aberta e Google) e do Conselho Científico da Revista Comunicar (Universidade de Huelva, Espanha). É autor de livros, dentre eles "Idade Mídia - A Comunicação Reinventada na Escola" (Editora Aleph). Mais informações: alexandresayad.com

**Quer saber mais sobre educação, cidadania, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom, Twitter: @InstitutoGRPCOM e Instagram: instagram.com/institutogrpcom

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.