Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo| Foto:

Em sua reação à greve dos caminhoneiros, o governo foi além do sugestivo slogan “O Brasil voltou, 20 anos em 2”. Feitas as contas, o país retrocedeu 32 anos. Retornou aos tempos de Plano Cruzado, tabelamento de preços e “fiscais do Sarney”.

Michel Temer, que assumiu a Presidência com um programa chamado “Ponte para o futuro”, acredita ser capaz de controlar preços. Do mesmo jeito que José Sarney – outro vice do PMDB, outro recordista de impopularidade – acreditava lá em 1986.

Para encerrar a greve, Temer reduziu tributos e criou subsídios (olha o futuro aí!) para baixar o preço do diesel em 46 centavos nas refinarias. E garante que o desconto chegará, centavo por centavo, até a bomba, passando incólume por distribuidoras e postos, cada um com seus custos, margens e ambições. Por esse caminho, vale lembrar, passa ainda o frete, que agora também é fixado pelo governo – os caminhoneiros se queixavam de ganhar pouco num mercado saturado de caminhões e carente de demanda.

A crença de Temer no poder do tabelamento se reflete nas declarações de seu “ministério de notáveis”. “Não tenho dúvidas de que os 46 centavos serão repassados”, disse o secretário-executivo de Minas e Energia, Márcio Félix. O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, disse que o governo usará “todo o poder de polícia” para garantir o repasse.

Como assim “não tenho dúvidas”? Eles combinaram com as distribuidoras e os milhares de postos do país?

E esse “poder de polícia”? Passará por cima da Constituição, que define a livre iniciativa como fundamento da República e a livre concorrência, como princípio geral da atividade econômica?

A mesma Constituição lista a defesa do consumidor como princípio. E aí entram os Procons, que estão multando postos por preços considerados abusivos. Uma coisa, no entanto, é abusar no preço. Bem diferente é não reduzir o valor na bomba em exatamente 46 centavos.

Aliás, essa queda é em relação a quê? Ao último valor cobrado durante a greve, quando os postos que ainda tinham combustível jogaram o preço para as nuvens? Talvez nem o governo saiba.

Tem mais. As distribuidoras já estão dizendo que o desconto de 46 centavos ocorre antes da adição obrigatória de biodiesel. E que por isso a redução a ser passada adiante, após a mistura, é de no máximo 41 centavos. Representantes dos postos avisam ainda que, enquanto as bases de cálculo do ICMS nos estados não diminuírem (a exemplo do que já ocorreu em São Paulo, Paraná e Espírito Santo), também não há como garantir a queda toda nas bombas.

A formação do preço, como se vê, é muito mais complexa do que se supõe no Palácio do Planalto – que, pressionado pela base, agora pensa também em baratear à força a gasolina e o gás de cozinha.

De todo modo, caso Temer e seus notáveis venham mesmo a usar seu “poder de polícia”, os postos poderão recorrer à Justiça para garantir o direito de cobrar o que bem entenderem. Quer dizer: o sucesso do tabelamento dependerá, além das dificuldades já citadas, do tempo que o Judiciário vai levar para resolver sabe-se lá quantos novos processos.

Represar preços – à base de tabelas, dinheiro público ou prejuízos de estatais – não funcionou no Plano Cruzado. Nem no Bresser, no Collor ou no Collor 2. Nem no governo Dilma, para citar um exemplo bem recente. Experiências como essas mostram que o represamento, mesmo que funcione no início, sempre transborda em algum lugar. Mesmo assim, continuamos nos repetindo, na esperança de que em algum momento dê certo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]