i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Fernando Jasper

Foto de perfil de Fernando Jasper
Ver perfil

Governo dá ‘de graça’ dinheiro que pagaria dois anos de Saúde e Educação

  • PorFernando Jasper
  • 18/06/2018 15:58
Foto: Daniel Isaia/Agência Brasil
Foto: Daniel Isaia/Agência Brasil| Foto:

Emparedado pelos caminhoneiros, o governo Temer precisou rebolar para encontrar dinheiro que subsidiasse o diesel. Está rebolando para cumprir a meta fiscal deste ano. E o próximo ou a próxima presidente terão de fazer o mesmo.

Não há solução fácil para as contas públicas. Melhor dizendo, não há solução que não desagrade a algum grupo de interesse.

Veja o caso das renúncias fiscais. É imposto que o governo decidiu não cobrar para beneficiar este ou aquele setor, eleitor ou financiador de campanha. Uma montanha de dinheiro que a União deixa de arrecadar todo ano. E em geral prefere deixar por isso mesmo, para não irritar certos setores, eleitores e financiadores de campanha.

Há quem defenda que é melhor manter dinheiro nas mãos de empresas, entidades e pessoas físicas do que repassá-lo ao governo. A questão é que, quanto menor é a carga tributária dos escolhidos, maior acaba sendo a da maioria que não desfruta desse tipo de incentivo.

O Tribunal de Contas da União (TCU) e o próprio Tesouro Nacional já alertaram para as falhas nos programas de benefício tributário. Mais de 80% deles não têm data para acabar, o que significa que continuam existindo mesmo que não deem retorno que justifique a benesse. Metade não tem um órgão gestor. E, mesmo quando ele existe, em geral não avalia se o programa funciona bem ou se deve ser revisto ou mesmo extinto. Não há aprendizado.

Duas semanas atrás, o TCU aprovou um novo relatório sobre o tema, no qual constatou que as falhas apontadas anteriormente não foram corrigidas, e que Congresso e governo continuam concedendo desonerações sem demonstrar seus benefícios. Pelo jeito, é de interesse dos envolvidos que tudo permaneça como está.

Mesmo quando toma atitude, o governo o faz pelas razões erradas. Há pouco Michel Temer e companhia ‘reoneraram’ em parte a folha de pagamentos, desmontando benesses concedidas pelo governo Dilma, e mudaram as regras para grandes fabricantes de refrigerante, que terão menos créditos tributários (isso se o lobby que fazem em contrário não der frutos). Essas mudanças, no entanto, só ocorreram para compensar uma nova desoneração – a redução de impostos sobre o diesel.

O risco de novas concessões é grande. A greve dos caminhoneiros serviu para mostrar que o governo é ainda mais fraco do que se pensava e fará o necessário para agradar descontentes capazes de parar o país ou algo assim. Os afagos podem não vir na forma de mais desonerações, mas, por exemplo, com o perdão de antigas dívidas tributárias – como ocorreu com R$ 17 bilhões em contribuições à Previdência devidos por produtores rurais, representados por uma bancada ruralista que, no ano passado, ajudou Temer a se livrar de denúncias na Justiça.

Quanto custam as renúncias fiscais

No ano passado, as renúncias fiscais da União somaram R$ 276 bilhões, segundo estimativa da Receita Federal. Esse dinheiro cobriria quase toda a folha de pagamentos do funcionalismo federal (R$ 284 bilhões em 2017). Ou pouco mais de dois anos de despesas dos ministérios da Saúde e Educação (R$ 129 bilhões no ano passado, somados).

Neste ano, serão mais R$ 283 bilhões em desonerações. E seguiremos nessa toada, a julgar pelas estimativas que o Fisco anexou ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) do ano que vem. Conforme essas projeções, o governo federal abrirá mão de:

– R$ 303 bilhões em impostos em 2019, o equivalente a 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e 20,3% da arrecadação federal;

– R$ 325 bilhões em 2020 – 4% do PIB e 20,6% da arrecadação;

– R$ 342 bilhões em 2021 – 3,9% do PIB e 19,3% da arrecadação.

Quem vê tamanha generosidade pensa que o país está de boa com suas contas, o que não é o caso. A meta deste ano é de fechar com um déficit primário de R$ 159 bilhões. Se temos déficit primário, significa que estamos gastando mais do que arrecadamos antes de pagar os juros da dívida. E que estamos pegando dinheiro emprestado para cobrir as despesas primárias e também para pagar os credores, o que naturalmente faz a dívida crescer ainda mais rápido.

A última vez que sobrou dinheiro de imposto para pagar parte dos juros foi em 2013. Desde então, ninguém pode dizer que a dívida pública é a culpada de nossas mazelas, muito menos que metade da arrecadação de impostos é destinada aos credores. Desde 2014, estamos torrando tudo e mais um tanto antes mesmo de lidar com nosso endividamento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.