i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Fernando Jasper

Foto de perfil de Fernando Jasper
Ver perfil

O que seu candidato dirá sobre uma nova greve dos caminhoneiros?

  • PorFernando Jasper
  • 03/09/2018 15:30
Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo| Foto:

Pouco mais de três meses após os protestos que pararam o país, algumas entidades voltam a falar em greve de caminhoneiros. O que seu candidato a presidente dirá se os motoristas cruzarem os braços novamente? O que você espera que ele diga? E quanto você está disposto a pagar para atender aos pedidos da categoria?

Antes de falar sobre os presidenciáveis, vamos deixar claro que a maioria das lideranças que se pronunciaram até agora descarta a possibilidade de paralisação. Mas, como se sabe, são inúmeras as entidades que representam os caminhoneiros, e vários deles dizem não ser representados por nenhuma. Assim, um movimento que comece pequeno pode ganhar adesões rapidamente, a depender do tamanho da insatisfação.

SAIBA MAIS: O Brasil vai parar de novo? Entenda a crise dos caminhoneiros

E o que incomoda os motoristas? Basicamente as mesmas questões que levaram à greve de maio: o preço do diesel e a remuneração do frete. São dois problemas que o governo pensou ter resolvido à base de intervenções: criou um subsídio para controlar o preço do combustível e uma tabela para garantir valores mínimos para o frete. Em ambos os casos, distorceu o processo de formação de preços, passando sinais enganosos ao mercado, e repassou os custos a contribuintes, empresários, consumidores.

Como costuma ocorrer em intervenções, a solução durou pouco.

A disparada do dólar obrigou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a elevar em 13% o preço de referência do diesel, que é usado para calcular o subsídio. Assim, mesmo com o contribuinte pagando parte da conta, o combustível ficará tão caro quanto na época da greve. E tende a subir mais ainda, se o avanço da taxa de câmbio não der trégua.

LEIA TAMBÉM: Preço do diesel dispara 13% e vira problema para candidatos à Presidência

A tabela de fretes, por sua vez, nunca funcionou. Caminhoneiros culpam a falta de fiscalização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), mas é de se imaginar como o poder público conseguiria – substituindo a livre negociação entre contratantes e contratados – definir uma remuneração capaz de conciliar oferta, demanda, tipo de carga, condições das rodovias e gastos com combustível e manutenção, entre tantos outros fatores. Empresários alegam que a tabela fere a livre iniciativa e moveram ações que questionam sua constitucionalidade, pendentes de julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

Para os caminhoneiros, pouco importa o que o STF decidir. E tampouco a viabilidade, no longo prazo, de um combustível cada vez mais subsidiado. Eles querem uma solução para seu problema, seja qual for. E têm força para exigi-la: 87% da população apoiou a greve de maio, enquanto apenas 3% aprovam o governo.

Nesse embalo, boa parte dos presidenciáveis apoiou os caminhoneiros meses atrás, pondo a culpa em Michel Temer, no então presidente da Petrobras, nos impostos, no neoliberalismo. Mas era fácil. Aquela paralisação ocorreu ainda na chamada pré-campanha. Quem tinha de segurar o rojão era Temer, o impopular. Quantos pretendentes de fato se imaginaram na posição de administradores do país a partir de janeiro de 2019?

Agora é diferente. Temos candidatos devidamente registrados – à exceção do PT – e estamos a apenas um mês das eleições e a quatro da posse do novo governo. Quem se vê com chances reais de assumir a Presidência terá de pensar duas vezes.

Se os caminhoneiros tiverem novamente o apoio maciço da população e, portanto, do eleitorado, colocar-se claramente ao lado deles pode garantir votos a mais. E, ao mesmo tempo, contratar uma dor de cabeça para janeiro, porque quaisquer soluções mágicas encontradas a partir de agora vão necessariamente atrapalhar a vida do próximo governante.

Por outro lado, posições mais neutras ou mesmo contrárias aos grevistas, que defendam soluções de longo prazo, “de mercado”, economicamente liberais, poderão significar votos a menos. E uma eleição perdida. Um teste e tanto para os candidatos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.