i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Fernando Jasper

Foto de perfil de Fernando Jasper
Ver perfil

Quem manda no país: caminhoneiros ou empresários? (Temer é que não)

  • PorFernando Jasper
  • 08/06/2018 16:26
Foto: Carl de Souza/AFP
Foto: Carl de Souza/AFP| Foto:

Oficialmente o que está em disputa é a tabela de frete. Mas, na prática, caminhoneiros e empresários estão é decidindo quem manda no país. O governo, que já não manda em coisa alguma, alimenta o sonho de um meio-termo que agrade a todos.

Recapitulando:

1) Para pôr fim à greve, o governo editou, entre outras medidas, uma tabela com preços mínimos para o transporte de cargas. Era um velho pedido dos caminhoneiros autônomos, que estavam incomodados com os baixos valores do frete.

2) Os empresários chiaram porque, para atender aos transportadores, a tabela obviamente inflacionou o preço do serviço. Até então ele vinha refletindo o balanço entre oferta (há muito caminhão na praça) e demanda (que andava fraca, em linha com a tímida recuperação da atividade econômica). Incomodados com a alta dos custos, produtores rurais pararam de contratar cargas.

3) Preocupado com as ameaças de empresários, que prometiam levar a questão à Justiça, o governo voltou atrás e editou, na quinta (7), uma nova tabela, com preços 20% mais baixos, em média. Sentindo-se traídos, os caminhoneiros começaram a combinar pelo WhatsApp a retomada da greve a partir de segunda-feira (11).

4) Alarmado com a chance de mais uma paralisação, o governo revogou a nova tabela ainda na quinta, apenas quatro horas depois de publicá-la. A área técnica da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) está reunida com representantes de transportadores desde a manhã desta sexta (8), tentando construir uma novíssima tabela. A discussão pode se estender pelo fim de semana.

5) É claro que uma tabela combinada com os caminhoneiros não fará sorrir os empresários. Na dúvida, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) já avisou que entrará no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra o preço mínimo.

O presidente Michel Temer, que gosta de exibir seu apreço pela Constituição, sabe que tabelar preços – ou exigir que os postos cobrem este ou aquele valor pelos combustíveis – fere princípios constitucionais como a livre iniciativa e a livre concorrência. Talvez agora Temer esteja sabendo que, para além de contrariar a Constituição, tabelar preços é criar confusão.

Nesta sexta, pela primeira vez, um integrante do governo admitiu que o preço mínimo do frete pode não resolver coisa alguma. “Está se chegando à conclusão de que tabela talvez não seja a melhor opção”, disse o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, à Rádio Bandeirantes.

Só falta convencer os caminhoneiros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.