i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Fernando Martins

Foto de perfil de Fernando Martins
Ver perfil
Análise

Esquerda ou direita: de quem será o futuro no mundo hipertecnológico

  • Fernando MartinsPor Fernando Martins
  • 13/09/2019 16:18
Esquerda ou direita: de quem será o futuro no mundo hipertecnológico
| Foto: Ilustração: Felipe Lima

Previsões sobre o que vai acontecer na política e na vida em sociedade não costumam ser precisas. O comportamento humano, afinal, não é uma ciência exata. Muito pelo contrário. Mas, ainda que fatos sociais específicos não possam ser antecipados sem uma enorme dose de incerteza, grandes tendências são mais fáceis de mapear com possibilidade de acerto. E podem ser analisadas como exercício de antecipação do que pode vir a acontecer. Nesse sentido, ao menos num dos cenários possíveis (o mundo hipertecnológico), dá para especular: o futuro nas democracias tende a ser da esquerda. Mas os regimes democráticos, como sempre, vão continuar a correr riscos. Grandes riscos.

O cenário em que a esquerda democrática tende a ser hegemônica será quando (e se) a tecnologia e a inteligência artificial tirarem empregos humanos sem criar novas atividades profissionais que venham a ser executadas por homens e mulheres.

Da Revolução Industrial até agora, as novas tecnologias não aumentaram o desemprego e a pobreza de forma global. Na verdade, deu-se o oposto. As máquinas aumentaram a produtividade e baixaram os preços de produtos e serviços, o que ampliou a riqueza de forma nunca antes vista. Embora os aparatos tecnológicos tenham acabado com algumas profissões, criaram outras – muitas delas mais qualificadas e bem-remuneradas. Alguém precisa ser contratado para operá-los, consertá-los e programá-los. O Uber, apenas para ficar num exemplo cotidiano, vem acabando com a profissão de taxista. Mas permitiu que muitas outras pessoas trabalhassem na atividade. E tornou o serviço mais barato para os usuários.

Mas analistas especulam que a crescente automação e a inteligência artificial têm potencial para reverter essa realidade em algumas décadas. Cada vez mais máquinas não irão ser operadas por humanos. Também vão consertar outras máquinas, construí-las e projetar novos modelos mais eficientes e inteligentes. Nesse cenário, haveria uma tendência ao aumento expressivo do desemprego e de concentração de renda nas mãos das empresas detentoras das novas tecnologias.

E não se trata de ficção científica. O Uber efetivamente planeja “dispensar” seus motoristas parceiros adotando carros autônomos. Os bancos serão cada vez mais digitais, sem agências físicas e com muito menos funcionários. O comércio eletrônico e os serviços de entrega em domicílio podem provocar a redução significativa do número de estabelecimentos comerciais como lojas, supermercados, restaurantes. E talvez nem mesmo haja entregadores para empregar; esse trabalho poderá vir a ser automatizado (a Amazon já testa um sistema de delivery com drones).

O campo tampouco vai escapar: há quem diga que fábricas de carnes, produzidas a partir do cultivo de células-tronco, serão realidade dentro de uma década. E nem mesmo uma das indústrias mais “criativas”, o cinema, passará ileso. O realismo de animações como a nova versão do Rei Leão mostra que é possível fazer filmes sem atores.

Tudo isso terá impacto na política. Se o cenário de um mundo com cada vez menos emprego se confirmar, haverá um fortalecimento do discurso clássico da esquerda: é preciso redistribuir a riqueza e garantir uma renda mínima a todos os cidadãos para que possam viver com dignidade. Nos regimes democráticos, haverá uma pressão popular por um modelo de Estado de bem-estar social provedor e generoso com os cidadãos – que seria financiado pelos ganhos de produtividade obtidos com as novas tecnologias.

Sob essas circunstâncias, a direita terá mais dificuldade para conquistar eleitores. A agenda da não intervenção estatal na economia e do mercado desregulamentado será antipática para uma ampla parcela da população.

Mas isso não é necessariamente a crônica da morte anunciada da direita. É possível construir uma argumentação que defenda o trabalhador nesse cenário a partir dos fundamentos conceituais do liberalismo, uma das principais correntes que representa esse espectro ideológico.

Filosoficamente, o liberalismo se assenta tanto na liberdade quanto na igualdade humana – embora esse último princípio esteja mais associado à esquerda. A base do pensamento liberal é que os homens nascem e devem ser igualmente livres. Há uma clara relação desse conceito com sua concepção de mercado: a livre competição tem de ocorrer segundo as mesmas regras (igualdade de largada) para todos. É isso que “autoriza” o Estado a quebrar monopólios e oligopólios. Ou seja, governos podem intervir na economia para garantir a livre concorrência.

Teoricamente, esses princípios podem ser aplicados num mercado em que as máquinas e a inteligência artificial substituam a mão de obra humana de forma ampla. Afinal, nesse futuro não haverá minimamente qualquer traço de igualdade de largada entre um robô e um trabalhador.

Mas o problema é que, até hoje, a direita segue na direção oposta. Um discurso que possa contrariar isso tem grande chance de soar falso, a não ser que seja construído com antecedência.

Há ainda outro cenário possível no futuro hipertecnológico: o de que a democracia vai correr sérios riscos. Desemprego em massa produz insatisfação. Quanto menos trabalho houver, maior será a revolta social. Esse é um dos ingredientes para a descrença nos regimes democráticos e, consequentemente, para que o autoritarismo se apresente como solução ou se imponha como reação.

Os regimes de força podem se instalar corroendo as democracias por dentro, através de governantes eleitos que, manipulando a insatisfação popular, se transformam em ditadores. Ou da forma mais tradicional, por golpes ou revoluções. No primeiro caso, a tendência é de que o autoritarismo seja de esquerda. No segundo, além da esquerda, também é possível que haja uma autocracia de direita. Nesse caso, como reação para manter o status quo.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    LEANDRO DE OLIVEIRA

    ± 0 minutos

    As pessoas têm de parar de se rotular de esquerda ou direita e fazerem o que é preciso para prover um mundo mais justo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mário

    ± 36 minutos

    Continuar raciocinando em torno da direita ou esquerda é perda de tempo. Em um futuro bem próximo estaremos atingindo esta era da supertecnologia. Se olharmos ao nosso redor o que domina na totalidade são os smartphones e tudo mais vem atrás dele. Com certeza lojas físicas não existirão mais assim como instituições bancárias. Nestas horas é que quem viveu em épocas passadas e hoje convive no dia a dia da internet vão ver que somos felizes por ter visto os dois extremos da tecnologia. Para os jovens de hoje vão restar a nostalgia de um dia ter vivido aqui na terra e estarem indo para a lua a pé...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Argenta

    ± 57 minutos

    O artigo é interessante, mas não é real, onde a esquerda domina, não se observa uma distribuição por igual da renda. A tecnologia vai deixar a renda ainda mais concentrada na mão de poucos e irão implantar uma ditadura. Já foram lançados muitos filmes futuristas sobre isso. Espero que eu esteja enganado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Cipriano Dos Santos

    ± 5 horas

    Muito lúcido o artigo, aliás, algo difícil de se ver hoje em dia. Os velhos dogmas ideológicos do passado precisam ser atualizados ao cenário tecnológico que vivemos, e não me parece que, nem esquerda, nem direita, consigam trabalhar sem grandes inquietações sob sua velha doutrina.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Plinio Jacob Figueiredo

    ± 5 horas

    Se houver uma predominância da esquerda, morte, fome, ignorância, totalitarismo prevalecerá...a esquerda, nos moldes atuais, só predomina com esses "atributos", pois só se instala e se mantém em mundo de escassez, necessidade, pobreza, fome, e procurará ampliar ou manter seus eleitores...; caso a direita prevaleça, poderemos ter um mundo de paz, crescimento, prosperidade, que é o eleitor principal da direita quer, não é? Simplesmente isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Decio mango

    ± 5 horas

    A hipertcnologia de esquerda e a foice e o martelo...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.