i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

História

As fronteiras da Polônia e os 80 anos da Segunda Guerra Mundial

  • Por Filipe Figueiredo
  • 03/09/2019 08:39
Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier e o presidente polonês Andrzej Duda acendem velas em um memorial como parte das comemorações dos 80 anos desde o início da Segunda Guerra Mundial, em 1º de setembro, em Wielun, Polônia
Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier e o presidente polonês Andrzej Duda acendem velas em um memorial como parte das comemorações dos 80 anos desde o início da Segunda Guerra Mundial, em 1º de setembro, em Wielun, Polônia| Foto: Krzysztof SITKOWSKI/POOL/AFP

“Essa guerra foi um crime alemão”. Com essas palavras, o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, abriu um pedido de desculpas, em nome de seu país, na Polônia. O chefe de Estado alemão participou de uma série de eventos em memória dos oitenta anos do dia Primeiro de Setembro de 1939, o início da guerra mais letal da humanidade. Os eventos foram em Varsóvia, a capital, e em Wielun e em Gdansk, as cidades onde as hostilidades começaram. A oportunidade é interessante para compreendermos mais alguns desses eventos, que influenciam o mundo de 2019 muito mais do que pensamos.

É importante a palavra “compreender”. Isso implica não numa aceitação, numa aprovação, mas no entendimento das razões, das origens e dos eventos, justamente para que não se repitam. E, para evitar essa repetição de erros, é necessário ir além da superfície, dos chavões e do que foi criado posteriormente. É imergir na mentalidade das pessoas no último dia de Agosto de 1939. Uma dessas questões é a falta de fronteiras naturais históricas da nação polonesa. Os poloneses possuem uma identidade nacional de mais de mil e quinhentos de rica História, em uma trajetória bastante atribulada.

Fronteiras naturais

Quando o leitor pensa na França, por exemplo, é fácil delimitar seus limites. O rio Reno à leste, os Pirineus ao sul, os Alpes no sudeste, aproximadamente. O que está dentro desses limites, em um longo e violento processo histórico, se configurou no que conhecemos como França hoje. Rios, montanhas, florestas, diversos acidentes geográficos servem de fronteira no mundo inteiro. Não no caso polonês. A própria origem do nome está na palavra eslávica para “planície”. Isso quer dizer que, por séculos, não existiam fronteiras naturais entre poloneses e seus vizinhos.

Isso implica que, em momentos de declínio do poderio militar polonês, seu território era alvo fácil de invasões. Os poloneses são, em geral, eslavos e católicos. Ao sul estavam seus vizinhos austríacos, germânicos católicos. No leste, os russos, também eslavos, mas ortodoxos. No oeste, germânicos que eram católicos na chamada Idade Média e progressivamente adotaram o protestantismo nos séculos XVI e XVII. O enunciado de características étnicas e religiosas é para lembrar que, por séculos, na Polônia e nos Estados Bálticos, que esses mundos se cruzaram.

Guerras religiosas, conversões pela força, dinastias com variadas lealdades. Tudo isso fez parte da região por séculos. As cruzadas não foram apenas contra muçulmanos em Jerusalém, mas também no norte. A pouco conhecida Cruzada da Lituânia compreendeu mais de duzentos anos de combates entre católicos de um lado e “pagãos” e ortodoxos do outro. Para resumir séculos de História, a consolidação de potências vizinhas da Polônia levou às chamadas Partições da Polônia. Áustria, Rússia e Prússia fizeram o que o nome implica: retalharam a Polônia em diferentes pedaços para cada um dos impérios.

Por mais de cem anos, do final do século XVIII até 1918, não existiu uma Polônia independente. Revoltas locais foram esmagadas, como em 1848, na Primeira dos Povos, para protestos do Papa. Os poloneses foram usados como combatentes em variadas agendas políticas, como por Napoleão, que criou o satélite Ducado de Varsóvia. Na Primeira Guerra Mundial, cerca de dois milhões de poloneses lutaram em exércitos opostos. A principal tropa polonesa combateu pelos exércitos austro-húngaros, com o objetivo de derrotar a Rússia do Czar e recriar seu país.

Terras com dois nomes

O líder essa legião era Józef Piłsudski, militar considerado o pai da Polônia moderna e teórico de geopolítica, além de virtual ditador de seu país por uma década. O Estado polonês foi restaurado do mundo pós-Primeira Guerra Mundial, com territórios perdidos pela Alemanha em Versalhes e territórios conquistados na guerra Polonesa-soviética de 1919, simultânea à guerra civil russa entre czaristas e bolcheviques. Ainda assim, o problema da ausência de fronteiras naturais permanecia na Polônia do entreguerras. Agora, agravado com o fato do ressentimento de uma Alemanha derrotada logo ao lado.

Essa tensão fronteiriça era agravada pela “solução” adotada em Versalhes. Para manter a Prússia histórica com os alemães e, ao mesmo tempo, possibilitar acesso marítimo ao novo Estado polonês, foi criado o infame Corredor Polonês. Uma faixa de território em que a maioria da população era alemã, sob governo polonês, culminando em um importante porto que foi declarado uma “Cidade Livre”. Uma receita para tensão. Não à toa a expressão “corredor polonês” foi usada para nomear uma “brincadeira” em que alguém sofre trotes ao passar por uma fileira de pessoas.

No entreguerras, cerca de um milhão de alemães abandonaram ou foram expulsos da região do corredor. O governo polonês realizou políticas de colonização da região. Um território que os poloneses diziam ser historicamente seus, enquanto alemães diziam o mesmo, sob a ótica prussiana. Diversos lugares da região possuem dois nomes, um alemão e um polonês. A cidade de nascimento de Manfred von Richthofen, o famoso Barão Vermelho, se chamava Breslau em 1892, quando de seu nascimento; agora se chamava Wrocław. O importante porto era Danzig para os alemães; a Gdansk dos poloneses.

A invasão da Alemanha nazista era vista pelos nacionalistas de então como uma mera retomada do que “era seu”. Um novo round de uma disputa de centenas de anos. Inclusive, uma continuação do round anterior. Os primeiros disparos da Segunda Guerra Mundial não foram realizados por um novo e moderno equipamento militar, não foram no contexto da nascente guerra relâmpago, a blitzkrieg. Foram realizados pelo velho encouraçado Schleswig-Holstein, lançado ao mar em 1906, remanescente da Marinha Imperial da guerra mundial anterior, que “retornava” ao porto de Danzig.

Os anos que se seguiram foram de violência, destruição e o extermínio sistemático de determinados grupos de pessoas, como judeus e povos roma. A parte ocidental polonesa, antiga posse prussiana, foi anexada diretamente ao III Reich; o restante do país foi organizado no Governo Geral, uma dominação imperial do território. Parte considerável da população polonesa do Governo Geral foi reduzida à escravidão no esforço de guerra alemão. Tudo isso é inegável e extremamente documentado. Negar o Holocausto em 2019 é de extrema desonestidade intelectual.

Uma nova partição da Polônia

O ponto aqui é entender um tensão que durava séculos, uma disputa por territórios que duas nações enxergam como seu, e exclusivamente seu. Algo que motivou o apoio de milhões de pessoas à uma guerra destrutiva, e baseou a solidariedade de outros milhões de pessoas. O mesmo sentimento que baseou um pacto até hoje debatido. No dia 17 de Setembro de 1939, após a queda do governo soberano polonês, tropas soviéticas invadiram a Polônia e os três Estados Bálticos. A invasão pela fronteira oriental tornou os esforços de resistência poloneses em um mero adiar do inevitável, acelerando a rendição do país.

A racionalização do pacto, entretanto, possui mais relação com as partições do século XVIII do que com um pacto ideológico entre os governos de Hitler e de Stálin; superficialização movida por emoção que têm se tornado comum. Os soviéticos pretendiam retomar os territórios perdidos ou cedidos no esfacelamento do antigo império czarista. Além disso, no mês anterior colapsaram as conversas entre França, Reino Unido e URSS para uma aliança defensiva contra uma eventual agressão alemã. Essa negativa foi decisiva para que o governo de Stálin aceitasse a oferta alemã de acordo.

O principal encontro ocorreu em Doze de Agosto de 1939, em Moscou, entre o almirante britânico Sir Reginald Drax, o general francês Aimé Doumenc e o comissário soviético da defesa, Kliment Voroshilov. O governo britânico protelou as conversas, influenciado pelas alas de seu governo que acreditavam que o alvo alemão seria justamente os soviéticos, o principal alvo ideológico do nazismo. No dia 23 do mesmo mês, a delegação alemã pousou em Moscou. O governo de Stálin sabia que não podia se comprometer com um conflito em larga escala naquele momento, e necessitava de alguma garantia, de algum lado.

Novas fronteiras

Essa é uma abordagem resumida, já que as relações militares entre soviéticos e alemães vinha desde o início dos anos 1920, com Weimar, já que ambos os países eram excluídos do sistema internacional estabelecido em Versalhes. Hoje, os territórios então poloneses que foram ocupados pelo Exército Vermelho são parte da Lituânia, da Belarus e da Ucrânia. A cidade ucraniana de Lviv é, para os poloneses, Lwów. Para os alemães, Lemberg. Para os nacionalistas poloneses mais radicais, que possuem voz no governo atual, a partição da Polônia ainda não foi remediada.

A questão das fronteiras naturais foi remediada ao final da Segunda Guerra Mundial, primeiro propostas na conferência de Ialta e ratificadas em Potsdam. Agora, a separação entre Alemanha e Polônia está na linha Oder-Neisse, nomes de dois rios que agora servem de fronteira natural. Mais de 20% do território alemão do pré-Segunda Guerra foi anexado pela Polônia, com a exceção do enclave de Kaliningrado, a antiga Königsberg, histórica capital prussiana, ainda hoje posse russa. Cerca de dez milhões de alemães que ali habitavam se tornaram refugiados.

No leste, a fronteira polonesa é a linha Curzon, proposta pelo secretário de relações exteriores britânico George Curzon, em 1919, como fronteira original polonesa, antes da guerra com os bolcheviques. Milhões de ucranianos e russos foram expulsos da Polônia do entreguerras, assim como milhões de poloneses foram expulsos de repúblicas soviéticas após 1945. Hoje, cerca de 6% da população lituana é etnicamente polonesa, assim como 2% da população alemã e 3% da população de Belarus. Na Polônia, cerca de 1% da população possui origem alemã, com minorias de bielorrussos e ucranianos.

Esses números são importantes pois, embora seja fácil abstrair e falar de linhas no mapa como mera divisão burocrática, no fundo, trata-se de pessoas. Milhões que tiveram suas vidas afetadas, até destruídas. Uma disputa que durou gerações e uma série de conflitos, mais ou menos conhecidos. Cidades com nomes e importâncias culturais diferentes, mas não menos importantes. Fronteiras que finalmente foram estabilizadas. A Alemanha e seu povo, via seu presidente, sabem o preço que aquelas tentações autoritárias e nacionalistas impuseram. Uma lição que não pode ser deixada de lado.

30 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 30 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • P

    Pedro tenvia

    ± 26 dias

    A história do massacre polonês ainda não começou a ser contada de verdade, a versão oficial sempre foi que Hitler invadiu a Polônia, quanto a isto não resta dúvidas, mas o que sempre se jogou debaixo do tapete, foi que Stalin, também invadiu a mesma Polônia, pelo lado Leste, menos de duas semanas depois da invasão nazista, e pasmem contra a Russia, a França e Inglaterra não declararam guerra, portanto, não é de se estranhar os motivos pelos quais os poloneses e Ucranianos, consideram o comunismo tão genocida quanto o nazismo, só os nossos intelectuais que não acreditam nisto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      Claudio

      ± 26 dias

      O massacre de Katyn é um dos exemplos, somente reconhecido pela Rússia nos anos 90 como de sua responsabilidade; até então contabilizado aos alemães, como tantos outros de autoria duvidosa.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    A linha Curzon foi uma alteração feita pelo auxiliar do ministro Curzon, Lewis Namier , a Polônia nunca expulsou milhões de ucranianos ou russos e nem poderia no entreguerras habitavam no país apenas 150 000 russos e os 5 000 000 de ucranianos possuíam cidadania polonesa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    "A questão das fronteiras naturais foi remediada ao final da Segunda Guerra Mundial, primeiro propostas na conferência de Ialta e ratificadas em Potsdam...”As fronteiras da Polônia foram uma imposição soviética (russa) decididas em Teerã (1943) vide as memorias de Sir Winston Churchill, os poloneses aceitaram as fronteiras porque estavam estraçalhados e abandonados politicamente-militarmente, se o governo polonês fosse consultado nunca as fronteiras seriam como é hoje, se manteria as fronteiras do entreguerras que eram as mais próximas do século XVIII.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    ... Para os nacionalistas poloneses mais radicais, que possuem voz no governo atual, a partição da Polônia ainda não foi remediada." O governo polonês nunca pensou em mudar as fronteiras impostas pela URSS, restabelecer as antigas fronteiras é um absurdo histórico e político. O que os nacionalistas poloneses querem é que a Ucrânia respeite a cultura polonesa em seu território, a maioria das construções históricas na Ucrânia foram feitas pelos poloneses queira os “bandeiristas” ou não, como as construções germânicas nas terras recuperadas são preservadas. MASSACRE DA VOLHYNIA onde milhares de poloneses foram assassinados pelos nacionalistas ucranianos entre 1943-1944.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    ..."No dia 17 de Setembro de 1939...”O Governo Polonês não caiu em 17 de setembro, aqui vemos um erro grosseiro de um fato ou uma clara parcialidade histórica. As tropas soviéticas invadiram nesse dia apenas a Polônia (parte do seu butim do Pacto Ribbentrop-Molotov) e os países Bálticos foram absorvidos durante o ano de 1940. Não esquecendo que mais 24 000 oficiais poloneses foram capturados pelos soviéticos e assassinados entre 1940-1941 (MASSACRE DE KATYN).

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. Segue a página do Era da Catástrofe mostrando que o dia 17 de Setembro de 1939 é o dia de fuga do governo polonês e o decreto de proclamar um governo no Exílio. Não há erro algum e os olhos emotivos não são os meus: https://books.google.com.br/books?id=0RuDCgAAQBAJ&pg=PA676&lpg=PA676&dq=polish+government+exile+17+september+1939++Ignacy+Mo%C5%9Bcicki&source=bl&ots=7neTGIhiYG&sig=ACfU3U0J_z7cig68umzw0cCNHT_g95N8vA&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwjD1fyejLnkAhW_IbkGHTomDHAQ6AEwB3oECAkQAQ#v=onepage&q=polish%20government%20exile%2017%20september%201939%20%20Ignacy%20Mo%C5%9Bcicki&f=false. Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    "Os anos que se seguiram foram de violência, destruição e o extermínio sistemático de determinados grupos de pessoas, como judeus e povos roma... Negar o Holocausto em 2019 é de extrema desonestidade intelectual." Concordo totalmente que negar o holocausto é desonestidade intelectual, como descrever fatos históricos a partir de um lado é muita desonestidade, os poloneses foram exterminados de várias formas, fuzilamento, campos de trabalho, escravidão, germanização forçada e deslocamento e expulsão dos territórios ancestrais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. Concordo que olhar de forma passional por apenas uma perspectiva é um problema. Infelizmente, ainda mais comum quando se trata da perspectiva do próprio sobrenome. Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    "No entreguerras, cerca de um milhão de alemães abandonaram ou foram expulsos da região do corredor.... Da mesma maneira mais 350 000 poloneses foram expulsos da Alemanha no entreguerras e só não expulsaram mais porque os poloneses habitam regiões compactas na Silésia , Prússia e no Vale do Rhur . Quanto aos nomes gostaria que você estudasse mais ou consultasse um linguista alemão e aprenderia que Danzig e Breslau são nomes eslavos germanizados, mas não vai ne´!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. A germanização dos nomes é justamente o meu ponto no texto, algo que talvez tenha escapado aos seus olhos mais emotivos. Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    ...foi criado o infame Corredor Polonês. Uma faixa de território em que a maioria da população era alemã, sob governo polonês, culminando em um importante porto que foi declarado uma “Cidade Livre”" Como infame Corredor Polonês??? A Polônia apenas estava recuperando o que o invasor prussiano-alemão lhe tinha roubado entre os anos de 1772 – 1793 -1795. Nesse momento habitava na região uma grande minoria alemã colocada ali após a Unificação alemã (1871) pelo nacionalista –imperialista BISMARCK através da “**ltur Kampf” (política estatal alemã contra os católicos e poloneses, como ele afirmava: Eu me compadeço dos poloneses, mas açoitai-os e expulsai-os para nossa nobre raça dominar!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    "Por mais de cem anos, do final do século XVIII até 1918, não existiu uma Polônia independente. Revoltas locais foram esmagadas, como em 1848, na Primeira dos Povos, para protestos do Papa. As maiores revoltas contra a Rússia foram a de 1831 e a de 1863, a revolta de 1848 ficou apenas na parte alemã da Posnânia (região central da Polônia ocupada pelos invasores alemães-prussianos).

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. O uso da palavra "como" mostra que foi apenas um exemplo, não o único caso, ou principal caso. Talvez no exagero de sua leitura você comece a cair em um certo preciosismo, não? Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    "Isso implica que, em momentos de declínio do poderio militar polonês, seu território era alvo fácil de invasões... O declínio polonês começou ocorrer durante o final do século XVII e mais precisamente após o DILÙVIO (POTOP) quando sucessivas guerras externas e internas enfraqueceram a República Nobiliárquica polaca (levante dos cos****s, invasões suecas e turcas e uma cansativa guerra com a Moscóvia), a tal facilidade nunca ocorreu, quando o inimigo era único, por isso sempre os inimigos se uniram contra a Polônia, sozinhos nenhum inimigo derrotaria a República das Duas Nações (Polônia e Lituânia)!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. Havia essa união de inimigos justamente pela facilidade de invasão do território, nada que anule o que escrevi. Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    "A própria origem do nome está na palavra eslávica para “planície”. Isso quer dizer que, por séculos, não existiam fronteiras naturais entre poloneses e seus vizinhos." O nome Polônia significa campo, então os campos começam na região do rio ODRA (fronteira com a Alemanha e adentra nas terras dos rios Bug e Niemen (fronteiras com a Ucrânia e Belarus e Lituânia ), ao Norte o litoral do Mar Báltico e ao Sul as cadeias montanhosas dos Sudetos e os Tatry / Cárpatos .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. Segue o link do Ministério da Cultura polonês afirmando que nome significa, também, planície: https://culture.pl/en/article/the-many-different-names-of-poland Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    ...Uma dessas questões é a falta de fronteiras naturais históricas da nação polonesa. Os poloneses possuem uma identidade nacional de mais de mil e quinhentos de rica História, em uma trajetória bastante atribulada." Que absurdo, as fronteiras naturais históricas polonesa existiam e foram destruídas através da partilha da Polônia durante o século XVIII (1772, 1793 e 1795), outra coisa a história polonesa como Estado se originou em 960 com a cristianização e batismo do duque Mieszko/ Dagomir para a igreja Católica Romana (960-2019 = 1059 anos, antes disso a Polônia era um amontoados de uniões tribais eslavas)!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mauricio, é o Filipe. Não confunda início como Estado com a identidade nacional e cultural dos poloneses; no caso, as tribos polonesas eslavas. Um abraço

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ANDERSON FERNANDO DA SILVA

    ± 26 dias

    Bom texto! Matou minha dúvida sobre a origem do termo "corredor polonês"!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 26 dias

    UM TEXTO CONFUSO E ANTI-POLACO, CHEIO DE IMPRECISÕES HISTÓRICAS DEVE SEGUIR S.CASTAN O HISTORIADOR DO REVISIONISMO. MESMO BLÁ-BLÁ DE SEMPRE PRÓ ALEMANHA E PRÓ-RÚSSIA .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Romano Berejuk

    ± 26 dias

    Muito bom artigo, parabéns!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Claudio

    ± 26 dias

    Um resumo equilibrado e sem "adjetivos clichês" dos 80 anos. Hoje a área da Polônia é praticamente área da Alemanha, com a metade da população alemã. Mas essa história ainda não acabou dentro dessas fronteiras físicas e culturais. As ambições nacionalistas continuam lá, em Varsóvia, como estavam no período entre 1919 e 1939...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MARIO MARCIO ARCHEGAS FERREIRa

    ± 26 dias

    Interessante, é um bom tema, faltou comentar que o antigo estado denominado Prússia teve seu território absorvido pela Polônia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • ± 25 dias

      Olá Mário, é o Filipe. Eu citei sim, embora não tenha especificado, no antepenúltimo parágrafo. Um abraço e obrigado pela leitura.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • C

      Claudio

      ± 26 dias

      Realmente, uma parte foi incorporada a Polonia; a outra, foi anexada pela Russia, formando o enclave de Kaliningrado, em troca de territórios russos cedidos à Polónia. Ou seja, a barganha foi feita com territórios que eram do Império Alemão antes da WWI.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Lucas Rocha

    ± 26 dias

    Que aula! Parabéns!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LUIS HENRIQUE GROFF

    ± 26 dias

    Muito bom! Continue!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    jonny liebl

    ± 26 dias

    Tema este extremamente complexo; encerrado? Duvido.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.