i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

Eleições na Irlanda

O Brexit ainda não acabou para os irlandeses

  • Por Filipe Figueiredo
  • 07/02/2020 09:34
eleições irlanda
Cartazes de candidatos são vistos nas ruas de Dublin, na Irlanda| Foto: Ben STANSALL/AFP

Nas últimas semanas o acordo para o Brexit foi aprovado na Câmara dos Comuns e no Parlamento Europeu, resultou em festa de Boris Johnson e nas primeiras declarações sobre um acordo comercial entre o Reino Unido e a União Europeia. Parece que é algo já resolvido, que ficou para trás, mas esse pensamento está longe da verdade. Algumas questões ainda perduram e os impactos do acordo, tanto positivos quanto negativos, poderão ser medidos. Um desses legados, talvez o principal deles, envolve a ilha da Irlanda e seu delicado equilíbrio político.

A questão já foi abordada aqui nesse espaço antes. Em suma, a ilha da Irlanda é dividida entre a Irlanda do Norte, um dos reinos do Reino Unido, que saiu da União Europeia, e a República da Irlanda, país integrante da UE. Desde o Acordo da Sexta-feira Santa, de 1998, não existe uma fronteira rígida dentro da ilha, o que ficou em risco com o Brexit. O acordo do Brexit criou um mecanismo para evitar que o fluxo livre de pessoas e de bens seja impedido, na prática transferindo a fiscalização aduaneira para o Mar da Irlanda, em caso de comércio entre a Irlanda e a ilha da Grã-Bretanha.

A Irlanda do Norte terá possibilidades de revisar, e até mesmo sair, desse arranjo. Na República da Irlanda o tema também mobilizou muitas pessoas, levando ao aumento do sentimento pela reunificação da ilha da Irlanda em uma só república. Na república o apoio sempre foi grande e hoje está na casa de dois terços do público. Além disso, pela primeira vez nos últimos cem anos, a maioria da população norte-irlandesa apoia uma reunificação. Segundo uma pesquisa encomendada pelo político conservador Lord Ashcroft e repercutida no jornal Irish Times, 51% dos norte-irlandeses apoiam a reunificação no lugar do Brexit.

Reunificação é desejo de todos 

As pautas Brexit e reunificação estão no cerne do atual debate político irlandês, que realizará eleições no próximo sábado, dia Oito de Fevereiro. O parlamento foi dissolvido em Janeiro, após moções de desconfiança contra integrantes do gabinete de Leo Varadkar, o primeiro-ministro, chamado na Irlanda de Taoiseach; já a câmara baixa é chamada de Dáil Éireann e terá 159 assentos em jogo. No total são 160, mas o presidente da casa, que deve agir de maneira apartidária, é reeleito automaticamente enquanto tiver o apoio de seus pares. Mesmo antes da dissolução o governo já estava em situação delicada.

Varadkar governava com minoria, numa coalizão informal do seu partido Fine Gael com parlamentares independentes e o Fianna Fáil, que não integrava o governo, apenas se comprometia em não votar em uma eventual moção de desconfiança. Em outros anos, a posição dos partidos e dos políticos sobre a reunificação irlandesa seria uma das várias pautas, talvez sequer recebesse tanta atenção fora das campanhas mais ativamente engajadas nesse objetivo. Não é o caso da atual eleição, no que se torna um ótimo exemplo de como o debate eleitoral muda de acordo com as circunstâncias.

Os conceitos e pautas de direita e de esquerda não são monolíticos, tampouco estáticos no tempo ou no lugar. Na Irlanda, a reunificação é uma pauta que está presente em todos os partidos, da esquerda e da direita. O que varia é a intensidade, por assim dizer. O principal partido da esquerda é o Sinn Féin; outros na esquerda são o Solidariedade e os verdes. Todos apoiam a reunificação e que as medidas para sua eventual realização devem ser iniciadas já pelo próximo governo. Opções como referendos e criação de instituições conjuntas.

O Sinn Féin divulgou em seu manifesto eleitoral que irá, caso vença o pleito, estabelecer um comitê parlamentar voltado exclusivamente para a reunificação; a criação de um fórum entre os dois governos irlandeses para a reunificação; a publicação de um “Livro Branco” com parâmetros objetivos para a reunificação e, finalmente, a realização de um referendo sobre o tema até 2025. Na direita os principais partidos são o Aontú e o Irish Freedom Party; a criação do Aontú (“Unidade”) teve ligação direta com o recente referendo para legalização do aborto de gestação.

Os dois partidos possuem pautas tão ambiciosas e diretas sobre a reunificação quanto o Sinn Féin. Em qualquer outra circunstância e pauta eles são a nêmesis um do outro, especialmente pelo fato do Sinn Féin ser profundamente associado ao IRA, o antigo grupo de esquerda paramilitar e militante pela reunificação, envolvido em diversos episódios violentos durante o período dos Troubles. A diferença está no cenário político irlandês está nos partidos mais centristas. Um “centrão” de Dublin, usando o termo muito utilizado na política brasileira.

Centrão

O Fine Gael, partido de Leo Varadkar, é de centro-direita, enquanto o Fianna Fáil está ao centro e outros dois partidos são de centro-esquerda; a encarnação local dos trabalhistas e os sociais-democratas. Todos eles advogam pela reunificação, mas de maneira progressiva e gradual. Por exemplo, negam que um referendo seja viável ainda para o próximo governo.

E qual visão irá triunfar nas eleições, a dos que desejam reunificação o mais breve possível ou a dos que advogam pela calma? Segundo as pesquisas, provavelmente algum partido do “centrão” terá voz no próximo governo.

São necessários oitenta assentos para um vencedor. O centrista Fianna Fáil e a esquerda do Sinn Féin estão empatados na ponta da preferência popular. Uma questão importante é que o Sinn Féin também é o partido com maior rejeição dos que estão no parlamento, justamente pelo seu histórico com o IRA e por ser visto como muito radical por boa parte dos eleitores. Novamente segundo o Irish Times, 36% dos eleitores não gostariam desse partido numa coalizão de governo. Em terceiro lugar está o Fine Gael, seguido pelos verdes e pelos trabalhistas.

No final do dia, provavelmente teremos na Irlanda uma coalizão de “centrão” liderada pelo Fianna Fáil, com uma oposição nacionalista à esquerda liderada pelo Sinn Féin que pressionará pela causa da reunificação, especialmente em todo e qualquer momento de debate em torno do acordo do Brexit e suas consequências. Tudo isso na mesma semana em que Nicola Sturgeon, a líder do parlamento escocês, escreveu que “A Escócia retornará ao coração da Europa como país independente”. O Brexit ainda está longe de acabar, especialmente dentro do Reino Unido.

Conteúdo editado por:Isabella Mayer de Moura
2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Marcus Vinicius de Andrade

    ± 2 dias

    O que eu acho estranho é um povo exigir e lutar pela independência, como fazem os irlandeses, os escoceses e os catalãs, para, em seguida, solicitar o seu ingresso na União Europeia, a qual objetiva acabar com todas as fronteiras e criar uma espécie de "Estados Unidos da Europa". É trocar 6 por meia duzia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • G

      Gian Luca Nagy Elian

      ± 16 horas

      Muito melhor é se sujeitar à acordos com outras potências como os EUA e a China -que é o que o UK ta fazendo, né? Na União Européia, a Escócia ainda tem participação nas decisões do grupo, tendo obviamente que respeitar o que a organização decidir em conjunto. Essa ânsia por "independência de tudo e de todos" vai trazer tudo pro UK, menos autonomia, já que agr só resta pra eles serem a putinha dos EUA

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]