i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

Oriente Médio

Coronavírus, um novo aliado dos EUA na Síria

  • Por Filipe Figueiredo
  • 16/06/2020 07:57
síria eua
Pessoas agitam bandeiras nacionais da Síria e fotos de Bashar al-Assad em manifestação contra as sanções dos EUA ao país, no centro da capital Damasco, em 11 de junho de 2020| Foto: LOUAI BESHARA / AFP

A situação na guerra civil da Síria poderá sofrer uma reviravolta nos próximos dias. O conflito, iniciado em 2011, já custou cerca de 400 mil vidas e transformou quase dez milhões de pessoas em refugiadas, em outros países ou dentro da própria Síria. A catástrofe, entretanto, está equilibrada por alguns anos já, ao menos do ponto de vista militar. O apoio bélico russo foi decisivo para a manutenção de Bashar al-Assad como ditador sírio, mas os sonhos de uma pujança na reconstrução do país correm o risco de se dissolverem em meio aos novos desdobramentos.

A guerra na Síria já foi abordada diversas vezes aqui nesse espaço, então, para concisão, vamos “pular” alguns aspectos do contexto sírio e deixar apenas o convite para que o leitor leia, ou releia, esses textos por aqui. O fato é que desde a última ofensiva turca em Idlib, em outubro de 2019, não ocorria nenhum grande novo desenvolvimento na distribuição de forças do conflito. O governo Assad não controla todo o território, mas as linhas estão, basicamente, estáveis, com russos, turcos e os EUA equilibrando suas posturas entre agressivas e mantenedoras do status quo.

Reconstrução

A esperança do regime Assad é a de que, com o congelamento do conflito, a reconstrução começasse rapidamente. A recuperação econômica seria a cereja no bolo de sua manutenção no poder, apoiada por uma nova constituição, menos centralizada. Também é o desejo de seus aliados. O Irã anseia por um terreno fértil para investimentos que não dependam das sanções dos EUA. O Hezbollah terá uma chance para expandir sua governança e a Rússia também terá possibilidades de investimentos e ainda mais influência no mercado mundial de hidrocarbonetos.

Até a China, não envolvida diretamente no conflito, também estava correndo para abocanhar contratos da reconstrução síria, um montante que especula-se começa na casa dos 250 bilhões de dólares. Isso, entretanto, começou a esfriar, o que pode finalmente ser uma ameaça para Assad como ditador. Duas questões motivam esse esfriamento. Uma delas é a pandemia do novo coronavírus. Todas as economias ao redor do mundo estão sofrendo e vão sofrer. Esse é um fato consumado, não existe dilema entre salvar vidas ou salvar a economia. As economias já estão prejudicadas.

Isso significa menos disponibilidade de recursos e de investimentos, e também menos disposição ao risco. Como o Irã vai se comprometer com a construção de uma usina na Síria se pode precisar dos recursos para a compra de insumos de saúde? O mesmo raciocínio vale para basicamente todos os países, inclusive a China. E também a própria Síria. Não há como saber com precisão o tamanho do efeito do novo coronavírus no país, tanto pelo fato do governo não controlar todo o território quanto pelo fato de não ser exatamente o Estado mais transparente do mundo.

Oficialmente, nos últimos três meses, são 177 casos confirmados e seis mortes nas áreas controladas pelo governo, cerca de dois terços do país, incluindo as maiores cidades. Ainda assim, a mortalidade de 3,4% é preocupante. Mesmo países pobres, como a Etiópia e o Paraguai, possuem mortalidades bem mais baixas. Isso mostra que a guerra síria, mesmo congelada nas linhas de frente, ainda cobra um preço social e econômico muito grande, comprometendo a capacidade de Damasco de controlar e combater a pandemia. E, novamente, restrito aos números oficiais.

Crise financeira

A outra questão é a crise econômica síria, que se agrava dia após dia. Além de decorrente de uma guerra prolongada e de sua destruição, e também do combate ao novo coronavírus, a economia síria sofre com o colapso bancário do vizinho Líbano. A Síria tem usado o sistema bancário libanês como uma ponte para o mercado internacional, contornando sanções. Para evitar um colapso total do sistema financeiro nacional, o banco central libanês impôs restrições de quantidade e limites de transações. Isso fez com a Libra síria derretesse em valor, colocando a Síria na rota da hiperinflação.

O salário médio sírio caiu de equivalente a 60 dólares por mês em fevereiro para o equivalente a 15 dólares em junho. E o buraco negro da hiperinflação, como a História brasileira mostra, é que não apenas o dinheiro vale menos, as coisas ficam mais caras. “Coisas”, no caso, não é um videogame de nova geração, mas alimentos, cujos subsídios estatais estão diminuindo. E essa situação econômica provavelmente vai se agravar. À partir do dia 17 de junho, entrará em vigor o Caesar Act do governo dos EUA, que vai punir com sanções toda e qualquer transação que envolva o Estado sírio.

A lei é nomeada com o pseudônimo do ex-fotógrafo do exército sírio que contrabandeou dezenas de milhares de imagens de torturas e execuções em prisões do regime. A fundamentação é a de que o regime, como um todo, é um violador de direitos humanos, e cortar as artérias financeiras do país. O Caesar Act, inclusive, motivou parte das decisões do sistema bancário libanês, mesmo antes de entrar em vigor. A ideia de Washington é que ela seja um golpe final no regime Assad, destruindo a economia síria para forçar uma substituição de Assad ou mais um levante popular.

Timidamente, isso já está ocorrendo. Na última semana, Assad demitiu o ministro-chefe Imad Khamis e, no último final de semana, protestos contra os preços dos alimentos ocorreram em bastiões leais ao regime. Em outras circunstâncias, o Caesar Act seria apenas mais uma peça num quebra-cabeça muito mais vasto. Afinal, mais sanções contra a Síria não vão afastar iranianos ou russos, que já são alvos de sanções de Washington. Alimentos do Irã, um grande produtor agrícola, poderiam inundar o mercado sírio, assim como investimentos russos.

Vírus

Além disso, militarmente, a Síria não é mais sequer o foco da atenção dos atores envolvidos, substituída pela destruição na Líbia, que reúne quase os mesmos atores. A pandemia do novo coronavírus, entretanto, coloca esses resgates como mais improváveis e torna a situação de Assad mais delicada. O vírus se tornou o principal aliado dos EUA contra Assad. E isso é apenas uma expressão, nada de teorias da conspiração de que seria uma arma biológica criada para destruir o regime Assad, ou criada em laboratório nos EUA e solta na China para incriminar Pequim.

Nada disso quer dizer que Assad está danado. Ele ainda controla as forças armadas, controla o território e pode usar da mesma receita que usou em 2011: sufocar protestos com força brutal. Ninguém vai conseguir desafiá-lo enquanto os céus forem dominados pela Rússia. Além disso, a Síria não é um país geograficamente isolado. Possui rotas comerciais terrestres com o Iraque, o Irã e o Líbano. E a reconstrução, timidamente, já começou. O país está implementando projetos de agricultura na estepe de Badia e construindo um anel rodoviário em Homs, pólo de refinarias de petróleo.

Hoje é virtualmente impossível colocar todas as fichas em uma das posturas mais comuns no cenário internacional. Uns, como o próprio Assad, dizem que o ditador é “incaível”. Outros, como Washington, afirmam que o regime está com os dias contados. Putin, por anos, tem uma carta na manga: mudar tudo para que tudo continue igual. Providenciar alguma saída negociada para Assad e colocar alguém do mesmo perfil, que mantenha os acordos com Moscou. Quem vai decidir quem está certo, no fim das contas, é o vírus, dependendo de como ele afetará a Síria e seus principais aliados.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    Diego Leite de Oliveira

    ± 17 horas

    E no meio disso tudo está o povo Sírio que sofre com um ditador, com sanções internacionais, desabastecimentos recorrentes e com o radicalismo Islâmico. Que Deus tenha misericórdia do povo sírio.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]