i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

Acordo nuclear

Irã e EUA no jogo de quem pisca primeiro

  • Filipe FigueiredoPor Filipe Figueiredo
  • 19/02/2021 09:40
biden eua
Presidente dos EUA, Joe Biden| Foto: Alex Wong/Getty Images/AFP

Será que os governos de Estados Unidos e Irã vão retornar ao acordo nuclear assinado em 2015? Como dois adversários que se encaram e aguardam o outro piscar primeiro, Washington e Teerã trocaram algumas declarações nos últimos dias que podem sinalizar o retorno. Caso prefiram uma analogia mais romântica, como um casal em que ambos querem, mas esperam o outro dar o primeiro passo. O problema é que, independente da analogia, a espera pode ser muito longa e não render nada.

Originalmente, o acordo, cujo nome oficial é Plano de Ação Conjunto Global, precisava ser recertificado a cada seis meses, com os países signatários e a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) declarando que o Irã estava cumprindo sua parte do acordo. Depois de três ameaças de vetar a certificação, o governo Trump finalmente saiu do acordo em maio de 2018. Além de sair, reinstaurou sanções econômicas contra o Irã. Como tudo herdado da era Obama, Trump classificou o acordo como “horrível”.

Também em seu estilo corriqueiro, afirmou que conseguiria um acordo melhor, uma “solução real, abrangente e duradoura". É importante notar que, na ocasião, a AIEA certificava que o Irã estava cumprindo sua parte do acordado, e que o Irã não barrou ou atrapalhou de forma alguma o trabalho dos inspetores da agência. Os aliados europeus signatários do acordo, França, Alemanha e Reino Unido, insistiram na manutenção dos EUA e afirmaram que seguiriam no acordo, mesmo sem Washington.

Tanto Rússia quanto China também afirmaram que a saída dos EUA do acordo era um erro e um ato que criaria problemas de confiança, algo reforçado pelo aiatolá Khamenei. Como confiar em um Estado que sai de um acordo apenas por ter mudado seu governo? O fato é que, com os EUA de fora, o acordo perdeu muito de sua força. Os europeus não quiseram apostar e manter os investimentos planejados no Irã, e chegaram até a elaborar um mecanismo de escambo, para fugir de possíveis sanções financeiras.

A economia do Irã também sofreu, e já vinha mal desde antes da pandemia. Sua moeda perdeu força e até o comércio habitual iraniano começou a operar sob a ameaça de problemas, vide quando dois cargueiros iranianos ficaram num breve limbo jurídico no Brasil. Por um ano, o Irã seguiu cumprindo o acordo, como gesto de boa vontade, mas cansaram e começaram a, publicamente, anunciar violações do acordo. Afinal, como violar algo que sequer estava sendo cumprido pelo outro lado?

Urânio enriquecido

Se Washington retomou sanções, Teerã retomou o enriquecimento de urânio, ultrapassando tanto os limites de quantidades quanto de qualidades do urânio enriquecido. O primeiro anúncio do tipo veio em maio de 2019, exatamente um ano após o rompimento pelo governo Trump. Pelo acordo, o limite de enriquecimento do urânio é 3,67%, suficiente para usos pacíficos e médicos. No mínimo, a barreira de 5% foi ultrapassada, de maneira confirmada, com anúncios de intenção de chegar aos 20%.

Esse é quase o limite do uso pacífico, mesmo que ainda distante dos 90% de uma bomba. O país também dobrou a quantidade de centrífugas em operação e produziu urânio metálico. No meio disso tudo, é importante lembrar outro motivo para o fim do acordo, por parte de Trump: sua boa relação com o premiê israelense, Benjamin Netanyahu. Para os israelenses, o acordo era inaceitável pois seria apenas uma forma do Irã ganhar tempo, recuperar sua economia e, então, com mais músculos, desenvolver a bomba.

Outra crítica, essa não apenas israelense, é de que o acordo não abrangia o programa de mísseis iranianos. Ou seja, além de supostamente ganhar tempo para fazer uma bomba atômica, o país estaria livre para desenvolver e aprimorar seus mísseis após oito anos de moratória do acordo. Os mesmos mísseis que o Irã fornece ao Hezbollah, o principal inimigo na fronteira norte israelense, e que compartilha tecnologia com a Coreia do Norte, um potencial inimigo de aliados dos EUA, como o Japão.

Após a derrota eleitoral de Trump, o governo iraniano sinalizou, mais de uma vez, que, se o novo governo Biden retirasse as sanções, o Irã retornaria aos termos do acordo. Seria uma questão de “vinte minutos”, como dito na imprensa iraniana. Algo que favorece o otimismo iraniano é o fato de que, hoje, muitos funcionários do gabinete Biden estiveram na administração Obama. Alguns até fizeram parte das negociações do acordo, como o secretário de Estado, Anthony Blinken, e o conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan.

Sinais de boa-vontade

E o primeiro sinal nesse caminho veio nessa quinta-feira, dia 18. Blinken, em videoconferência com seus homólogos do Reino Unido, da França e da Alemanha, afirmou que seu governo está disposto a negociar com o Irã o retorno ao acordo. O secretário afirmou que o acordo “é uma conquista fundamental da diplomacia multilateral”. Os países europeus, sabendo que nem Washington e nem Teerã irão tomar um primeiro passo concreto, já teriam se oferecido para formalizar os convites para conversas.

A reticência iraniana é baseada no fato de que, como Washington que saiu do acordo, Washington que deve retornar. O ministro de relações exteriores iraniano, Mohammad Zarif, twittou: “Em vez de sofismas e colocar o ônus no Irã, a E3/UE deve cumprir seus próprios compromissos e exigir o fim do legado de Trump de terrorismo econômico contra o Irã. Nossas medidas remediadoras foram uma resposta às violações de EUA/E3. Remova a causa se você teme o efeito”.

Ou seja, removam as sanções primeiro que a “reação” iraniana também vai dissipar. O termo E3, no caso, se refere aos três países europeus aliados dos EUA. Já a reticência dos EUA é explicada pelo público interno. Procurar o Irã para negociar faria o novo governo Biden parecer fraco, submisso, além de repercutir mal em Israel. E aqui entra outro elemento desse cálculo, as eleições israelenses, que determinarão qual o tamanho da força de Netanyahu nesse tabuleiro.

Outro gesto do novo governo dos EUA foi o de retirar de pauta um pedido feito pelo governo Trump ao Conselho de Segurança da ONU, que propunha o retorno de sanções internacionais ao Irã, já rejeitado, agora descartado. Finalmente, hoje, dia 19 de fevereiro, Joe Biden vai falar, por vídeo, na Conferência de Segurança de Munique. Será a primeira vez que um presidente dos EUA no cargo vai participar do evento. Se ele estender sua mão publicamente aos iranianos, pode ser que deixem de apenas se encarar.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • H

    Humberto Edson Cervelin

    ± 0 minutos

    Biden flerta com o mal, aproxima-se da serpente venenosa acreditando poder domesticá-la. Na agenda do atual partido democrata não importa o mal que o inimigo faça ou represente, Irã, China ,Cuba, Coréia, são ditaduras que oprimem e tortura sua própria população, e realmente não combina com a democracia americana além de constantemente serem ameaças reais ao mundo livre.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      marco Aurelio Bittencourt

      19/02/2021 17:17:48

      Gostaria de ver uma analise sobre os malefícios ou benefícios de Trump para o mundo, em comparação com os demais presidentes e em especial o Barack Obama. Não consigo esquecer o efeito sobre a Síria e a fuga de seus cidadãos para outros países, inclusive o Brasil. Isso tá na conta do Obama. O que poderiam colocar na conta do Trump?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.