i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Flavio Gordon

Foto de perfil de Flavio Gordon
Ver perfil

Sua arma contra a corrupção da inteligência. Coluna atualizada às quartas-feiras

Cismogênese

  • Por Flavio Gordon
  • 18/03/2020 15:24
Cismogênese
| Foto: Benjamin Hartwich/Pixabay

“Eu percebi claramente, e fazia anos, que a distância crescente, agora abissal, entre a população e os que falavam em seu nome, políticos e jornalistas, devia necessariamente levar a algo caótico, violento e imprevisível” (Michel Houellebecq, Submissão)

Em abril de 2017, a Fundação Perseu Abramo, think tank petista, divulgou o resultado de uma pesquisa sobre o imaginário político dos moradores das periferias de São Paulo. Espantados e contrariados, os autores da pesquisa descobriram aquilo que qualquer inteligência saudável, fora do opressivo e bolorento conjugado mental em que se meteu a esquerda tupiniquim, já podia intuir: os pobres tendem a ser mais liberais e conservadores que os ricos. No espectro político nacional, estes tendem à esquerda (tanto faz se comunista, socialista fabiana, festiva ou identitária); aqueles, à direita.

Em dezembro de 2016, o Ibope já publicara uma pesquisa semelhante (e com semelhante reação), na qual apontava o aumento do conservadorismo do povo brasileiro. À época, o tema foi discutido no programa Estúdio I, da Globo News, em que, num tom que alternava entre perplexidade e condescendência, a apresentadora e os convidados procuravam mil e uma explicações para o resultado, que lhes parecia antinatural.

O aumento do conservadorismo da população só pode ser compreendido relativamente à intensificação do progressismo das nossas “elites” culturais

Aquela perplexidade, típica da classe falante nacional como um todo, deriva de um problema muito simples: os jornalistas e opinadores midiáticos parecem ter passado incólumes pela teoria da relatividade. Sim, ali no estúdio da Globo News, bem como em tantas outras províncias progressistas espalhadas pelo país, os insights de Albert Einstein não repercutiram – ao contrário, por exemplo, do uso masculino de saias, das crianças “transgênero” e demais obsessões do jornalismo lacrador e prafrentex.

Particularmente, os nossos formadores de opinião ainda não descobriram uma coisa chamada movimento relativo. Quando olham para o aumento do conservadorismo do brasileiro, imaginam estar num ponto fixo de observação, sem perceber que também eles estão em movimento – no caso, em sentido contrário. Pois a verdade é que aquele aumento de conservadorismo só pode ser compreendido relativamente à intensificação do progressismo das nossas “elites” culturais.

Se, para os integrantes do Estúdio I, o povo brasileiro parecia estar se afastando rumo à direita, é porque eles próprios estão se afastando rumo à esquerda. A sensação de distância é intensificada pela soma dos vetores dos dois “corpos” movendo-se em direções opostas – o povo, para um lado; a classe falante, para o outro.

Minha hipótese é a seguinte: aquela distância cultural tende a aumentar ao longo das próximas décadas, porque ambos os comportamentos (o conservadorismo do povo e o progressismo da elite) têm se reforçado mutuamente, numa modalidade de interação que proponho chamar de cismogênese complementar.

O conceito de cismogênese foi desenvolvido pelo antropólogo anglo-americano Gregory Bateson (1904–1980) em seu livro Naven, de 1936. Inspirado nos princípios da cibernética, ele cunhou o termo para explicar a complexa dinâmica social manifesta no ritual que dá nome ao livro, e que é praticado pelos iatmul, povo habitante das terras baixas do médio Rio Sepik, em Papua Nova Guiné.

Evidentemente, este não é o espaço para tratarmos de tão exótica cerimônia, que comporta elementos de travestismo e a observância de brincadeiras jocosas entre parentes masculinos de gerações distintas, incluindo simulações parodísticas de relações sexuais entre “tios maternos” (wau) e “sobrinhos” (laua). O leitor interessado pode buscar a referência por conta própria.

A classe falante não compreende que ela própria é parte do problema e que, talvez ainda menos que os políticos, tampouco representa os valores e a visão de mundo do brasileiro médio

Fiquemos por ora apenas com a noção de cismogênese, cujo sentido pode ser antecipado já na própria etimologia. O termo resulta da junção das palavras em grego para “ruptura” (skhisma) e “origem” (genesis). Em tradução literal, portanto, teríamos algo como “origem da ruptura”.

Na definição do autor, trata-se de um “processo de diferenciação nas normas do comportamento”, aplicável tanto a indivíduos quanto a coletividades. O processo é cumulativo, consistindo na interação entre partes que reagem mutuamente ao comportamento umas das outras. Assim, se um indivíduo A se comporta de tal maneira a induzir uma reação em B, essa reação afetará o comportamento posterior de A, que induzirá nova reação de B, e assim sucessivamente, numa gradação que, em estado avançado, pode gerar uma profunda ruptura quanto à forma original da interação.

Bateson distingue duas modalidades de cismogênese: a simétrica e a complementar. A primeira se dá entre partes equivalentes que reproduzem um mesmo tipo de comportamento, caracterizando-se, portanto, pela presença da rivalidade. O exemplo mais claro é o da corrida armamentista durante a Guerra Fria. A cada exibição de poder bélico por parte dos Estados Unidos, a União Soviética respondia da mesma forma, o que incitava uma nova exibição americana, seguida por uma resposta soviética ainda mais ostensiva, num escalonamento interativo que, por pouco, como sabemos, não resultou numa hecatombe nuclear.

A cismogênese complementar, por sua vez, ocorre entre partes assimétricas numa determinada interação, de modo a que o comportamento X de uma delas induza ao comportamento Y da outra, que levará a uma intensificação de X, logo a uma intensificação correspondente de Y, e daí em diante. Esse padrão relacional poderia ser ilustrado com a imagem de um casal em que um dos cônjuges exibisse um comportamento assertivo, enquanto que o outro, um comportamento submisso. Nessa interação, a submissão deste alimentará a assertividade daquele, que resultará em mais submissão e, consequentemente, em mais assertividade, até o ponto em que, no limite, a situação fique insustentável, culminando no fim do casamento.

Importa ter em mente que, seja pela via da simetria, seja pela da complementaridade, a cismogênese tende ao colapso da interação. Assim, um padrão de relacionamento que começa de maneira sutil, e aparentemente sem consequências, pode com o tempo levar a uma crise de grande dramaticidade.

É o que se passa hoje na relação (ou, dir-se-ia, ausência de relação) entre o povo brasileiro e a sua classe falante, que obedece a um padrão de cismogênese complementar no qual o aumento do progressismo de uma induz ao aumento do conservadorismo do outro, que leva a mais progressismo por parte daquela, seguido de mais conservadorismo por parte deste, e por aí vai.

O cidadão comum está por sua própria conta e risco na esfera da cultura

Não sabemos onde isso tudo vai terminar, mas é possível supor que não em coisa boa. Muito tem se falado acerca de uma tal “crise de representatividade” na democracia brasileira. Os que costumam usar o termo integram precisamente aquela classe falante de que vamos tratando, e, por isso mesmo, reduzem a sua aplicação à esfera do Estado e da política partidária. Não compreendem – e parece haver algo de estrutural nessa incompreensão – que eles próprios são parte do problema, e que, talvez ainda menos que os políticos, tampouco representam os valores e a visão de mundo do brasileiro médio.

Como em tantos outros domínios, o cidadão comum está por sua própria conta e risco na esfera da cultura, só lhe restando apelar ao repertório tradicional de símbolos que, de algum modo, ainda restaram de eras passadas, nas quais a distância entre os consumidores e os formadores de opinião (e de valores, e de gostos, e de hábitos) não se fizera ainda tão abissal.

Pondo tudo na balança, resta que, apesar dos riscos, talvez haja algo de alvissareiro naquela perspectiva de ruptura. Afinal, o povo brasileiro não terá mesmo muito a lamentar quanto ao eventual colapso de uma relação com uma elite cultural que, do alto das cátedras, das redações, dos estúdios e dos palcos, não cansa de manifestar por ele o mais profundo e inabalável desprezo.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
25 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 25 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Flavio Monteiro de Carvalho

    ± 17 dias

    Os ********** esquerdistas se retro alimentam. Se votam mutuamente. Se aplaudem freneticamente. Se elogiam reciprocamente. Daqui a pouco chega a fase da autofagia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • O

    osvaldo americo

    ± 17 dias

    Um exemplo claro. Todo mundo fica abismado quando eu falo que o carioca pobre não vota no Freixo. O discurso do PSOL é elitista e não casa com o pensamento do pobre.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Daniel

    ± 18 dias

    Parabéns, Flavio. Como de costume, bom artigo. Enquanto o povo tinha como oráculo a midia mainstream, a guerra era assimétrica. As redes sociais mudaram o equlíbirio de forças e acho que por isso a cismogênese explicada no texto tende a aumentar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JJ

    ± 19 dias

    Confesso que pago esse jornal para ler Flávio Gordon e Alexandre Garcia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sidney F Costa

    ± 22 dias

    O Estudio i é o mesmo programa em que a apresentadora Maria Beltrão chamou de cidadão um traficante portando um Fuzil apontado para cima e que o fuzil apontado para cima não oferecia risco a população! O nível do distanciamento entre a população e os ativistas/jornalistas lavradores pode ser visto por essas e tantas outras declarações e entrevistas do programa . É absurdamente ridículo !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • S

      Sidney F Costa

      ± 22 dias

      * Lacradores

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DELMO FONSECA

    ± 22 dias

    O texto é irretocável. É sempre gratificante ler o Flávio Gordon.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    antonio sergio ferreira baptista

    ± 22 dias

    Gordon quando deixa de lado o misticismo religioso é brilhante. Parabéns pelo artigo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    J.A.O

    ± 22 dias

    Ler um artigo desses é lavar a alma, é revigorar a esperança de que ainda temos pessoas capazes, e que falam livremente. Me senti muito feliz ao ler seu texto. Parabéns Flavio Gordon.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo de Mello Araujo

    ± 22 dias

    Excelente artigo!.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Edson - Sítio Cercado

    ± 22 dias

    Eu cresci e estudei acreditando na Globo e nos Socialistas... nunca tive alguém que explicasse direito sobre a lavagem cerebral que faziam na Universidade e nas Escolas que frequentei. Felizmente acordei a cerca de 2 anos e meus filhos e sobrinhos já estão sendo alertados desde pequenos a valorizar o trabalho e o estudo e não o coitadismo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando

    ± 22 dias

    Melhor texto do mês e válido desde abril de 2017. A distância culminou com a eleição do Bolsonaro em 2018 e a ruptura entre as duas classes na mesma data? A vitória dos conservadores em 2018 vai ser finalizada em 2020 com um golpe dessas elites e o silêncio do povo cansado do presidente, sua família e entorno ideológico? Game over?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Hélio

    ± 22 dias

    Muito bom Flávio. É o dedo bem em cima da ferida ! Esse pessoal da classe falante vive em outro mundo. Como prega o mestre Olavo, há décadas eles vem imbecilizando-se uns aos outros. E agora o processo já está perfeitamente concluído. Ouvi-los falando em qualquer mesa redonda ou debate, dá dor de barriga !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • E

      Eduardo Prestes

      ± 22 dias

      O marxismo derrete o cérebro. Essa gente pensa errado, faz diagnósticos errados, análises erradas e tomam medidas erradas. E JAMAIS admitem ou entendem seus erros grosseiros, voltando a fazer as mesmas bobagens, como o congelamento de preços na Argentina. E ainda acham que o capitalismo é malvadão e o socialismo vai dar certo...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Carvalho

    ± 22 dias

    Muito bom!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO RIBAS GOMES

    ± 22 dias

    Flavio, o que tem a ver Einstein com tudo isso? Vc colocou no meio do texto, sem pé nem cabeça. Coitado do Einstein. Ainda, cismogenese me parece ter a ver com as igrejas. ou a ruptura do pensamento crítico, e a adoção do amigo imaginário que te obriga a se comportar de determinada maneira. rs tem que rir mesmo. Teoria da relatividade tenta explicar o espaço-tempo, e a gravidade. Tudo bem longe das igrejas e seus amigos imaginários.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • M

      MateusMS

      ± 22 dias

      Jose Afonso de Oliveira: ele tem comunavirus...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • J

      J.A.O

      ± 22 dias

      "Não entendeu nada né Leonardo? Amigo, saber ler, não garante que você consiga interpretar o que está escrito. " By método ´´PAULO FREIRE``.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 22 dias

    Só faço um reparo: a Teoria da Relatividade de Einstein não tem nada a ver com o simples "movimento relativo" entre dois corpos a que o autor faz referência. Movimento relativo é Física Clássica, já era conhecido desde Galileu. A Teoria da Relatividade de Einstein se refere à relação entre espaço e tempo, que se manifesta de maneira mais perceptível em velocidades muito altas, próximas à velocidade da luz, quando ocorrem fenômenos tais como a dilatação do tempo ou contração do comprimento de objetos, "estranhos" para o nosso senso comum. Agora, um simples movimento relativo entre dois objetos com velocidades diferentes é mecânica clássica pura - nada a ver com Einstein.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 22 dias

    É isso Gordon, o povo brasileiro é conservador. Vc é, eu sou, milhões são. Diria que a população na sua maioria é. Acho que se fizesse uma pesquisa séria daria uns 90%. O tal do progressismo junto com o politicamente correto são as pragas hodierna. Essa cambada que infestam as redações não admitem que o brasileiro médio é definitivamente contra , por ex, o abortamento, a liberação das drogas, a ideologia de gênero, pra ficar só nessas. Conservadores?, uni-vos, eheheh...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marçal

    ± 22 dias

    Gostei do texto, bastante. Me preocuparia, se o autor fosse, visto que o “homem médio” no seu distanciamento do intelectualismo e da ciência, acabar engolido pelos médios.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Breno

    ± 22 dias

    Muito bom.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Moraes

    ± 22 dias

    Texto brilhante como sempre. Só a sua coluna já justifica a assinatura da Gazeta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Thais de Melo Queiroz

    ± 22 dias

    Texto sensacional como sempre! Acrescentaria, ainda, que antes da internet e das redes sociais, víamos o crescente progressismo, incomodava um pouco, mas achávamos que todos pensavam assim (sendo que na verdade a unanimidade era entre a classe falante). Ficávamos tímidos com nosso conservadorismo e o ocultávamos. Com as redes sociais começamos a ter noção que enorme contingente de pessoas também é conservadora e agora não se envergonha do rótulo, xingamento até uns anis atrás.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luciano Borges de Santana

    ± 22 dias

    Os mesmo princípios utilizados pelo autor podem ser replicados para a classe política e isso deve preocupar. Quando a população não tem os problemas sentidos pelos seus dirigentes, escolherá qualquer populista que afirme ser necessário essa elite dirigente simplesmente ser extinta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.