i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Flavio Quintela

Foto de perfil de Flavio Quintela
Ver perfil

O começo de tudo

  • PorFlavio Quintela
  • 15/05/2019 15:44
John Ridley/Free Images
John Ridley/Free Images| Foto:

Começarei esta série de artigos de forma bem cronológica, discorrendo um pouco sobre o processo de abertura de uma empresa nos Estados Unidos, mais precisamente no estado da Flórida, onde moro.

Quando decidi abrir uma empresa aqui, já sabia que era algo muito menos penoso que no Brasil. Ainda assim, a gente acaba se impressionando quando conclui a abertura, tamanha é a diferença quando comparamos com a burocracia brasileira. Em primeiro lugar, aqui você só paga um contador para abrir a empresa se quiser. Eu sou um “fuçador” por natureza, e precisei de pouco mais de uma hora de pesquisa na internet para aprender as pouquíssimas etapas do processo. Na Flórida, funciona assim:

1. Você escolhe o nome da empresa, entra no site da Divisão de Corporações do Estado da Flórida e pesquisa se o nome está livre para uso;

2. No mesmo site, por meio de um link ululantemente óbvio (“Comece um Negócio”), você é levado ao formulário eletrônico para registro de nova empresa;

3. Em menos de dez minutos está tudo preenchido e basta pagar uma taxa de US$ 125 para finalizar a parte estadual.

Em dois a três dias após o pagamento você recebe um e-mail dizendo se deu certo ou não. Se a resposta é positiva, você segue para o registro federal, para receber o EIN, equivalente de um CNPJ brasileiro. Novamente, a rapidez é de espantar: bastam alguns minutos no site do IRS, o equivalente americano da Receita Federal, para se concluir o pedido de registro. Poucos dias depois, chega uma carta com o número. Restará ao empreendedor tirar quaisquer licenças municipais ou do condado que porventura sejam necessárias, e que variam bastante de acordo com o ramo de atividade. No meu caso, como não recebo clientes no escritório, nenhuma licença adicional foi necessária.

Com a empresa aberta legalmente, a prioridade do empresário é vender. Para isso, ele não terá de se preocupar com a aquisição de uma impressora de cupom ou nota fiscal, e nem precisará registrar número inicial ou final de série de nota. O invoice, documento americano que mais se assemelha à nota fiscal brasileira, pode ser feito no computador de casa, usando um editor de textos simples, com qualquer numeração que se queira. Invoices não precisam ser enviados a nenhum órgão de fiscalização e sua emissão não é controlada. São documentos de controle do empresário, servem para referenciar vendas, localizar envios, alimentar a contabilidade etc. Aqui, quando se erra um invoice, basta marcá-lo como nulo e fazer outro, bem diferente do problemático cancelamento de nota fiscal, que implica em um processo burocrático e que consome tempo precioso.

E os impostos? Não poderiam ser mais simples do que são na Flórida: cobra-se um imposto sobre o valor de venda apenas dos clientes que residem no estado – clientes de fora da Flórida não pagam nenhum imposto – e esse valor é repassado ao fisco estadual uma vez por mês. A tributação sobre o lucro é federal e acontece uma vez ao ano. Não existe regime de lucro presumido ou qualquer outra esquisitice em vigor no Brasil. Tributa-se apenas o lucro auferido, e todo o prejuízo acumulado nos anos iniciais da empresa (ou mesmo em algum período de crise ou baixa nos negócios) pode ser abatido desse cálculo. Em termos práticos, significa que uma empresa nova chega a operar de cinco a seis anos sem pagar um único centavo de impostos.

Na semana que vem, vou falar sobre contratação de funcionários e carga tributária sobre folha de pagamento, um dos maiores entraves ao empreendedor brasileiro. Mostrarei como o modelo americano facilita o crescimento das empresas e ajuda a fomentar novos negócios. Até lá!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.