i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Flor de Sal

Foto de perfil de Flor de Sal
Ver perfil

Os obstáculos e as limitações de uma alimentação restrita

Neurogastronomia

Sabor amargo: intenso ou perigoso?

  • Por Gabi Mahamud
  • [13/07/2020] [11:06]
Sabor amargo: intenso ou perigoso?
| Foto: Divulgação/Flor de Sal

O amargo é o sabor oposto à acidez, quando falamos da perspectiva do PH. O amargo sinaliza a presença de alcaloides e descreve substâncias com o PH maior que 7. Quanto maior o PH, mais básica a substância, mais amarga e mais perigosa. Na natureza, um PH alto é, geralmente, um indicador de veneno – de frutinhas tóxicas à carne deteriorada – e isso explica um pouco porque somos quase que instintivamente aversos ao gosto amargo.

Aquela sensação esquisita que sentimos é basicamente uma resposta automática do corpo pra evitar que a gente engula mais um pedacinho sequer da substância. Curiosamente, a cara que fazemos quando comemos algo muito amargo é a mesma que fazemos quando nos deparamos com algo “nojento”. A emoção sentida quando estamos com nojo tem sua base na repulsão inerente que experimentamos em relação ao gosto amargo. Essa repulsa desempenha um papel vital fundamental, protegendo nosso bem estar físico e mental.

Nós temos cerca de 25 tipos diferentes de receptores para o gosto amargo – muito mais que para qualquer outro gosto. Uma das explicações para isso é que existem muitos componentes diferentes do amargo e é super importante reconhecê-los, já que é uma questão de saúde e sobrevivência.

Ainda que todos os seres humanos tenham a mesma gama de receptores de sabor amargo, nós o percebemos de maneira diferente.

Supertasters

A intensidade que cada pessoa experiencia o sabor amargo depende especificamente da individualidade genética. Então, se você não se dá muito bem com o amargo, pode ter certeza que não é frescura. Acontece que tem pessoas que tem dois genes dominantes para a percepção do amargo, e acabam sentindo o gosto com mais intensidade que as que tem um dominante e um recessivo. E existem pessoas que não sentem muito, por possuir dois recessivos. Para descobrir “quem você é” nesse panorama, é fácil: preste atenção em quanta endívia, café preto ou cerveja IPA você consegue ingerir sem desconforto.

Se você for um “supertaster”, ou seja, se sente os sabores com mais intensidade (dois genes dominantes), você vive em um maravilhoso mundo de sabores – todos os gostos são mais extremos na sua boca e isso significa que você provavelmente prefere sabores menos intensos. Paradoxalmente, a tendência é que você goste mais de sal porque ele ajuda a reduzir o sabor amargo dos alimentos.

Curiosamente, isso também pode influenciar sua saúde, já que a maioria dos vegetais mais saudáveis (verde escuro e roxo – ricos em flavonóides e antioxidantes) são amargos e os “supertasters” tendem a evitá-los. Por outro lado, em termos de saúde, as pessoas que têm os dois genes recessivos, tendem a ter uma inclinação ao consumo exagerado de álcool, já que a maioria das bebidas tem um amargor característico.

Amargas emoções

Estudos mostram também que o quanto você gosta de amargo ou não, também está ligado à sua personalidade e sensibilidade emocional. “Supertasters” apresentaram mais sentimentos de raiva, mais sensibilidade a coisas consideradas “nojentas” (como fluídos corporais, doenças, etc). Em outro estudo, foi constatado que pessoas que não têm muita sensibilidade ao amargo (dois genes remissivos) têm mais tendência a comportamentos “malevolentes”, julgamentosos e menos simpáticos. Sem levar para os extremos – gostar de amargo não faz de ninguém um mal caráter, mas quando você precisar de um afago de um amigo querido, a chance de você encontrar melhor acolhimento em alguém com tendências “formiguinha” (pessoas que gostam muito de doce), é muito maior.

Aqui chegamos ao fim de uma série de artigos sobre Neurogastronomia e a percepção de sabor em que falamos sobre como o DOCE, o SALGADO, o ÁCIDO e o AMARGO são percebidos pelo nosso organismo, o que dizem sobre nossa personalidade, saúde, preferências e como eles funcionam no nosso corpo. Certifique-se de ler os demais também. Mas, antes, experimente essa caipirinha de mate, explorando o melhor do amargo brasileiro.

Caipirinha de Mate

Gabi Mahamud

Ingredientes

  • 1 e ½ xícaras de chá mate caseiro
  • ½ xícara de cachaça envelhecida
  • ¼ xícara de melado de cana
  • sumo de 3 limões
  • Folhas de capim limão e rodelas de gengibre para servir

Preparo:

  1. Em uma jarra, coloque o chá a cachaça, o melado, e o suco de limão.
  2. Misture bem para dissolver o melado e incorporar todos os líquidos.
  3. Encha os copos com gelo e enfeite com folhas de capim limão e rodelas de gengibre.
  4. Despeje a caipirinha e sirva em seguida.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.